Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Look up keyword
Like this
3Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Memórias da grande guerra (1619-1919), por Jaime Cortesão

Memórias da grande guerra (1619-1919), por Jaime Cortesão

Ratings: (0)|Views: 53|Likes:

CORTESÃO, Jaime - Memórias da grande guerra (1619-1919). Porto: Renascença Portuguesa, 1919.

CORTESÃO, Jaime - Memórias da grande guerra (1619-1919). Porto: Renascença Portuguesa, 1919.

More info:

Published by: Maria do Rosário Monteiro on Feb 01, 2013
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

09/17/2013

pdf

text

original

 
BIBLIOTECA
HISTÓRICA
MEMÓRIAS
II
· JAIME CORTESÃO
MEMÓRIAS
DA
GRANDE GUERRA
(1916-1919)
3.
0
MILHA~
'
EDIÇÃO
DA
c
RENASCENÇA
PORTUGUESA
PORTO
 
·.
A
MINHA
MULHER
E A
MEUS
FILHOS
-Àquela,
cujo amado Amor
foi
o es-teio mais corajoso nas grandes horasdolorosas; '
-Àqueles
para quem anseio, mesmo
à
custa da minha, uma vida mais bela;Para s a minha melhor obra d' Arte,que
é
a própria vida feita beleza su-prema, na aspiração e pelo sofri-mento.
I
 
..
Prefácio
11
fuso vendaval
i:f:e
fogo e lava destruidora. Vistasà distância imensa a que nós as olhamos cabemàs centenas
no
mesmo fitar
de
olhos e espalhamnas noites sém lua uma
dôce
claridade.A distância,
-a
distância no espaço e no
tempo-,
é a condição indispensável para que osastros, os homens e os
f~ctos
tenham beleza.
Que
os Tácitos e os Homeros
de
hoje, se é que ostemos, poisem o cálamo
egrégio,
deslacem as
cor-
das da lira canora.
É
cedo.
Mas quando o estatuário das obras definitivas e imorredouras lar
gar,
de
escopro na mão, para jogar
ao
mármoreo primeiro talho,
já
então
êle
tomou para oarranjo
da
sua estátua qualquer linha fugaz das
que
animam êste gêsso efémero.
tles
virão e hão
de
colher um pouco destaspáginas, onde há lágrimas, risos, misérias, drama e epopeia.Há quem pretenda,-eu
sei,-que
esta, a nossaguerra, não dá um canto
de
epopeia.
Que
é meroassunto para relatos frustes, coisas
de
somenos,frioleiras. Felizmente os que assim falam não
de-
finem a nossa guerra mas o seu temperamento,marcado pela faculdade estreita
de
ve~
o riso ea espuma
das_
coisas.
-
Nem por isso a .nossa guerra, como as outras,deixa
de
se repassar
de
sofrimento e
de
epopeia.Para isso bastava a batalha do Lys e a arrancadaépica daqueles homens,
que,
vencendo a inércia ea descrença dos grandes chefes, conseguem, atra-

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->