Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Look up keyword
Like this
5Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Direito Civil - 10ª aula - 22.10.2008

Direito Civil - 10ª aula - 22.10.2008

Ratings:

5.0

(3)
|Views: 2,924|Likes:
Published by Daniela Monteiro

More info:

Published by: Daniela Monteiro on Jan 28, 2009
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF or read online from Scribd
See more
See less

08/16/2014

 
 1
 Assuntos Tratados
:1ª Horário
 
Posse (continuação)
 
Vantagens da Adoção da Teoria Objetiva de Ihering
 
Desdobramento de Posses ou Posses Paralelas
 
Composse
 
Detenção2º Horário
 
Posse (continuação)
 
Classificação da Posse: Quanto aos vícios Objetivos; Quanto aos vícios Subjetivos
 
Efeitos: Direito aos Frutos; Direito à Indenização pelas Benfeitorias; Direito à ProteçãoPossessória; Direito à Aquisição da Propriedade pela Usucapião1º HORÁRIOPOSSE (continuação)
Possuidor é todo aquele que exerce um dos poderes do domínio − art. 1.196, CC.O CC adota a Teoria Objetiva da posse (só interessa o
corpus
, não importando o
animus
) amplia o leque de possibilidades de alguém ser um possuidor.
VANTAGENS DA ADOÇÃO DA TEORIA DE IHERING1) DESDOBRAMENTO DE POSSES OU POSSES PARALELAS
Divisão dos poderes inerentes ao domínio entre duas ou mais pessoas. Ex.: locador (mantémfaculdade de dispor e reivindicar) e locatário (vai usar e gozar). Ex.: usufruto e usufrutuário.As pessoas são consideradas simultaneamente possuidoras. Quem ocupa diretamente a coisa é opossuidor direto; quem não está ocupando diretamente a coisa é o possuidor indireto – cada umisoladamente tem direito aos efeitos possessórios; à proteção possessória.A teoria objetiva de Ihering permite que duas ou mais pessoas sejam consideradassimultaneamente possuidoras através da figura do desdobramento da posse. Isso só é possívelgraças à dispensa do elemento anímico (pois o
animus domini 
de um excluiria o do outro). Essasposses paralelas surgiram em virtude de direito real (ex.: usufruto, penhor) ou obrigacional (ex:locação, arrendamento, comodato). Sendo simultaneamente considerados possuidores, opossuidor direto e o indireto poderão fazer jus aos efeitos da posse, como por exemplo, o direito àproteção possessória, inclusive um contra o outro (art. 1.197, CC – apesar de a lei ter previstoapenas o direto ao indireto, toda a doutrina diz que o indireto também pode – ver enunciado 76 doCJF).
Características da Posse Paralela
1. Temporárias – a posse direta sempre terá um termo final, fixado em contrato, em lei ou oriundode direito potestativo do possuidor indireto (ex.: denúncia vazia da locação).2. Subordinada – quem delimita os poderes do possuidor direto será o possuidor indireto.Obs.: nem sempre o possuidor indireto será o proprietário do bem. Ex.: sublocação.
 
 2
2) COMPOSSE
Não se confunde com o condomínio, mas pode haver composse em condomínio.O art. 1.199, CC define a composse.
3) DETENÇÃO
Para Ihering a lei é que irá determinar quem é e quem não é detentor no Brasil (conceito legal).Detenção é a posse juridicamente desqualificada.Existem
quatro casos básicos de detenção
:a) Art. 1.198, CC –
Servidor da Posse ou Fâmulo da Posse ou Detenção Desinteressada
.Nesses casos, o detentor é um servidor da posse alheia, sendo seus atos de ocupação da coisaexercidos em nome do possuidor ou proprietário. Ex.: caseiro, motorista, empregada doméstica.Observações
-
para a configuração do fâmulo da posse não é necessária a existência de vínculo formal deemprego e a remuneração – o que importa é a
subordinação
.
-
hoje (novidade do CC/02) existe a possibilidade de ser rompido o vínculo de subordinação,transformando-se o detentor em possuidor, ainda que seja possuidor injusto (p.u. do art. 1.198,CC – “até que se prove ao contrário”). Vide enunciado 301 do CJF.b) Art. 1.208, CC –
atos de permissão/tolerância ou detenção desinteressada
– nesses casosnão haverá um negócio jurídico subjacente entre as partes. Esses atos não induzem posse, masapenas detenção. A permissão é uma autorização expressa e a tolerância é uma autorizaçãotácita.c) Art. 1.208, CC –
atos de violência ou clandestinidade
– aqueles que utilizam de violência ouclandestinidade para adquirir o poder de fato sobre a coisa, enquanto durar a violência ouclandestinidade, não serão considerados possuidores. Cessada a violência ou clandestinidade,esses ocupantes serão considerados possuidores injustos.d)
bens insuscetíveis de posse
bens afetados a uma destinação coletiva
, como os bens deuso comum do povo e de uso especial não podem ser possuídos por particulares, assim como os
objetos tidos pela lei como ilícitos
. Ex.: drogas, armas ilegais – não há posse, mas apenasdetenção (apesar dos tipos penais dizerem posse de armas e posse de drogas ilícitas – nãoseguem o rigor técnico jurídico).Observações
-
os bens públicos dominiais podem ser possuídos, pois não estão afetados a uma destinaçãopública. Porém essa posse não trará um de seus efeitos que é a possibilidade de aquisiçãopela usucapião, por expressa vedação constitucional.
-
será que o detentor pode se valer de proteção possessória? A resposta depende damodalidade de detenção. Há duas categorias de intervenção possessória: com intervenção judicial (ações possessórias) e sem intervenção judicial (autotutela). Pela literalidade da lei civilsó o possuidor pode se valer da autotutela (art. 1.210, § 1º do CC). Mas, pela doutrina, ofâmulo da posse pode proteger a posse por meio da autotutela.
 
 3
2º HORÁRIOPOSSE (continuação)CLASSIFICAÇÃO DA POSSE
A posse é um instituto jurídico que se classifica pelos seus vícios objetivos e subjetivos.1)
quanto aos vícios objetivos
É a classificação que leva em conta o modo pela qual a posse foi externamente adquirida: podeser justa ou injusta (art. 1.220, CC).a) Posse justa: é aquela que não é violenta, clandestina ou precária.b) Posse injusta:
-
Violência: para sua aquisição o agressor se utiliza de força (
vis absoluta
) ou ameaça (
viscompulsiva
– ameaça injusta) contra o possuidor ou seus familiares ou seu detentor (e nãocontra a coisa). Equiparada ao roubo.
-
Clandestinidade: é aquela adquirida às ocultas do verdadeiro
possuidor 
(mas pode ser adquirida na frente quaisquer outras pessoas). A clandestinidade cessa quando o possuidor tiver condições
objetivas
de saber que houve a invasão. Saber quando cessa aclandestinidade é importante por dois motivos: 1) cessada a clandestinidade, a situação queera de detenção passa a ser de posse (art. 1.208, CC); 2) contagem do prazo de ano e diapara as ações possessórias de força nova. Equiparada ao furto.
-
Precariedade: é aquela derivada do abuso de confiança por parte de um possuidor, queindevidamente mantém a coisa consigo para além do prazo ajustado (com o advento do termo,não restitui a coisa). Equipara à apropriação indébita.Observações
-
A violência e a clandestinidade são tidas, tradicionalmente, como vícios originários (a possenasce violenta ou clandestina). Já a precariedade só nasceria em um segundo momento, por conversão de uma posse justa em injusta. Exceção: a posse pode nascer precária se ocorrer oque está configurado pelo art. 1.198, p.u., CC.
-
A importância da classificação da posse é poder modular os seus efeitos. A classificação emposse justa e injusta serve para modular efeitos das ações possessórias. Nessas ações,normalmente, o possuidor injusto é que será o réu.
-
Quais desses vícios são sanáveis? Tradicionalmente somente violência e clandestinidadeseriam sanáveis, em virtude do art. 1.208, CC. Mas, para a doutrina moderna, as trêsmodalidades de posse injusta são passíveis de convalescimento, desde que ocorra a chamada
interversão da posse
(a sua finalidade é transformar o caráter da posse, de injusta para justa,evitando-se assim que o possuidor não seja réu em ação possessória) – encontra apoio naexpressão “salvo prova em contrário” do art. 1.213, CC (quebra da presunção relativa).
Interversão da posse
: pode ocorrer por fato bilateral (quando o antigo possuidor celebrar umnegócio jurídico com o possuidor injusto – ex.: transformar comodato em aluguel) ou unilateral (atotal desídia do proprietário pode acarretar a mudança unilateral do caráter inicial da posseexercida; assim, o possuidor ou detentor passa exercer a posse desvinculando-se do proprietárioda coisa – há decisões isoladas do STJ).

Activity (5)

You've already reviewed this. Edit your review.
Juliana Marinho liked this
1 thousand reads
1 hundred reads
roniellialves liked this
Patlima liked this

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->