Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more ➡
Download
Standard view
Full view
of .
Add note
Save to My Library
Sync to mobile
Look up keyword
Like this
1Activity
×
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Modelo de Artigo Tcc Pronto

Modelo de Artigo Tcc Pronto

Ratings: (0)|Views: 295|Likes:
Published by farmacia13

More info:

Published by: farmacia13 on Nov 27, 2012
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, DOCX, TXT or read online from Scribd
See More
See less

02/09/2013

pdf

text

original

 
 
INTRODUÇÃO
Durante a gestação, a exposição a umdeterminado fármaco envolve doisorganismos, a mãe e o feto, sendo que esteé muito mais sensível aos efeitos detoxicidade dos medicamentos, por nãopossuir a mesma capacidade que a mãeem metabolizar substâncias, ficando,portanto, mais suscetível a efeitos negativosnão esperados (OSÓRIO-DE-CASTRO etal., 2004).O uso de medicamentos durante a gestaçãorequer um cuidado especial,devendo ser analisadas as mudançasfisiológicas e farmacocinéticas que ocorremdurante este período, e que possampromover alterações naabsorção,concentração e distribuição dosfármacos (CRIVELLARI, 2007). Após a tragédia da talidomida, umtranqüilizante bastante utilizado nasdécadas de 50 e 60, que deu origem a váriascrianças portadoras de focomegalia, osfarmacologistas, toxicologistas e obstetraspassaram a se preocupar com a açãoteratogênica dos fármacos antes que sefizesse o uso em pacientes gestantes(SILVANY-FILHO, 2006).O amplo conhecimento acumulado sobre essetema possibilitou a classificação dosmedicamentos em categorias de risco parauso na gestação, orientando o prescritor acerca de que medicamentos prescrever e,especialmente, de que medicamentos nãoprescrever durante a gravidez.O uso de medicamento durante a gestaçãoconstitui um grande problema para a saúdepública pois a gestação é um período único eo uso de medicamento nesta ocasião mereceespecial atenção pelos riscos potenciais aofeto em desenvolvimento, devendo ser evitada, pois não só afeta um organismo e simdois organismos.
Prescrições Médicas na Gestação
 ALARCON, E. S., ANDRADE, G.C.S., FERNANDES, M.R., SANTOS,W.A.Clinica de Ginecologia e ObstetríciaResumo: Na gestação o efeito dos medicamentos atinge tanto a gestante quanto ofeto podendo a este causar danos irreversíveis. Nesse sentido será feita umlevantamento dos principais medicamentos prescritos para as gestantes da UnidadeBásica de Saúde.Palavras
 –
chaves: Gestação, Medicamentos prescritos.
 
Existem algumas classificações demedicamentos conforme o risco associadoao seu uso durante a gravidez. Aclassificação adotada pelo Food and Drug Administration (FDA Estados Unidos)enquadra os medicamentos em cincocategorias.
 
Categoria A: medicamentos para os quaisnão foram constatados riscos para o feto emensaios clínicos cientificamente desenhadose controlados;
•Categoria B: medicamentos para os quais
os estudos com animais de laboratório nãodemonstraram risco fetal (mas não existemestudos adequados em humanos) emedicamentos cujos estudos com animaisindicaram algum risco, mas que não foramcomprovados em humanos em estudosdevidamente controlados;
• Categoria C: medicamentos para os quais
os estudos em animais de laboratóriorevelaram efeitos adversos ao feto, mas nãoexistem estudos adequados em humanos emedicamentos para os quais não existemestudos disponíveis;
• Categoria D: medicamentos para os quais
a experiência de uso durante a gravidezmostrou associação com o aparecimento demá-formações, mas que a relação risco-benefício pode ser avaliada;
• Categoria X: medicamentos associados
com anormalidades fetais em estudos comanimais e em humanos e ou cuja relaçãorisco-benefício contra indica seu uso nagravidez.Outro aspecto que deve ser observadoquando se trata da utilização demedicamentos por mulheres grávidas é aprovável alteração de característicasfarmacocinéticas dos medicamentos noperíodo da gestação.
METODOLOGIA
Este trabalho foi desenvolvido município deJacarei São Paulo, Brasil, no período desetembro a outubro de 2012, em uma ClínicaGinecologia e Obstetrícia, sendo este o localescolhido devido o número de gestantes queutilizam este serviço. No total foramentrevistadas 30 gestantes que comparecerama unidade de saúde onde foram questionadaspelo pesquisador se a consulta resultou emprescrição médica, em caso de afirmativa amesma foi questionada sobre sua vontade departicipar da pesquisa em questão. Adicionalmente foram perguntadas dadossobre tempo de gestação e idade da paciente.Como instrumento para coleta de dados foramentregues um formulário com perguntasfechadas e abertas com variáveisdependentes (se faz uso ou não deautomedicação) e independentes (com dados,idade, período gestacional, assistência pré-natal, problemas de saúde, e medicamentosutilizados).Para um setor composto por muitas gestantesatendidas pela Clínica, o nº da nossa amostraaleatória simples foi de trinta gestantes comerro amostral de cinco por cento e nível deconfiança de noventa e cinco por cento.Foram incluídas na pesquisa aquelasgestantes que após consulta médica
 
resultaram em prescrição médica.Foram critérios de exclusão, da pesquisaaquelas gestantes cuja consulta não resultouem prescrição médica ou não apresentaramperíodo de gestação. A pesquisa não apresentou riscos aos seusparticipantes, pois a pesquisa tratou se deum levantamento das prescrições médicas.Os benefícios da pesquisa para populaçãovirá através da divulgação dos dadosobtidos. Será uma futura colaboração aosprofissionais médicos que poderão levar emconsideração através da pesquisa, quais sãoos medicamentos com menos riscos a saúdeda gestante e a sua gestação como mostra a(tabela 1), os resultados serão divulgados naUniversidade durante apresentação dospôsteres e divulgação dos dados através depublicação em literatura cientifica.
DISCUSSÃO
Os dados deste trabalho mostraramgestantes com (idade média de 28,3 anos),conforme observado em outros estudosrealizados com gestantes usuárias de doserviço pré-natal de atenção primária commães e lactantes foram uma média de idadede 23,5 a 25,5 anos respectivamente.Trabalhos realizados em 2012 na qualentrevistou 30 gestantes atendidas em umconsultório de Ginecologia e Obstetrícia, nãoforam encontrados nenhuma patologiafrequente. A partir dos dados obtidos na pesquisa,observa-se que há um grande número demedicamentos utilizados na gestação, sendoeles os mais prescritos os medicamentos declasse A e B segundo a classificação da FDA.Em pesquisa realizado num hospital escolasomente 5.4% das gestantes não haviatomado algum durante a gravidez, sendo esteresultado bem próximo ao valor 6%encontrados na amostra de gestantesbrasileiras incluídas no estudo internacionalrealizado pelo Colaborative Group on Drug usein Pregnaney. Em outro estudo apenas 2,4%das mulheres relataram não ter feito uso demedicamentos durante a gestação.De acordo com dados obtidos, o medicamentomais utilizado foi o ácido fólico (93%),medicamento que pertence a categoria A,onde estudos de controles não demonstraramriscos para o feto. Alguns autores colocam ouso deste medicamento como procedimentode rotina.Os analgésicos são uma das classes maisfrequentemente utilizadas por automedicaçãoao longo da gestação, porém seu uso prescritoé bem menos intenso (OSÓRIO-DE-CASTROet al., 2004).De acordo com Mengue et al. (2001), empesquisa realizada em seis cidades brasileirasdemonstrou que os analgésicos maisutilizados pelas gestantes foram a dipirona, oácido acetilsalicílico e o paracetamol, sendo adipirona o mais utilizado. Há restrições para ouso de dipirona e ácido acetilsalicílico durantegestação e o analgésico eleito de primeiroescolha para uso durante este período é oparacetamol.Um estudo investigou a prevalência deanomalias congênitas e alterações de

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->