Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Look up keyword
Like this
1Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Agriculturas_DEZ2011

Agriculturas_DEZ2011

Ratings: (0)|Views: 6 |Likes:
Published by Vitor Sousa Freitas

More info:

Published by: Vitor Sousa Freitas on Sep 12, 2012
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

12/30/2012

pdf

text

original

 
EXPERIÊNCIAS EMAGROECOLOGIA
Leisa Brasil
DEZ 2011 • vol. 8
 
n. 4
Acessoà terra
e direitosterritoriais
 
2Agriculturas
v. 8 - n. 4 dezembro de 2011
ISSN: 1807-491XRevista Agriculturas: experiências em agroecologia, v.8, n.4
(corresponde ao v. 27, n. 4 da
Revista Farming Matters
)
Revista Agriculturas: experiências em agroecologia
é uma publicação da AS-PTA – Agricultura Familiar e Agroecologia –, em parceria com a Funda-ção Ileia – Holanda.Rua das Palmeiras, n. 90Botafogo, Rio de Janeiro/RJ, Brasil 22270-070Telefone: 55(21) 2253-8317 Fax: 55(21)2233-8363E-mail: revista@aspta.org.brwww.aspta.org.brFundação IleiaPO Box 90, 6700 AB Wageningen, HolandaTelefone: +31 (0)33 467 38 75 Fax: +31 (0)33 463 24 10www.ileia.org
CONSELHO EDITORIALClaudia Schmitt
Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento,Agricultura e Sociedade da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro- CPDA/UFRRJ
Eugênio Ferrari
Centro de Tecnologias Alternativas da Zona da Mata, MG - CTA/ZM
Ghislaine Duque
Universidade Federal de Campina Grande – UFCG e Patac
 Jean Marc von der Weid
Universidade Federal de Campina Grande – UFCG e Patac
 José Antônio Costabeber 
Universidade Federal de Santa Maria - UFSM
Maria Emília Pacheco
Federação de Órgãos para a Assistência Social e Educacional – Fase - RJ
Romier Sousa
Instituto Técnico Federal – Campus Castanhal
Sílvio Gomes de Almeida
AS-PTA Agricultura Familiar e Agroecologia
Tatiana Deane de Sá
Empresa Brasileira de Pesquisa e Agropecuária - Embrapa
EQUIPE EXECUTIVAEditor 
– Paulo Petersen
Editor convidado para este número
– Jean Pierre Leroy
Produção executiva
– Adriana Galvão Freire
Base de dados de subscritores
– Analu Cabral
Copidesque
– Rosa L. Peralta e Gláucia Cruz
Revisão
– Gláucia Cruz
Tradução
– Rosa L. Peralta
Foto da capa
– Flávio Costa – Mapa do Território Agroecológico daBorborema
Tratamento de Imagem
– Dayvison Nunes
Projeto gráco e diagramação
– I Gracci Comunicação & Design
Impressão:
Reproset
Tiragem:
7.500Esta edição contou com o apoio de:
EXPERIÊNCIAS EMAGROECOLOGIA
 
Editorial
A
histórica concentração fundiária congura um dosprincipais bloqueios estruturais à superação dasimensas desigualdades sociais no Brasil. Passadomais de meio milênio desde a chegada dos colonizadores portu-gueses, as forças conservadoras que assentam seu poder políticosobre o controle monopolista da terra não foram suplantadas,muito embora a chamada
questão agrária
tenha merecido lugar dedestaque na agenda política nacional em vários momentos nesselongo transcurso histórico. O anacronismo do latifúndio mono-cultor se mantém graças às sucessivas atualizações de estratégiassalvacionistas adotadas pelas elites patrimoniais do campo. Um dosmaiores exemplos desse fenômeno foram os novos arranjos ins-titucionais e as mudanças no padrão tecnológico da agriculturaimpostos pelo Estado ditatorial a partir da segunda metade doséculo passado por meio do processo conhecido como
moderni- zação conservadora
.A questão agrária volta a ganhar lugar de destaque na cenapolítica, desta vez revestindo-se de novas características, novosatores e novos desaos. Diante das incertezas geradas pela con-vergência em escala global das crises alimentar, energética, ambien-tal e nanceira, o interesse de grandes investidores internacionaisdeslocou-se em direção ao mercado de terras. A posse de largasextensões territoriais vem sendo encarada como meio alternativopara a produção de energia na forma de agrocombustíveis, alémde servir de mecanismo para assegurar reservas estratégicas derecursos naturais, como água e minérios, e de constituir espaçospreservados destinados a
compensar 
, pela via dos mercados, os da-nos ecológicos promovidos em outras localidades.Nesta edição, os leitores encontrarão artigos que revelamcomo essa corrida mundial por terras, conhecida internacional-mente como
land grabbing 
, viola direitos territoriais de popu-lações e comunidades rurais e tradicionais, acentua problemasrelacionados à soberania alimentar de nações inteiras e aceleraa deterioração do meio ambiente. Essa
fome de terras
do grandecapital industrial e nanceiro assume características especícasno Brasil, país que se alinhou ao projeto de globalização neolibe-ral como fornecedor de commodities agrícolas e minerais. Longede impulsionar trajetórias de autêntico desenvolvimento, essaopção pelo aprofundamento da economia primário-exportadora,que converte o patrimônio natural brasileiro em commodities,gera custos sociais e ambientais elevadíssimos, realimenta asestruturas concentradoras de renda e poder e aliena recursosestratégicos necessários para que as futuras gerações construammelhores perspectivas societárias.O atual embate em torno às propostas de alteração doCódigo Florestal expressa a centralidade da questão agrária naagenda nacional, entre outras razões porque explicita os víncu-los inextrincáveis entre as problemáticas fundiária, ambiental esocioeconômica. Ao manifestarem–se contrariamente a essas eoutras mudanças institucionais patrocinadas politicamente pelosetor do agronegócio, os movimentos e organizações sociaisidenticados com o campo agroecológico denunciam a falsa dico-tomia entre
produção econômica
e
conservação ambiental 
utilizadapara amparar ideologicamente o modelo econômico dominante.Iniciativas concretas de uso e manejo sustentável dos recursosnaturais protagonizadas pela agricultura familiar e por povos ecomunidades tradicionais em todo o país demonstram a possi-bilidade de conciliação entre objetivos econômicos, ecológicose sociais, justicando por que as lutas pelo acesso à terra e pelagarantia dos direitos territoriais guram como pautas prioritáriasdo movimento agroecológico.O editor
 
Editor convidado •
 Jean Pierre Leroy
ARTIGOS
Rebeldia nos sertões
Carlos Alberto Dayrell
0904
Corrida mundial por terras e direitosterritoriais no Brasil
Sérgio Sauer
15
Terra e poder: o escândalo relacionado à nova onda deinvestimentos em terras
Bertram Zagema
20
A grilagem massiva de terras e recursos naturais:violações do direito à alimentação adequada
Sofía Monsalve Suárez e Philip Seufert
23
Ocupar, resistir e produzir: velhos e novosparadigmas na conguração de assentamentosrurais como alternativa de sustentabilidade
 João Dagoberto dos Santos
28
 
0915 20233338
PublicaçõesAgroecologia em Rede - Mapa da InjustiçaAmbiental e Saúde no Brasil
Diogo Ferreira da Rocha
4645
A luta dos(as) apanhadores(as) de ores sempre-vivasfrente à expropriação territorial provocada por unidadesde conservação de proteção integral da natureza
Fernanda Testa Monteiro e Claudenir Fávero
33
Sumário
Práticas agrícolas e territorialidadesdos quilombolas do Tambor 
Emmanuel de Almeida Farias Júnior
38

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->