Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
11Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Paul Hirst. Modos de Produção e Formação Social (resumo)

Paul Hirst. Modos de Produção e Formação Social (resumo)

Ratings:

4.5

(2)
|Views: 2,321 |Likes:

More info:

Published by: História Econômica on Jan 24, 2009
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC or read online from Scribd
See more
See less

07/24/2013

 
Paul Hirst. Modo de Produção e Formação Social.
- Critica o MP como determinados em última instância pelo econômico. O MP não éuma totalidade social auto-condicionada.O presente texto rejeita a pertinência do conceito de modo de prodão [...]argumentamos que é necessário desenvolver conceitos de relações econômicas declasse e de suas condições de existência em definidas formações sociais” p.10.- Marx e Althusser mantêm a idéia de MP como totalidade social capaz de existênciahistórica como sociedade.- A tese sobre a dominância das forças produtivas sobre as relações é um problema. Oautor defende a primazia das RELAÇÕES SOCIAIS sobre as FORÇAS PRODUTIVAS porachar que isso recoloca a LUTA DE CLASSE no centro da questão. Essa idéia eledefendeu no livro anterior MPPC, nesse ele já fala numa relação de igual para igual.- As forças produtivas e relações de produção não podem estar separadas e unidastão somente por efeitos causais. Essa articulação entre ambas deve ser questionada.Fazer isso, é rejeitar a base teórica do conceito de MODOS DE PRODUÇÃO.- Na FORMAÇÃO ECONÔMICA não há prioridade geral entre o econômico sobre outrosníveis ou das forças produtivas sobre as relações de produção.OBS: Marx se dizia ter como OBJETO o Modo de Produção Capitalista. O conhecimentoque ele produziu correspondeu ao seu objeto? Esse objeto era estático? Passível de seobservado? O objeto era movente, impossível de ser analisado em sua formaestático... as sociedades são diferentes... tudo muda...
 
o objeto analisado por Marxnão existe mais.OBS: Tudo que Marx fez foi produzir um DISCURSO sobre um dado CAPITALISMO. Entreem sena a questão da Sociologia do Conhecimeto (Michel Lowy). A questão de se oconhecimento produzido por Marx equivale ao objeto por ele analisado? E se esseobjeto é realmente passível de ser analisado em sua totalidade? TUDO é discurso...
Oconhecimento não é a realidade
.CAP. 3 Conceitos de MP e Formação Social.“Os conceitos dos modos de produção e das relações de produção proporcionam osmeios de análise das formações sociais concretas”.- As formações sociais existem, as teorias classificam-nas.- A formação social não pode ser uma combinação hierárquica de modos de produção.OBS: Formação Social não é uma forma de individualizar uma comunidade, delimitá-lacomo OBJETO. Os estudos culturais hoje atestam: não há nação, não há comunidade,não há identidade.- Formação Social é um conceito e não uma REALIDADE CONCRETA.“Desse modo, defendemos a substituição de MP, como um objeto primário deteorização, pó um tipo distinto de objeto, isto é, FORMAÇÃO SOCIAL,
concebidocomo uma forma determinada de relações econômicas de classe, suascondões de exisncia e as formas pelas quais essas condões oasseguradas
” p. 52.- Modo de Prodão como as relões sociais de um sistema de prodão edistribuição definido.- MP realmente designa uma totalidade social? Qual MP, o concreto ou o abstrato?- Os conceitos de relações sociais e forças produtivas são ferramentas utilizadas paraclassificar e definir um discurso de comunidade\sociedade.“Os conceitos de formações sociais proporcionam uma teorização das formas econdições nas quais a produção e a distribuição, as lutas de classe e as práticaspolíticas são efetivas” p. 59.

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->