Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
228Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Filosofia Para Adolescentes

Filosofia Para Adolescentes

Ratings:

4.73

(15)
|Views: 38,062 |Likes:
Published by antonio
Na função de professor de adolescentes, procurei organizar um conjunto de aulas mais próximas da curiosidade deles e da necessidade que o professor tem de transmitir noções de filosofia, a partir de algumas experiências já vividas em sala de aula.
Na função de professor de adolescentes, procurei organizar um conjunto de aulas mais próximas da curiosidade deles e da necessidade que o professor tem de transmitir noções de filosofia, a partir de algumas experiências já vividas em sala de aula.

More info:

Published by: antonio on Feb 01, 2009
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF or read online from Scribd
See more
See less

07/27/2013

pdf

original

 
 Antonio Jaques de Matos
FILOSOFIA PARA ADOLESCENTES(SEM ACADEMICISMOS)
Prefácio
É da
natureza humana
querer explicar tudo a sua volta, talvez, comopensava Nietzsche, para evitar surpresas desagradáveis, mas, também, porque,isso, nos dá grande satisfação, como pensava 24 séculos atrás, Aristóteles. É oque nos propomos fazer neste livro em relação ao ensino de filosofia paraadolescentes. Um desafio que é em um primeiro momento assustador, mas,depois, recompensador, porque é da natureza humana querer se comunicar bemcom os outros, embora nem sempre consiga e este desejo inclui a efetivação dacomunicação entre professor e alunos adolescentes.O ensino de filosofia para adolescentes tem sido deixado de lado comomenos importante para os filósofos, uma atividade paralela, no máximo, semimportância. O problema é que os doutores em filosofia, fechados em suas salas,nada mais fazem do que repetir o que os antigos escreveram e, no máximo, tirampalavras mais difíceis dos textos, mas mantém a ênfase na divulgação dacronologia dos períodos filosóficos como se fosse importante saber quem veiodepois de quem. Às vezes, destacam temas, mas numa linguagem que oadolescente médio não entende ou se entende, não relaciona a sua curtaexperiência de vida. E a causa reside no fato destes professores desempenharemnas suas universidades de origem apenas a atividade de tradutor de idiomas, paratentar descobrir algum detalhe que tenha passado despercebido de Aristóteles, deum Kant ou outro pensador; lá, o senso crítico é como um ser vivo que morre nacasca, sem nenhuma chance de se viabilizar. Mas, por senso crítico não queremosdizer apenas pedir a opinião de um aluno. Certa vez, ouvi dois alunos falando que oprofessor fez uma prova onde pedia a
opinião
do aluno e vi que os dois caíram narisada. Dar nota apenas pela opinião? Sim e não. Sim, mas não somente por isso:é preciso uma opinião justificada em motivos, de preferência após uma visualizaçãode duas ou mais alternativas e, então, decidir por uma delas, explicando o por quêda escolha. Isto é fazer uso da
racionalidade
!Há vantagens em ensinar jovens a filosofar (tarefa dividida com a Ciência):isto amplia a capacidade de perceber o mundo a sua volta. Especificamente aFilosofia, ela trata daquelas perguntas mais difíceis que vão além das perguntasque os cientistas fazem. Estes últimos não perguntam se o espaço existe, mas os
 
filósofos, sim, pois se o espaço existe este universo está em algum espaço? E esteespaço está em algum ou alguns outros, em uma quantidade infinita? Kant, porexemplo, defendeu a tese de que o espaço é um sentido interno, não real.Geralmente as perguntas mais fáceis são relacionadas ao senso comum, como osditados e crenças populares. Por que vai chover? Porque, respondem, meu joelhodói. Mas, por que a dor é anterior à chuva? Não sei, dizem eles. Já a ciência podedar um passo além: a mudança de pressão atmosférica afeta a sensibilidade dosnervos de um joelho que tenha sido operado ou lesionado que estão mais perto dasuperfície da pele. E a filosofia perguntará: o que é dor? Tudo está determinado? Oque é a
gravidade
que mantém um oceano atmosférico sobre nossas cabeças?Dois objetos chegam realmente juntos ao chão, independente da massa? Por queentão a lua nunca caiu sobre a Terra? Não seriam necessários relógios cada vezmais precisos (e uma série sem fim deles) para procurar uma diferençapequeníssima entre os dois objetos? Etc.A desvantagem é que ensinar filosofia seria algo muito precoce para a cabeçados adolescentes. Mas, não vemos nisso um problema. A questão central é saberqual a formação necessária que deve ter um professor para dar aulas de filosofia.Pergunto isso, pois houve uma estagiária que me substituiu e se saiu melhor doque eu. Suas aulas davam espaço aos alunos para exporem suas juvenis idéias.Mas, isto é filosofar? Em parte, sim, ter idéias próprias é importante, mas não étudo. Como não recorrer aos pensadores antigos quando eles têm uma opiniãomelhor que as nossas? Mas, como compatibilizar estas duas visões? Talvezapenas depois (e esta idéia a estagiária me ensinou, também) que as opiniões seesgotarem. De qualquer maneira um professor de filosofia completo ou quasecompleto (ninguém é completo) é aquele que tiver bom conhecimento dospensadores antigos (ou melhor, dos pensamentos antigos) e, melhor ainda, tiverdesenvolvido seus próprios pensamentos quando aqueles pensamentos antigos semostrarem frágeis, limitados. Lembro-me de que os alunos para ironizar a mim ou aminhas aulas perguntavam: o que é a chuva? O que é um tombo?, pois eu semprepergunto sobre tudo. Se daqui a dez ou vinte anos eles se lembrarem disso, de umprofessor que os chateava perguntando sobre coisas que ele achavam óbvias,
banais
, então eu terei feito o meu trabalho. Há uma definição muito simples defilosofia: ensinar a perguntar os porquês das coisas; por que os próprios filósofosnão a praticam?Aliás, há um professor, Girardelli, que defende que a filosofia é adesbanalização do banal. Eu acrescento: mostrar que o banal é complexo, isto é,aquilo que as pessoas pensam e fazem como verdadeiro e correto, e, mostrar,também, que o complexo, as coisas que as pessoas crêem ser incognoscíveis, ébanal, explicável. Ou, em outras palavras, o superficial é profundo e o profundo,superficial. E para perceber isto é preciso se distanciar ou mais ou menos o queNietzsche escreveu: tomar a decisão, triste, de abandonar a cidade para enxergar otopo dos seus prédios.
 
E, para que serve a
escola
? Dizem que ela é reflexo da sociedade: em umasociedade onde todos fazem tudo, os mais novos aprenderiam direto com osadultos (por exemplo: nas sociedade indígenas ou pequenos agrupamentoshumanos isolados); em uma sociedade especializada ou com divisão de trabalho,levamos os jovens à escola. Mas, isto é insuficiente? Pensamos que não, pois aescola se propõe a dar uma visão ampla de mundo e, para tal perspectiva, épreciso uma curiosidade sobre tudo que naturalmente ultrapassará os limites deuma
tribo
(ainda que sejam
bons selvagens
, como pensava
Jean-JacquesRousseau
, queremos viver em um lugar onde as condições de
sobrevivência
garantem a vida de umas seis mil pessoas?), ou, na proposta
capitalista
, a escolaseria mera fornecedora de mão de obra. Queremos formar um
ser completo
, idéiaque o próprio Rousseau defendeu e, também,
Schiller
e, antes deles, Platão eAristóteles. Por que não pensar a escola não como reflexo, mas uma visão futura,
utópica
mesmo, de uma
sociedade ideal
?Não sei se me aproximo dos teóricos do
pensamento crítico
, poisacreditamos que o senso crítico é importante para defender nossas idéias oureconhecer argumentos melhores do que os nossos, mas entendemos que aescola, antes disso, procura diminuir aqueles desejos sexuais (
concupiscência
) ea preguiça (ou fazemos isto e a escola tem este papel ou valerá a “
lei do maisforte
”, queremos esta lei vigorando? Somos, sim, amigo Nietzsche,
niilistas
ou
pragmáticos
?), freqüentes nos jovens e, ainda, os desejos materiais, enfim, o quechamamos (apressadamente) de egoísmo (apenas quando são excessivos), maisativos nos mais jovens, que estão mais próximos deles e os incitamconstantemente. O que não significa que não devamos falar sobre: certa vez, elesme perguntaram se eu era virgem?, por que eu era solteiro?, me deram o apelidode um filme de comédia – “o virgem de 40 anos”. Em geral, eles depreciam os maisvelhos e em resposta a isto eu disse que o sexo que os adolescentes praticam éparecido com o dos coelhos: eles fazem rápido e várias vezes. Falar sobre sexo éinstrutivo, os ajudará no futuro a serem melhores parceiros: disse-lhes, porexemplo, que os filmes pornôs são úteis pois ensinam posições diferentes parafazer sexo com quem amamos. Dependendo do nível de renda familiar, é comum ouso de um vocabulário chulo, que devemos trocar por expressões científicas: terrelações sexuais em vez de “bimbar” ou “trepar”, dizer testículos em vez de bolas,vagina em vez de boceta ou perereca, pênis em vez de “pau”, “pica”, etc,expressões que menosprezam a beleza envolvida em um processo natural, aindaque a intenção deles não seja ver o outro como um objeto de sua satisfaçãopessoal, é, em geral, assim que eles se comportam: sem pensar no outro comoalguém com
sentimentos
. Não queremos uma sociedade assim. Estamosensinando valores, dirão? Sim. E isto é errado? Quando se libera totalmente asexualidade juvenil uma das conseqüências é a banalização do corpo, o que incluigravidez precoce. Pensar assim é ser conservador? É curioso que, normalmente,se atribua a conservadores a defesa do controle populacional; ocorre, contudo, que

Activity (228)

You've already reviewed this. Edit your review.
Rosalice Morbini added this note
oi. postaria que me enviasse por e-mail as apostilas, sao otimas. rmorbini@hotmail.com
1 thousand reads
1 hundred reads
tatianaterres added this note
Oi! gostei muito da apostila, mas não consegui baixar, será possível enviar por e mail. Obrigada.
Nayra Martins added this note
onde esta a parte que fala sera a morte o fim de tudo?
Marc Os Alves liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->