Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
6Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
O QUE SÃO DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS?

O QUE SÃO DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS?

Ratings: (0)|Views: 11,151 |Likes:
Published by Elicio Gomes Lima
São normas obrigatórias para a Educação Básica que orientam o planejamento curricular das escolas e sistemas de ensino, fixadas pelo Conselho Nacional de Educação (CNE). As DCNs têm origem na Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB), de 1996, que assinala ser incumbência da União "estabelecer, em colaboração com os Estados, Distrito Federal e os Municípios, competências e diretrizes para a educação infantil, o ensino fundamental e o ensino médio, que nortearão os currículos e os seus conteúdos mínimos, de modo a assegurar a formação básica comum.
São normas obrigatórias para a Educação Básica que orientam o planejamento curricular das escolas e sistemas de ensino, fixadas pelo Conselho Nacional de Educação (CNE). As DCNs têm origem na Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB), de 1996, que assinala ser incumbência da União "estabelecer, em colaboração com os Estados, Distrito Federal e os Municípios, competências e diretrizes para a educação infantil, o ensino fundamental e o ensino médio, que nortearão os currículos e os seus conteúdos mínimos, de modo a assegurar a formação básica comum.

More info:

Published by: Elicio Gomes Lima on Jul 14, 2012
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/12/2013

pdf

text

original

 
Prof. Ms Elicio Gomes Lima: Curso de Formação de Professores Formação contínuaqualidade da Educação.
DCNs : O QUE SÃO DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS?Curso formação de professores
São normas obrigatórias para a Educação Básica que orientam o planejamento curriculardas escolas e sistemas de ensino, fixadas pelo Conselho Nacional de Educação (CNE). AsDCNs têm origem na Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB), de 1996, que assinala serincumbência da União "estabelecer, em colaboração com os Estados, Distrito Federal e osMunicípios, competências e diretrizes para a educação infantil, o ensino fundamental e oensino médio, que nortearão os currículos e os seus conteúdos mínimos, de modo aassegurar a formação básica comum.A idéia das DCNs considera a questão da autonomia da escola e da proposta pedagógica,incentivando as instituições a montar seu currículo, recortando, dentro das áreas deconhecimento, os conteúdos que lhe convêm para a formação daquelas competênciasque estão explicitadas nas diretrizes curriculares. Dessa forma, a escola deve trabalharesses conteúdos nos contextos que lhe parecerem necessários, considerando o tipo depessoas que atende, a região em que está inserida e outros aspectos locais relevantes.As DCNs se diferem dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs). Enquanto as DCNs sãoleis, dando as metas e objetivos a serem buscados em cada curso, os PCNs são apenasreferências curriculares, não leis.De acordo com o CNE, as diretrizes curriculares contemplam elementos defundamentação essencial em cada área do conhecimento, campo do saber ou profissão,visando promover no estudante a capacidade de desenvolvimento intelectual eprofissional autônomo e permanente. Dessa forma, foram estabelecidas: DiretrizesCurriculares Nacionais para a Educação Infantil;Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental; Diretrizes CurricularesNacionais para o Ensino Médio; Diretrizes Curriculares Nacionais para Formação deProfessores.
 As diretrizes definem uma política de Estado, que não depende das gestões de governo. Os parâmetros são uma decisão de política educacional da atual administração que pode persistir ou não. As diretrizes são obrigatórias, os parâmetros não. Mas esperemos que asredes públicas tenham maturidade para avaliar esses parâmetros e aperfeiçoá-los. Asdiretrizes saíram do Conselho Nacional de Educação, que é um órgão de Estado e não degoverno (ASSIS, 1999).
 
Prof. Ms Elicio Gomes Lima: Curso de Formação de Professores Formação contínuaqualidade da Educação.
A Constituição Brasileira de 1988 estabelece como objetivos fundamentais do país aconstrução de uma sociedade livre, justa e solidária, reduzindo as desigualdades sociais eregionais, sem preconceitos e discriminação de qualquer ordem (Art. 3º). Nesta direção, aLDB, de 1996, define como princípios fundamentais da educação nacional a liberdade e asolidariedade humana (Art. 2º) e, como finalidade da educação básica, o desenvolvimentodo educando para o exercício da cidadania, fornecendo-lhe os meios para progredir notrabalho e em estudos posteriores.Assim orientado, o Conselho Nacional de Educação (CNE), através da Câmara de EnsinoBásico (CEB) instituiu as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio, através deParecer CNE/CEB nº. 15/98 e Resolução CNE/CEB nº 03/98, com o objetivo de orientar osprocedimentos a serem utilizados na organização pedagógica e curricular de cada unidadeescolar integrante dos diversos sistemas de ensino.
DIRETRIZES CURRICULARES
 
NACIONAIS
 
DIRETRIZES PARA OS NOVOS PLANOS DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DO MAGISTÉRIODOS ESTADOS,
Parecer CEB 10/97Resolução CEB 3/97
DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA O ENSINO FUNDAMENTAL
 Parecer CEB 4/98Resolução CEB 2/98
DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA O ENSINO MÉDIO
 ParecerCEB 15/98Resolução CEB 3/98
 ParecerCEB 22/98Resolução CEB 1/99
DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES
 
NA MODALIDADE NORMAL EM NÍVEL MÉDIO
 
Prof. Ms Elicio Gomes Lima: Curso de Formação de Professores Formação contínuaqualidade da Educação.
Parecer CEB 1/99Resolução CEB 2/99As Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio
 – 
Parecer CEB/CNB no. 15/98,instituídas pela Resolução nº. 4/98, entre outras disposições, determinam que oscurrículos se organizem em áreas
 – 
 
a base nacional comum dos currículos do ensinomédio será organizada em áreas de conhecimento
 
 – 
estruturadas pelos princípiospedagógicos da interdisciplinaridade, da contextualização, da identidade, da diversidade eautonomia, redefinindo, de modo radical, a forma como têm sido realizadas a seleção eorganização de conteúdos e a definição de metodologias nas escolas em nosso país.Respeito do Ensino Fundamental:A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional - Lei 9394/96, em seu Art. 32 assimpreceitua, a respeito do Ensino Fundamental:"Art. 32 - O Ensino Fundamental, com duração mínima de oito anos, obrigatório e gratuitona escola pública, terá por objetivo a formação básica do cidadão, mediante:I.
 
desenvolvimento da capacidade de aprender, tendo como meios básicos o plenodomínio da leitura, da escrita e do cálculo;II.
 
a compreensão do ambiente natural e social, do sistema político, das tecnologias,das artes e dos valores em que se fundamenta a sociedade;III.
 
o desenvolvimento da capacidade de aprendizagem, tendo em vista a aquisição deconhecimentos e habilidades e a formação de atitudes e valores;IV.
 
o fortalecimento dos vínculos de família, dos laços de solidariedade humana e detolerância recíproca em que se assenta a vida social".Observa-se que a grande ênfase nesta Lei é a educação para a cidadania. A Escola Cidadã.Educar para a conquista da cidadania plena, para a busca da justiça social, do bem comume da realização pessoal do indivíduo, constitui-se no ideal de educação dos que aconcebem num sentido transformador.A construção desse modelo de educação perpassa pelo reconhecimento de que aeducação é um processo amplo que se desenvolve na família, nos movimentos sociais, nosorganismos da sociedade civil e nas manifestações culturais e religiosas. É, portanto, umprocesso que ultrapassa o contexto escolar.A ação educativa que se desenvolve na instituição Escola, os conhecimentos e valores alicompartilhados e mediados pela prática pedagógica do professor, são construçõeshistóricas da humanidade e, portanto, vinculam-se ao contexto histórico, social e culturalda sociedade. Dessa forma, não há conhecimento solitário, como não há construção dacidadania sem produção, constituição e socialização do conhecimento.

Activity (6)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 thousand reads
1 hundred reads
Mauricio Almeida liked this
EMSomacal liked this
Luciana Soares liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->