Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
4Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Relacionamento Interpessoal e Intersetorial nas Organizações - Ítalo Mazoni

Relacionamento Interpessoal e Intersetorial nas Organizações - Ítalo Mazoni

Ratings: (0)|Views: 268|Likes:
Palestra apresentada na XII SIPAT e I Semana de Qualidade da Santa Casa de Caridade de Diamantina

- Para contextualizar vou começar abordando a idéia de metáforas organizacionais.
- Em seguida vou falar um pouco sobre os dois tipos gerais de relação que estabelecemos.
- Depois vou alcançar os dois elementos que podem tornar as relações um prazer ou uma dor.
- Por fim darei alguns exemplos ilustrativos de relacionamentos interpessoais baseados naqueles dois elementos.
Palestra apresentada na XII SIPAT e I Semana de Qualidade da Santa Casa de Caridade de Diamantina

- Para contextualizar vou começar abordando a idéia de metáforas organizacionais.
- Em seguida vou falar um pouco sobre os dois tipos gerais de relação que estabelecemos.
- Depois vou alcançar os dois elementos que podem tornar as relações um prazer ou uma dor.
- Por fim darei alguns exemplos ilustrativos de relacionamentos interpessoais baseados naqueles dois elementos.

More info:

Categories:Business/Law
Published by: Ítalo Mazoni Dos Santos Gonçalves on Nov 21, 2012
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

12/04/2012

pdf

text

original

 
Página
1
de
13
 SANTA CASA DE CARIDADE DE DIAMANTINA
PATRIMôNIO DA COMUNIDADE
FUNDADA EM 1790
 
Rua da Caridade
106
 
 – 
Telefax:
(38) 3532-1300 - 1304
 
CEP: 39100-000 CNPJ: 20.079.166/0001-52
RELACIONAMENTO INTERPESSOAL E INTERSETORIAL NAS ORGANIZAÇÕES
FACILITADOR: ÍTALO MAZONI (Psicólogo) -
italomazoni@gmail.com
 
COMO ISSO PODE SER ÚTIL?
- Há algum tempo atrás, antes mesmo de fazer psicologia, eu trabalhei como atendente na Secretaria daFazenda do Estado da Bahia. Nesta época eu cursava administração, mas ainda bem no começo do curso.Era o meu segundo emprego formal e eu estava super empolgado porque além de eu trabalhar um númerode horas aceitável para mim, ainda ganhava razoavelmente bem para minha idade, 21 anos na época. Foia primeira vez que eu trabalhei em equipe dentro de uma organização. Éramos uma equipe de seteatendentes e um coordenador. Tínhamos metas a bater, prazos a cumprir responsabilidades para dar conta.Mas nossa equipe acabou no final do primeiro ano ganhando uma grande coesão e nos dois anos seguinteso atendimento de nossa inspetoria fazendária recebeu o prêmio estadual de melhor atendimento aocontribuinte. É uma bonita história, mas tem um final inesperado. Um belo dia fui chamado para
conversar com o chefão, e a última coisa que eu esperava ouvir foi exatamente o que ele me disse “Nós
vamos ter que cortar alguém
e escolhemos você”. Meu mundo caiu. Na época até tentei argumentar, mas
havia emoção demais em mim para que eu pudesse compreender qualquer coisa que fosse dita. Temposdepois quando retornei lá para pegar um documento fui conversar com o meu coordenador imediato,aquele que de fato decidiu que eu deveria sair. Perguntei para ele o verdadeiro motivo de ele ter meescolhido, quando havia tantas outras opções mais coerentes (por exemplo, um colega que estava para serchamado em um concurso e que de fato acabou sendo convocado duas semanas depois de minha
demissão). Inicialmente ele me enrolou, mas depois me falou sem rodeios. “Escolhi você porque você nãointeragia muito com o grupo”. Fiquei muito surpreso com aquela declaração. Nunca deixei de cumprir 
uma obrigação, sempre dei suporte aos meus colegas. Sempre que precisaram de mim eu estava lá. Meutrabalho era impecável. Mas nem sempre ser eficiente é suficiente. Minhas relações interpessoais notrabalho eram precárias, e eu fui o último a descobrir, e bem tarde.- Essa pequena história serve para demonstrar um pouco da importância de estabelecer relaçõesinterpessoais de qualidade.- Hoje eu vou tratar aqui exatamente sobre alguns elementos vitais a qualquer relacionamento entrepessoas.- Contudo, meu foco será as relações estabelecidas dentro das organizações.- É no trabalho que a maioria de nós passa 1/3 do seu tempo. Interagindo, trabalhando e convivendo comproblemas, situações diversas e, principalmente, com as pessoas que estão ali. E não podemos esquecerque dos dois terços que nos restam de cada dia, em um deles ainda dormimos.
 
Página
2
de
13
 
- Passando tanto tempo assim no trabalho, penso que se formos capazes de estabelecer boas relaçõesinterpessoais por lá, há uma grande chance de também o fazermos fora, na nossa vida pessoal e social.Sendo que o contrário também é válido, evidentemente.- E com boas relações todos ganham. Ganha a empresa, o chefe, o empregado, ganham os fornecedores,ganha a esposa, a namorada, o vizinho, em fim, toda a comunidade na qual estamos inseridos.
O QUE SERÁ ABORDADO?
- Para contextualizar vou começar abordando a idéia de metáforas organizacionais.- Em seguida vou falar um pouco sobre os dois tipos gerais de relação que estabelecemos.- Depois vou alcançar os dois elementos que podem tornar as relações um prazer ou uma dor.- Por fim darei alguns exemplos ilustrativos de relacionamentos interpessoais baseados naqueles doiselementos.
QUE REFERÊNCIAS EU USEI PARA PREPARAR A MINHA FALA?
- Bem, não posso deixar de lembrar que tudo o que eu irei expor aqui não é de minha autoria. Parafundamentar o trabalho estou usando como referência:-
“Desenvolvimento interpessoal: treinamento em grupo”, escrito por Fela Moscovici
.- Artigos acadêmicos produzidos por profissionais e pesquisadores brasileiros encontrados na internet.
ESTA PALESTRA REALMENTE SERVIRÁ PARA ALGUMA COISA?
- Saber um pouco mais sobre esse assunto certamente me ajudou a estabelecer relações mais positivas notrabalho e também a me fazer durar mais no emprego.- Não há dúvida de que lidar bem com pessoas é uma competência fundamental para qualquerprofissional.- Eu espero que hoje esta pequena apresentação ajude de alguma forma todos a dar um upgrade nas suasrelações.- Vamos lá então?
 
Página
3
de
13
 
1.
 
METÁFORAS ORGANIZACIONAIS
- Desde que o capitalismo passou a ser o sistema econômico predominante no mundo, as organizaçõesestão presentes no dia a dia das pessoas.- Sendo tão importantes, as empresas ou organizações também têm sido alvo de incontáveis estudos quebuscam compreender seu funcionamento sob inúmeros ângulos.-
Um destes estudos conduzido por um administrador chamado Gareth Morgan tem o título de “Imagensda organização”.
- Neste trabalho ele defende a tese de que as teorias da administração e das organizações, no fim dascontas, são baseadas em metáforas implícitas sobre como funcionam as organizações.- E o que vem de fato a ser uma metáfora?- Uma metáfora é uma forma de entender algo a partir de um conhecimento já existente.- Uma metáfora para uma pessoa astuta, por exemplo, é a de uma raposa.- Mas
não podemos esquecer que “uma forma de ver é
também
uma forma de não ver”.
- Ou seja, se por um lado a metáfora nos abre nossos olhos, por outro ela nos cega. E preciso ter sempreisso em mente.
1.1.
 
A organização como Máquina-
Uma das maneiras de enxergar as organizações é tomá-la pela metáfora de uma máquina.-
“As Organizações são máquinas feitas de partes que se
interligam, cada uma desempenhando um papel
claramente definido no funcionamento do todo.”
 - Conseqüentemente existe uma tendência em esperar que as Organizações funcionem de maneirarotinizada, eficiente, confiável e previsível.- Como um relógio, como um motor bem regulado- Gareth Morgan diz: "Um dos problemas mais básicos da administração moderna é que a maneiramecânica de pensar está tão enraizada na nossa concepção do dia a dia das organizações que muitas vezesé difícil se organizarem de outra maneira qualquer".
1.2.
 
A organização como Organismo-
Por este ângulo as organizações podem ser vistas como seres vivos que nascem crescem, eventualmentese reproduzem e morrem.- Nesta metáfora as organizações são sistemas vivos que existem em um ambiente mais amplo (umacidade ou região), do qual dependem as suas necessidades, em termos de satisfação.- A Santa Casa precisa de colaboradores altamente qualificados e que residam na região para poderfuncionar, por exemplo.

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->