Welcome to Scribd. Sign in or start your free trial to enjoy unlimited e-books, audiobooks & documents.Find out more
Download
Standard view
Full view
of .
Look up keyword
Like this
9Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Iconografia de Khnum

Iconografia de Khnum

Ratings: (0)|Views: 402|Likes:
Article published by REVISTA LUSÓFONA DE CIÊNCIA DAS RELIGIÕES – Ano IV, 2005 / n.º 7/8 – 173-189
Article published by REVISTA LUSÓFONA DE CIÊNCIA DAS RELIGIÕES – Ano IV, 2005 / n.º 7/8 – 173-189

More info:

Categories:Types, Research
Published by: José Carlos Calazans on Feb 03, 2009
Copyright:Traditional Copyright: All rights reserved

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/02/2013

pdf

text

original

 
Este esboço geral que setira da religião egípcia,e tudo o mais que jáconhecemos sobre as suasinúmeras particularidades,tem servido de basecomparativa e de estudo, para tentar entender outras sociedadesdo mundo antigo, queigualmente desenvolveramtipos de escrita e sistemasreligiosos complexos.Desta forma, da estruturareligiosa do Egipto Antigoe do seu panteão,destacamos as iconografiasdos deuses Khnume Herichef para,de maneira aproximativa,tentar entender o fenómeno da hibridaçãoe característicasiconográficas particulares,de uma das divindadesda culturade Harapp
¯ 
¯ 
a/Mohenjo-D
¯ 
aro(Vale do Indo).
 José Carlos Calazans
Bolseiro da FCT  para estudos de doutoramentona Sorbone
 A R T I G O S
IconografiadeKhnumeiconografiadeHarapp
 ¯
a
exemplo de um mito de criaçãoimportado ou simples coincidência?
R
EVISTA
L
USÓFONADE
C
IÊNCIADAS
R
ELIGIÕES
– Ano IV, 2005 / n.º 7/8 – 173-189
173
Ù
A
religião do antigo Egipto encontra as suas raízesmais vetustas no fundo indígena do período neolítico,como geralmente é aceite, desenvolvendo-se e evoluindoa partir de múltiplas formas animistas (xamânicas) atéàs Épocas Greco-Romana (332 a. C.-395 d. C.) e Copto--Bizantina (395 d. C.-641 d. C.).Da emergência cosmogónica egípcia cedo se forma-ram grupos de deuses ligados à criação do homem e àfundação das cidades. As tríades (grupos de três divin-dades: Ptah, Sekhemet e Nefertum em Mênfis; Amon,Mut e Khonsu em Karnak; Khnum, Satet e Anuket emElefantina), as Ogdóades (oito divindades como em Her-mópolis) e as Enéades (nove divindades como em He-liópolis), agrupadas em torno de regiões geográficasbem definidas, obedeceram quase sempre à formulaçãoestritamente genealógica e aos vínculos criacionistasque, por sua vez, serviram de fundamento à estrutura dopoder social e religioso. Os grupos de deuses e os deusesindividualizados, promoveram invariavelmente, e deforma proporcional, o prestígio dos faraós, do clero e dascidades. Mas esta ligação onfálica entre divindades ehomens, entre grupos de deuses e grupos sociais e cida-des, encontrou-se indissociável e invisivelmente plas-mada com o próprio universo astral.
 
174
R
EVISTA
L
USÓFONADE
C
IÊNCIADAS
R
ELIGIÕES
 J 
OSÉ
 ARLOS
 ALAZANS
A associação de divindades a estrelas e a planetas representou um acto normal equotidiano das civilizações pré-clássicas do Mediterrâneo Oriental e de toda a Ásia. Ea razão é tão simples como a que representa para nós o simples relógio de sol, de pulsoou de parede, que se destinam a controlar o tempo e os ritmos dos homens e das so-ciedades. Ordenar o caos aparente e preencher o vazio que antecede o momento dacriação, foi a preocupação de todas as cosmogonias; encontrar um sentido lógico e coe-rente nas trajectórias dos astros, de acordo com uma gramática teofânica e com os rit-mos da vida, foi igualmente imperativo para a construção do visualmente permitido,aceite e fundador dos poderes reais e religiosos. Desta forma, encontramos entre cultu-ras arcaicas e tradicionais várias sínteses divinas, em que na sua constituição primo-génita aparecem figuras zoomórficas e antropomórficas num só corpo ou sob formahíbrida, representando a união de características animais e humanas transpostas paraum planeta, uma constelação, ou uma estrela em particular.Assim, vamos encontrar no panteão egípcio um Osiris-Oríon, uma Ísis-Sirius, umHórus-Saturno, um Set-Mercúrio, um Ré-Sol, um Geb-Terra, um Tot-Lua, em Hapi-Nilo, etc. As formas humanas (Amon, Osíris, Ísis, Néftis, Hathor, Ptah, Min, Mut,Anuket, Sechat, Serket, Khonsu, Atum, Neit, etc.), eram representadas muitas vezespor formas animais (Ápis, Meruer, Bukhis, Khnum, Sobek, Sekhemet, Tefnut, Pakhet,etc.), outras por formas híbridas (Anupu, Bastet, Hórus, Khnum, Montu, Sobek,Sekhemet Tot, Khepri, Set, etc.). A manifestação de uma divindade podia variar segun-do as suas funções específicas, o tipo de protecção ou de força que lhe era atribuída.E dado que o processo da hibridação parece ter ocorrido durante um longo períododa história do Egipto antigo e clássico, somos levados a pensar que se tratava de umprocesso activo simbiótico que permitia, sempre que se justificava manifestamente pelaexigência da taumaturgia e da explicação dos fenómenos sobrenaturais e naturais, acriação híbrida de uma nova divindade.A questão da emergência das divindades egípcias e da sua hibridação, quer porparentesco quer por conquista política, é matéria revelada através dos textos sagrados,quer ao nível literal quer simbólico. Mas o seu desenvolvimento é igualmente o re-sultado de uma progressiva e constante apropriação do poder político em relação di-recta com o sobrenatural, com o mito e com as lendas – a hegemonia de uma cidadesobre outra, ou a sujeição de um
nomo
a um novo conquistador, implicava a suprema-cia do deus dos vencedores sobre o panteão dos vencidos, e o consequente aumentode novos adoradores e de santuários.A diversidade dos deuses egípcios e a falta de unidade ao nível das crenças explica-se, essencialmente, por se tratar de uma religião que se desenvolveu através dos cul-tos locais. A sua patente coerência, pelo contrário, desenha-se claramente na unidadede culto. Assim, a unidade administrativa dos
nomos
, deriva da unidade do cultocomo prática, embora a origem de cada divindade tenha sido local.Este esboço geral que se tira da religião egípcia, e tudo o mais que já conhecemossobre as suas inúmeras particularidades, tem servido de base comparativa e de estudo,para tentar entender outras sociedades do mundo antigo, que igualmente desen-volveram tipos de escrita e sistemas religiosos complexos. Desta forma, da estruturareligiosa do Egipto Antigo e do seu panteão, destacamos as iconografias dos deusesKhnum e Herichef para, de maneira aproximativa, tentar entender o fenómeno da hi-bridação e características iconográficas particulares, de uma das divindades da culturade
Harapp§
/
Mohenjo
-
D§ro
(Vale do Indo).
 
R
EVISTA
L
USÓFONADE
C
IÊNCIADAS
R
ELIGIÕES
175
CONOGRAFIADE
HNUME
CONOGRAFIADE
 ARAPP
¯ 
 A
Î
Deus da tríade da primeira catarata em Elefantina, da tríade de Nekhen
1
, e deusfaraó Seneferu de Semen-Hor
2
durante a IV dinastia (2575-2465 a.C.), Khnum (
 ]nmw
)
3
,assumiu-se sempre como um deus essencialmente criador; por vezes associado a Ptah(
 PtÈ
) o deus «escultor dos escultores, oleiro dos oleiros».Khnum, o deus da «cidade do Elefante» (o deus-carneiro de Abu), encontrava-seligado à zona meridional do Egipto e da Núbia, e talvez por esta razão se supõe quetenha sido importado do Ásia Menor. Na cidade de Elefantina compunha uma tríadecom as deusas Satet (
S²t 
) e Anuket (
c
nÎt 
) e em Esna com Satet e Neit (
 Nt 
). Em sua génese,e por ser um deus ligado à criação de outros seres, através da modelagem do homemprimordial, Khnum era «aquele que dá a água do Nilo», a fonte da vida para todos osEgípcios. Por esta razão, era o regulador das inundações e dos anos prósperos. A asso-ciação de Khnum ao barro e à água como fonte da vida é tão óbvia como a modelagemda cerâmica, que não pode ter nem muita nem pouca água, mas unicamente a quanti-dade exacta, para que a peça adquira a elasticidade adequada ao trabalho da olaria. Acriação do ser humano é, portanto, o resultado do equilíbrio perfeito da interacção deduas forças: as águas primordiais e a terra, que por extensão se tornou no Egipto.O deus carneiro, que representa a espécie
ovis longipes palaeoaegytiacus
, já extinta(c. 2000 a.C.), foi definitivamente associado às águas primordiais, ao rio Nilo (da terrae do céu). Não podemos deixar de notar, que o próprio Nilo em toda a sua extensãogeográfica, encontrou a sua equivalência celeste na Via Láctea e que, Khnum, ao tersido dotado da capacidade de gerir o fluxo das inundações, foi ele mesmo investidodo poder de superintender uma parte do Nilo celeste. Supomos, que igualmente, deveter sido o guardião dos quatro caminhos do sol (equinociais e solesticiais) como dosquatro ventos ele o foi efectivamente:
 Jubilação para ti,Ó (deus) provido de quatro faces sobre um único pescoço (...)(…)Tu és Khnum, Manifestação sensível da brisa,O misterioso, da violência do qual nascem os quatro ventos,Cada um deles saindo do lugar que ele escolheu,Um do Sul,Outro do Norte,E os outros, cada dia, do Ocidente e do Oriente.
4
A cumplicidade demiúrgica do deus criocéfalo de quatro faces, com o «espírito con-tido nas águas» do próprio Nilo
5
, conferiu-lhe a ideia comum de que era um deus pro-
1
Capital do
nomo
entre Hieracômpolis até ao norte de Esna.
2
Capital do
nomo
situado na margem oeste do Nilo, próximo de el-Uasta e de Meidum.
3
Ibid.,
Khnenum
e no grego
 XnoËbiw
.
4
Cf. J. C. Sales,
 As Divindades Egípcias
, p. 297.
5
Expressão nossa para designar o deus Hapi.

Activity (9)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 hundred reads
1 thousand reads
Diego Ananias liked this
Alexandra Diez liked this
Alexandra Diez liked this
Danilo Ribeiro liked this
sulemy liked this
Alvopp liked this
julioanubis liked this

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->