Welcome to Scribd. Sign in or start your free trial to enjoy unlimited e-books, audiobooks & documents.Find out more
Download
Standard view
Full view
of .
Look up keyword
Like this
1Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Divinum Illud Munus Leao Xiii

Divinum Illud Munus Leao Xiii

Ratings: (0)|Views: 30|Likes:

CARTA ENCÍCLICA
DIVINUM ILLUD MUNUS
Do Sumo Pontífice Leão XIII

Sobre a Presença e Virtude Admirável
do Espírito Santo

Introdução

1. Aquela divina missão que, recebida do Pai em benefício do gênero humano, tão santamente desempe­nhou Jesus Cristo, tem como último fim fazer que os homens cheguem a participar de uma vida bem-aventu­rada na glória eterna; e, como fim imediato, que durante a vida mortal vivam a vida da graça divina, que ao final se abre florida na vida celestial.
Por isso, o Redentor mesmo não cessa de convidar com suma doçura a todos os homens de toda nação e língua para que venham ao seio de sua Igreja: Venham todos a mim; Eu sou a vida; Eu sou o bom pastor. Mas, segundo seus altíssimos decretos, não quis Ele completar por si só incessantemente na terra tal missão, mas que, como Ele mesmo a tinha recebido do Pai, assim a entregou ao Espírito Santo para que a levasse a perfeito término. Apraz, com efeito, recordar as consoladoras frases que Cristo, pouco antes de abandonar o mundo, pronunciou diante dos Apóstolos:
“Convém a vós que eu vá! Porque, se eu não for, o Paráclito não virá a vós; mas se eu for, vo-lo enviarei”. Jo 16,7
E ao dizer assim, deu como razão principal de sua separação e de sua volta ao Pai o proveito que seus dis­cípulos haveriam de receber com a vinda do Espírito Santo; ao mesmo tempo que mostrava com este era igualmente enviado por Ele e, portanto, que dEle procedia como do Pai; e que com advogado, como consola­dor e como mestre concluiria a obra por Ele iniciada durante sua vida mortal. A perfeição de sua obra reden­tora estava providencialmente reservada à múltipla virtude desse Espírito, que na criação adornou os céus[1] e encheu a terra[2].
2. E Nós, que constantemente temos procurado, com o auxílio de Cristo Salvador, príncipe dos pastores e bispo de nossas almas, imitar seus exemplos, temos continuado religiosamente sua mesma missão, encomen­dada aos Apóstolos, principalmente a Pedro, cuja dignidade também se transmite a um herdeiro menos dig­no[3]. Guiados por esta intenção, em todos os atos de nosso pontificado a duas coisas principalmente temos atendido e sem cessar atendemos. Primeiro, a restaurar a vida cristã tanto na sociedade pública como na fa­miliar, tanto nos governantes como nos povos; porque somente de Cristo pode se derivar a vida para todos. Segundo, a fomentar a reconciliação com a Igreja daqueles que, por causa da fé ou por obediência, estão se­parados dela; pois a verdadeira vontade do mesmo Cristo é que haja só um rebanho sob um só Pastor[4]. E agora, quando nos sentimos próximos do fim de nossa carreira mortal, apraz consagrar toda nossa obra, qual­quer que tenha sido, ao Espírito Santo, que é vida e amor, para que a fecunde e a madure. Para cumprir me­lhor e mais eficazmente nosso desejo, em vésperas da solenidade de Pentecostes, queremos lhes falar da ad­mirável presença e poder do mesmo Espírito; ou seja, sobre a ação que Ele exerce na Igreja e nas almas gra­ças ao dom de suas graças e carismas celestiais. Resulte disso, como é nosso desejo ardente, que nas almas se reavive e se vigore a fé no augusto mistério da Trindade, e especialmente cresça a devoção ao divino Espírito, a quem de muito são devedores todos quanto seguem o caminho da verdade e da justiça; pois, como assinalou São Basílio, toda a economia divina ao redor do homem, se foi realizada por nosso Salvador e Deus, Jesus Cristo, tem sido levada a cumprimento pela graça do Espírito Santo[5].

O Mistério da Trindade

3. Antes de entrar na matéria será conveniente e útil tratar algo sobre o mistério da sacrossanta Trindade.
Este mistério, o maior de todos os mistérios, pois de todos é princípio e fim, é chamado pelos doutores sa­grados substância do Novo Testamento; para conhecê-lo e contemplá-lo foram criados, no céu os anjos e na terra os homens; para ensinar com maior clareza o que foi prefigurado no Antigo Testamento, Deus mesmo desceu dos anjos aos homens: “Ninguém jamais viu Deus. O Filho único,

CARTA ENCÍCLICA
DIVINUM ILLUD MUNUS
Do Sumo Pontífice Leão XIII

Sobre a Presença e Virtude Admirável
do Espírito Santo

Introdução

1. Aquela divina missão que, recebida do Pai em benefício do gênero humano, tão santamente desempe­nhou Jesus Cristo, tem como último fim fazer que os homens cheguem a participar de uma vida bem-aventu­rada na glória eterna; e, como fim imediato, que durante a vida mortal vivam a vida da graça divina, que ao final se abre florida na vida celestial.
Por isso, o Redentor mesmo não cessa de convidar com suma doçura a todos os homens de toda nação e língua para que venham ao seio de sua Igreja: Venham todos a mim; Eu sou a vida; Eu sou o bom pastor. Mas, segundo seus altíssimos decretos, não quis Ele completar por si só incessantemente na terra tal missão, mas que, como Ele mesmo a tinha recebido do Pai, assim a entregou ao Espírito Santo para que a levasse a perfeito término. Apraz, com efeito, recordar as consoladoras frases que Cristo, pouco antes de abandonar o mundo, pronunciou diante dos Apóstolos:
“Convém a vós que eu vá! Porque, se eu não for, o Paráclito não virá a vós; mas se eu for, vo-lo enviarei”. Jo 16,7
E ao dizer assim, deu como razão principal de sua separação e de sua volta ao Pai o proveito que seus dis­cípulos haveriam de receber com a vinda do Espírito Santo; ao mesmo tempo que mostrava com este era igualmente enviado por Ele e, portanto, que dEle procedia como do Pai; e que com advogado, como consola­dor e como mestre concluiria a obra por Ele iniciada durante sua vida mortal. A perfeição de sua obra reden­tora estava providencialmente reservada à múltipla virtude desse Espírito, que na criação adornou os céus[1] e encheu a terra[2].
2. E Nós, que constantemente temos procurado, com o auxílio de Cristo Salvador, príncipe dos pastores e bispo de nossas almas, imitar seus exemplos, temos continuado religiosamente sua mesma missão, encomen­dada aos Apóstolos, principalmente a Pedro, cuja dignidade também se transmite a um herdeiro menos dig­no[3]. Guiados por esta intenção, em todos os atos de nosso pontificado a duas coisas principalmente temos atendido e sem cessar atendemos. Primeiro, a restaurar a vida cristã tanto na sociedade pública como na fa­miliar, tanto nos governantes como nos povos; porque somente de Cristo pode se derivar a vida para todos. Segundo, a fomentar a reconciliação com a Igreja daqueles que, por causa da fé ou por obediência, estão se­parados dela; pois a verdadeira vontade do mesmo Cristo é que haja só um rebanho sob um só Pastor[4]. E agora, quando nos sentimos próximos do fim de nossa carreira mortal, apraz consagrar toda nossa obra, qual­quer que tenha sido, ao Espírito Santo, que é vida e amor, para que a fecunde e a madure. Para cumprir me­lhor e mais eficazmente nosso desejo, em vésperas da solenidade de Pentecostes, queremos lhes falar da ad­mirável presença e poder do mesmo Espírito; ou seja, sobre a ação que Ele exerce na Igreja e nas almas gra­ças ao dom de suas graças e carismas celestiais. Resulte disso, como é nosso desejo ardente, que nas almas se reavive e se vigore a fé no augusto mistério da Trindade, e especialmente cresça a devoção ao divino Espírito, a quem de muito são devedores todos quanto seguem o caminho da verdade e da justiça; pois, como assinalou São Basílio, toda a economia divina ao redor do homem, se foi realizada por nosso Salvador e Deus, Jesus Cristo, tem sido levada a cumprimento pela graça do Espírito Santo[5].

O Mistério da Trindade

3. Antes de entrar na matéria será conveniente e útil tratar algo sobre o mistério da sacrossanta Trindade.
Este mistério, o maior de todos os mistérios, pois de todos é princípio e fim, é chamado pelos doutores sa­grados substância do Novo Testamento; para conhecê-lo e contemplá-lo foram criados, no céu os anjos e na terra os homens; para ensinar com maior clareza o que foi prefigurado no Antigo Testamento, Deus mesmo desceu dos anjos aos homens: “Ninguém jamais viu Deus. O Filho único,

More info:

Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

01/11/2013

pdf

text

original

 
1
Carta EncíclicaDivinum Illud MunusDo Sumo Pontífice Leão XIII
Sobre a Presença e Virtude Admiráveldo Espírito SantoIntrodução
1. Aquela divina missão que, recebida do Pai em benefício do gênero humano, tão santamente desem- penhou Jesus Cristo, tem como último fim fazer queos homens cheguem a participar de uma vida bem-aventurada na glória eterna; e, como fim imediato, quedurante a vida mortal vivam a vida da graça divina,
 
2
que ao final se abre florida na vida celestial.Por isso, o Redentor mesmo não cessa de convidar com suma doçura a todos os homens de toda nação elíngua para que venham ao seio de sua Igreja: Venhamtodos a mim; Eu sou a vida; Eu sou o bom pastor.Mas, segundo seus altíssimos decretos, não quis Elecompletar por si só incessantemente na terra tal mis-são, mas que, como Ele mesmo a tinha recebido doPai, assim a entregou ao Espírito Santo para que a le-vasse a perfeito término. Apraz, com efeito, recordar as consoladoras frases que Cristo, pouco antes deabandonar o mundo, pronunciou diante dos Apóstolos:“Convém a vós que eu vá! Porque, se eu não for, oParáclito não virá a vós; mas se eu for, vo-loenviarei”. Jo 16,
7
E ao dizer assim, deu como razão principal de suaseparação e de sua volta ao Pai o proveito que seusdiscípulos haveriam de receber com a vinda do Espíri-to Santo; ao mesmo tempo que mostrava com este eraigualmente enviado por Ele e, portanto, que dEle pro-cedia como do Pai; e que com advogado, como conso-lador e como mestre concluiria a obra por Ele iniciadadurante sua vida mortal. A perfeição de sua obra re-dentora estava providencialmente reservada à múltipla
 
3
virtude desse Espírito, que na criação
adornou oscéus
[a]
e
encheu a terra
[ b]
.2. E Nós, que constantemente temos procurado,com o auxílio de Cristo Salvador, príncipe dos pasto-res e bispo de nossas almas, imitar seus exemplos, te-mos continuado religiosamente sua mesma missão,encomendada aos Apóstolos, principalmente a Pedro,
cuja dignidade também se transmite a um herdeiromenos digno
. Guiados por esta intenção, em todos osatos de nosso pontificado a duas coisas principalmentetemos atendido e sem cessar atendemos. Primeiro, arestaurar a vida cristã tanto na sociedade pública comona familiar, tanto nos governantes como nos povos; porque somente de Cristo pode se derivar a vida paratodos. Segundo, a fomentar a reconciliação com aIgreja daqueles que, por causa da fé ou por obediên-cia, estão separados dela; pois a verdadeira vontade domesmo Cristo
é que haja só um rebanho sob um só Pastor 
[d]
. E agora, quando nos sentimos próximos do
[a]
Jó 26
,
13
spiritus ejus
ornavit cælos
et obsetricante manu ejuseductus est coluber tortuosus. (Vulg.)[b]
Sb 1
,
7
quoniam
spiritus Domini replevit orbem terrarum
ethoc quod continet omnia scientiam habet vocis. (Vulg.)[c]o Leão Magno. Sermo III
[Al. II]
De Natali ipsius III;
habitus inanniversario die assumptionis ejusdem ad summi pontificii munus.
PL 54,147A – Caput VI.[d]
Jo 10
,
16
Tenho ainda outras ovelhas que não são deste aprisco.Preciso conduzi-las também, e ouvirão a minha voz e haverá

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->