Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Look up keyword
Like this
4Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Proposta realista para uma Educação Real

Proposta realista para uma Educação Real

Ratings: (0)|Views: 55|Likes:
Published by LisbonBicaHouse

More info:

Published by: LisbonBicaHouse on Sep 06, 2012
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

10/24/2012

pdf

text

original

 
Proposta realista para uma Educação Real
Toda a gente gostaria que os alunos fossem bons alunos, mas isso não acontece.E não acontece apenas por haver eventuais problemas de maus hábitos,ambiente familiar, etc, mas porque alguns, felizmente poucos, (não falo noscasos mais graves) não dão uma para a caixa. Não dão e, seja ou nãopoliticamente aceitável referi-lo, todos têm disso consciência. Todos, à excepçãodos inconscientes.Os maus hábitos, ambiente familiar, etc, podem ser contrariados mas a escolanão o está, regra geral, a fazer também por razões ideológicas que remetempara a militância na pura estupidez. É a história da "outra cultura" que a nadacorresponde porque essa "entidade" apenas se manifesta em locais onde osalunos nunca tiveram contacto substantivo com essa dita cultura. No local deorigem desse fantasma nada se passa como se diz pensar (evidentemente quehá consciência disso mas o politicamente correcto ...). Voltando aos que infelizmente não dão uma pr'a caixa, cedo há consciência que acoisa não pode, de forma alguma ir longe. A estes casos há que atribuir mais oumenos atabalhoadamente o 4º ano e despachá-los para algo que não meta papele caneta, muito menos computador. Há que se criar saída para estes casos ouserão casos para sempre encravados seja em que turma for. Quando mais"progredirem" mais encravados ficam. Seja qual o canudo que lhes seja mais oumenos administrativamente atribuído, nunca esse facto será tido em conta forado âmbito do Estado. Já toda a gente sabe que os canudos que por aí circulamtem várias utilidades mas nada garantem.Mutatis mutandis, a mesma aproximação é perfeitamente aplicável aos restantesníveis de ensino remetendo os alunos que não dão uma para a caixa para outrassaída apropriadas. Neste caso acabaríamos com uma 'saída airosa' para o 4º ano,outra para o 9º, outra para o 12º, etc.Na minha opinião, quem saísse 'airosamente' no 1º ciclo sairia com o 4º ano,quem saísse "airosamente" no 9º ou antes de lá chegar ficaria com o 6º, quemsaísse 'airosamente' do 12º ficaria com o 9º. Em qualquer dos casos seriaenviado para uma via alternativa que lhe permitisse adquirir conhecimento paraviver honradamente obtendo um grau académico que não se confundisse com osexistentes mas que correspondesse a uma verdade. Uma Educação Real.Entretanto, alguém se convenceu e ajudou a convencer que por maisestapafúrdia que fosse a via académica escolhida pelo aluno, seria função da"sociedade", eufemismo para Estado, resolver-lhe o problema dando-lheemprego (não necessariamente trabalho). Aparentemente convencidos de que tudo é possível, batalhões de alunos tiraramcanudos que não têm qualquer aplicação prática para além de casos pontuais.Foram enganados ou deixaram-se enganar.

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->