Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
54Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
IED

IED

Ratings:

5.0

(3)
|Views: 6,079 |Likes:
Published by Rui Monteiro
Introdução ao Estudo do Direito
Introdução ao Estudo do Direito

More info:

Published by: Rui Monteiro on Jan 15, 2008
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

01/02/2013

pdf

text

original

 
Rui MedeirosINTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO(2007/2008)Parte I:
Programa
CAPÍTULO IA IDEIA DE DIREITO§ 1º Considerações preliminares
A ambiguidade da palavra direito e as suas diversas acepções.Principais questões que a discussão em torno da ideia de Direito traz àcolação:
 
Introdução ao estudo do Direito
Como difere o Direito de ordens baseadas em ameaças e qual opapel que nele assume a coercibilidade?O direito é um conjunto de ordens judicas dotadas de suscepveissaões institucionalmente organizadas pelo Estado para fazer valer aimperatividade da norma, porventura, violada.O Estado possui meios de sanção previstos juridicamente.
Qual a relação entre Direito e Justiça?
Como se distingue o Direito da Moral?
Critério teleológico
(finalista):
a regra moral visa a perfeição do próprio agente
as normas jurídicas visam que a vida em sociedade seja justamenteordenada.
Critério do objecto
:
a moral tem por objecto todas as condutas do homem
o Direito tem por objecto as condutas sociais. Os valores cuja aprossecução visa são a justiça e a segurança.
Critério
de acção (
formal
)/sanção: o Direito é dotado de coercibilidadesusceptível.Contudo o Direito pode incorporar normas morais, mas este não se regepor um
mínimo ético
(impõem normas que não são morais). O Direito apenasconsagra/regulariza juridicamente ordens morais quando estas não se fecham novalor individual mas quando se aplicam num valor social. Mesmo que amaioritariamente a lei moral prevala na sociedade, numa sociedadedemocrática, livre e laica não havendo consenso não pode haver consagração denormas morais como normas jurídicas.A moral é intra-individual, dirige-se ao aperfeiçoamento do indivíduo enão da organização social. Todavia, esta acaba por se repercutir sobre a ordemsocial onde surge uma moral positiva, que representa um conjunto de regrasmorais que vigoram em cada indivíduo e por relação na sociedade em geral, poisoaperfeiçoamento individual só é pleno quando se realiza na participação social.Compõem uma ordem moral social.
2
 
Introdução ao estudo do Direito
Quais as fronteiras entre o Direito e a Ordem do Trato Social?A ordem do trato social tem o mesmo sentido objectivo dum “ser devido” epor isso é verdadeiramente uma ordem normativa. Difere da ordem jurídica pelocacter necessariamente inorganizado da sua nese, pela auncia decoercibilidade organizada. As ordens do trato social bastam-se pela suaconformidade exterior e assim não se podem considerar como imperativas emcontraposição às normas jurídicas que regem-se pelo princípio de imperatividade,onde a coercibilidade é corolário desta.
§ 2º Direito e Justiça
Donde vem o Direito? Porque é que o direito é obrigatório?Resposta: duas posições filosóficas tradicionalmente opostas: positivismo enaturalismo.
2.1. Preliminares
Da caracterização do Direito fundada exclusivamente num
dever ser 
com
efectiva vigência
ou
eficácia social
à pretensão de um Direito Justo.A ordem jurídica é integrada na ordem social, é uma realidade normativamas historicamente condicionada, em permanente evolução.
 Justiça do Direito e normas axiologicamente indiferentes.As pré-compreensões na definição da
conexão entre Direito e Justiça
e aimportância, em especial numa época, como a actual, caracterizada pelopluralismo e marcada pela inexistência de um consenso em matéria de concepçõesfilosóficas, morais e religiosas, de a discussão em torno da definição do Direito serfeita de acordo com critérios científicos e em termos que permitam controlarracionalmente as conclusões alcançadas.
3

Activity (54)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 hundred reads
1 thousand reads
Francisco Grijó liked this
ERIKNKT liked this
Francisco Neto liked this
Amanda Barbieri liked this
Uyara Arrais liked this
Maria Teresa liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->