Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
0Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Apostila Direito Penal Geral

Apostila Direito Penal Geral

Ratings: (0)|Views: 16 |Likes:
Published by Daniela Souza

More info:

Published by: Daniela Souza on Oct 12, 2012
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

10/12/2012

pdf

text

original

 
DIREITO PENALParte GeralProf. Cristiano Rodrigues- PRINCIPIOS DE DIREITO PENAL- Princípios Fundamentais:
1)
 
Legalidade ou Reserva Legal2)
 
Intervenção Mínima3)
 
Humanidade ou Dignidade da Pessoa Humana4)
 
Culpabilidade ( responsabilidade penal subjetiva)5)
 
Pessoalidade ou Intranscendência da Pena6)
 
Lesividade ou Ofensividade
7)
 
 Adequação Social 
- Princípios Decorrentes:
1.a ) Irretroatividade da Lei Penal1.b) Retroatividade da Lei Penal mais benéfica1.c) Taxatividade1.d) Determinação2.a) Fragmentariedade2.b) Subsidiariedade5.a) Individualização da Pena6.a) Insignificância
1) LEGALIDADE OU RESERVA LEGAL (Art. 5 inc. XXXIX CF / Art. 1 CP)
- Não há crime sem Lei anterior que o defina, e nem pena sem previa cominação legal.
- 3 FUNÇOES ;
 1) proibir a retroatividade da lei penal- Princ. da Irretroatividade ( Art.5 Inc. XL CF / Art. 2 CP )- Princ. da Retroatividade da Lei Penal mais benéfica
-
 ABOLITIO CRIMINIS
( Art. 2º CP)
- lei posterior, nova, deixa de considerar crime fato antes incriminado pela lei anterior.- Aplica-se a Retroatividade Benéfica- Não produz efeitos na esfera cível- Ex: Art. 240 / Art. 217 / Art. 219 / Art. 220 ( Lei 11.106/05)2) proibir a criação de crime por analogia ou por costume- Princ. da Taxatividade ( não há crime
sem Lei 
): o rol de incriminação da Lei éfechado.- Analogia
in bonam partem
é admitida, não cabendo analogia
in malam partem
 3) proibir as incriminações vagas e indeterminadas- Princ. da Determinação
 
 2) INTERVENÇÃO MINIMA;
- Dir. penal deve intervir minimamente nas relações sociais.- Só deve atuar na defesa de bens jurídicos imprescindíveis para a segurança jurídica.Princípios decorrentes:a)
Fragmentariedade:
a proteção de um bens jurídicos não é absoluta.b)
Subsidiariedade
: o DP deve ser usado como ultima alternativa (
Ultima Ratio
), ouseja, deve atuar subsidiariamente em relação aos outros ramos do Direito.
3) HUMANIDADE ou Dignidade da Pessoa Humana (Art. 5 Inc. III / XLVI / XLVII CF)
- O
DP
deve sempre respeitar os Direitos Humanos Fundamentais
4) CULPABILIDADE ( Responsabilidade Subjetiva)
- Não há crime e nem pena sem CULPA (Lato sensu):- DOLO (intenção / vontade)- CULPA (Falta de cuidado devido)
5) PESSOALIDADE ou INTRANSCENDENCIA DA PENA
(Art. 5 Inc. XLV CF)- A pena é individual e intransferível e jamais ultrapassa a pessoa do autorPrincipio decorrente:
a)
 
Individualização das Penas (Art. 5 Inc. XLVI CF)
- A pena deve ser individualizada para cada agente de acordo com suaculpabilidade no momento da dosimetria.Nos Crimes Hediondos:- A partir da nova Lei (11464/07) o regime de cumprimento passa a ser o
inicialmente fechado
 em respeito ao
principio da individualização da pena. (
já ocorria
 
desde o HC 82959
)
 -
Nova Progressão de regimes
:-
2/5
para primários
- 3/5
para reincidentes
Questão:
- Aplica-se a retroatividade para alcançar os fatos anteriores a nova Lei (11.464 - 29/03/07) noque tange as novas regras de progressão? 
- No que tange a progressão, atinge todos os crimes hediondos anteriores.- Porem, quanto às novas regras da progressão (2/5 e 3/5) a lei é prejudicial e,portanto, Irretroativa, e os novos valores só valem após a Lei –
STF
-
6) LESIVIDADE ou Ofensividade ;
- Só pode ser criminalizado o comportamento que atinja, afete, bens jurídicos alheiossignificantes.- Principio decorrente:
a)
 
Insignificância
 
- Só devem ser consideradas como crime lesões relevantes, significantes, a bens jurídicos alheios.- Aplica-se a qualquer espécie de crime, embora muito comum nos crimes patrimoniaisnão violentos.- Há algumas restrições no STF (p.ex: crimes violentos e com grave ameaça)- A consequência da Insignificância é gerar a
ATIPICIDADE
do fato, por ausência de
TipicidadeMaterial 
.
7) ADEQUAÇÃO SOCIAL
 - O Direito Penal não deve criminalizar condutas socialmente adequadas. (Welzel)- Não pode ser usado diretamente para não aplicação das normas positivadas, pois estariaferindo a Legalidade.
- Teoria da Norma-- Estrutura da Norma Penal:
- Leis incriminadoras e não incriminadoras- Leis Penais em branco- Leis excepcionais e temporárias
- Lei Penal no Tempo
- Princípios informadores- Teorias do tempo do crime-
 Abolitio Criminis
 
- Lei Penal no Espaço
- Teorias do Lugar do Crime- Princípios Informadores- Territorialidade- Nacionalidade- Universalidade- Representação da bandeira
- ESTRUTURA DA NORMA PENAL;
 - Lei Penal pode ser:-
Incriminadora
; descrevem condutas puníveis e impõe as respectivas sanções (parte especial )-
Não-incriminadoras
;-
Permissivas:
na parte geral e especial do CP.(EX: exclud. de ilicitude Art. 24,Art. 25, Art. 128 CP)-
Explicativas
: na parte geral ou especial, esclarece o conteúdo, define edelimitam conceitos, princípios, ou a aplicação de outras normas. (Ex. Art. 14 / 327 CP).
- NORMA PENAL EM BRANCO;
 - a descrição da conduta punível se mostra incompleta, com lacunas, sendo necessáriooutro dispositivo legal para sua integração, complementação e aplicação.- Pode ser:-
Heterogêneas
 
ou próprias
; o complemento se acha em outra norma emanada deoutra instancia legislativa.( Ex: Art. 28/33 Lei 11343-06 substancia entorpecente vemdelimitada por portaria do Ministério de Saúde./ ANVISA)

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->