Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Look up keyword
Like this
0Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Rest Antes Principio s

Rest Antes Principio s

Ratings: (0)|Views: 2|Likes:
Published by Sara Almeida

More info:

Published by: Sara Almeida on Jul 26, 2012
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as RTF, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/26/2012

pdf

text

original

 
Os restantes Principios de Juridicidade da actividade adm. como limitesimanentes da MLD1) Principio da Prossecução do interesse público- art 266/1 da CRP eartº4 CPA - não cabe ad. a escolha dos interesses publicos a prosseguirestes estao primariamente definidos pela CRP - a ad. está vinculada aosfins a prosseguir. Este principio é um dos mais importantes e tem duploalcance. 1) significa que a ad. so pode prosseguir o interesse publico eesta proibida de prosseguir interesses privados (não podem ser a metada actividde ad); 2) a ad. so pode prosseguir interesses publicosespecificamente definidos por lei para cada actuação ad.normativamente habilitada.Uma actuação que prossiga interesses privados ou interesses publicosalheios à finalidd normativa do poder de exercicio é ilegal e está viciadade desvio de poder, respectivamente por motivo de interesse privado oupor interesse publico o que acarretará a sua invalidade.O PPIP releva tb ao nivel da delimitação das atribuiçoes das pessoascolectivas ad. e para a delimitação das competencias dos seus orgaos.Assim, a violação deste principio que compete a um orgao dif prosseguirtraduz se sempre num vicio de incompetencia.Contudo este principio nao permite definir a melhor forma de prosseguirinteresse publico; a ad. goza de uma ampla margem de livre decisaoquanto ao modus faciendi da sua prossecução; um tribunal pode anularuma acto que prossiga fins privados mas nao pode anular por considerarque nao foi a melhor forma de prossecução baseando-se no PPIP.Porém, a ad está sp sujeita ao dever de boa administração - melhormaneira possivel - artº 81 c) da CRP e art 10 do CPA (eficiência) - estáportanto dentro da esfera do mérito da actuação ad. - a sua relevancia éestritamente intra-administrativa. A violação do dever de boa ad. podedar lugar a revogação,modificação ou substituição de actos eregulamentos ad. pelos orgaos competentes (superiores hierarquicos).Pode tb ser tomado consideração para efeitos de classificação defuncionarios em termos de promoçao por merito ou efeitos deresponsabilidd disciplinar. O que é importante aqui é que não envolveem qlqr circunstancia a ilegalidade ou invalidade da actuação ad.2) Principio do respeito pelas posições juridicas dos particulares - artº266/1 da CRP e artº 4 do CPA - o alcance deste principio nao é o de
 
impedir toda e qualquer afectação ad. das posicoes juridicas dosparticulares, a agressao da esfera dos particulares é conatural à actvadministrativa - sem isto nao existiria ad. publica. O que este principioproibe é a sua violação, ou seja, a sua afectação com desrespeito pelosparametros de juridicidade da actuação adm. Assim, não sãoadmissiveis afectações que não sejam legalmente habilitadas ou quecontrariem o bloco de legalidade, incluindo as vinculaçoes legais e osprincipios imanentes da MLD.Este principio tem especial relevancia no ambito da imparcialidade e daproporcionalidade: dimensão positiva - o principio da imparcialidadeimpoe que as posiçoes juridicas dos particulares sejam ponderadasentre si e com os interesses publicos relevantes; E o principio daproporcionalidd proibe que como resultado dessa ponderação seadoptem meios de prossecuçao que lesem de formainadequada,desnecessaria ou desrazoavel as posicoes dos particulares.Distinção entre posiçoes juridicas subjectivas dos particulares em dtossubjectivos e interesses legalmente protegidos: ????????3) Principio da Proporcionalidade - artº 266/2 da CRP e artº5/2 do CPA -constitui o mais apurado parametro de controlo da actuaçãoadministrativa. Comporta 3 dimenões: 1) Adequação: proibe a adopçãode condutas administrativas inaptas para a prossecução do fim quevisam atingir; 2) Necessidade: proibe a adopção de condutasadministrativas que não sejam indispensaveis para a prossecuação dofim que visam atingir (seja escolhida a conduta menos lesiva); 3)Razoabilidade: proibe que os custos da actuação escolhida sejammanifestamente superiores aos beneficios que sejam de esperar pelasua utilização;A dimensão da razoabilidade foi objecto de uma densificação que lheconfera especial importancia enqt parametro especifico de controlo daMLA: trata-se da figura do erro manifesto de apreciação que ocorre nassituaçoes em que a ad. procede a uma qualificação erronea de umarealidd factica sob um dado conceito indeterminado em termos que nemo erro se pode considerar como coberto pela MLD nem a conduta ad.imune ao controlo jurisdicional.4) Principio da Imparcialidade - artº 266/2 da CRP e artº6 do CPA- deve
 
ser entendida como comando de tomada em consideração e ponderaçãopor parte da ad. dos interesses publicos e privados relevantes paracada concreta actuação sua.2 Dimensoes: Negativa - proibe a ad. tomar em consideração e ponderarinteresses publicos e privados que sejam irrelevantes para a decisão atomar; Positiva - tome em consideração e pondere com interesses pub.ou pri. relevantes.Nota: este principio nao contradiz a parcialidd da ad. - estão em planosdiferentes.4.1) Garantias preventivas de Imparcialidade - A mera prescrição nãochega para o seu acatamento; a violação da imparcialidade tem comotraços d dificuldade de prova e o facto de depender de circunstanciasrelativas a pessoas singulares que em concreto sao agentes e titularesde orgaos adm. Tendo em conta estes dois aspectos a OJ assegura mecanismos(garantias) tendents a assegurar que os titulares de orgaos e agents ad.não influenciarao as decisoes tomadas em procedimentos nos quaisseria especialmente de recear que se comportassem de modo parcial.Estas garantias implicam o impedimento dos titulares de orgaos eagentes quanto a participação em determinados procedimentos e naformulação das respectivas decisoes - artsº 44 a 48 do CPA identificamsituações onde ocorrem tais impedimentos segundo uma escala degravidade. O artº 44 doCPA diz respeito a situaçoes de gd proximidd entre o titular do orgao eos interesses privados em jogo no procedimento (conjuges,etc)-Impedimento; O artº48/1 do CPA diz respeito a situaçoes em que, apesarde poderem suscitar duvidas acerca da isenção do concreto titular deorgao ou agente a sua proximidd em relaçao aos interesses privados em jogo é menor - Escusa;Regime do Impedimento - as situaçoes do art 44 do CPA envolvemsituaçoes de impedimento absoluto; 3 aspectos: 1) o impedimento nãocarece de qualquer declaração constitutiva,funcionandoautomaticamente apartir do momento em que ocorrem os factosdeterminantes da sua verificação; 2) por virtude do impedimento otitular do orgao fica em principio impedido de praticar qualquer acto noambito do procedimento em causa; 3) os actos ou contratos em quetenham intervido os impedidos são ilegais e anuláveis (artº51/1 do CPA)

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->