Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Look up keyword
Like this
6Activity
P. 1
True Blood - Escravos do Amor - Capítulo 35 - Alucinações do Passado

True Blood - Escravos do Amor - Capítulo 35 - Alucinações do Passado

Ratings: (0)|Views: 28,706|Likes:
Published by WE LOVE TRUE BLOOD

O Terceiro Capítulo de nossa Terceira Temporada da novela mexicana que mais parece um seriado americano.

O Terceiro Capítulo de nossa Terceira Temporada da novela mexicana que mais parece um seriado americano.

More info:

Published by: WE LOVE TRUE BLOOD on Feb 19, 2013
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

09/26/2013

pdf

text

original

 
Temporada 03 Capítulo 35 
 Alucinações do Passado
 The only thing that burns in Hell is the part of you that won't let go of life,your memories, your attachments.
“O que?”, Sookita não escondia a raiva que sentia.“Não tem como ser diferente.”“E você decidiu isso sem me consultar?”Ela caminhou para longe dele no quarto, parou em frente à janela e ficouobservando o labirinto que ocupava quase toda a propriedade.“Eu sou seu marido, tenho esse direito.”, Bill fechou a porta.“Não pode me proibir de encontrar quem eu quiser.”, ela se voltou para ele.“Não está proibida de encontrar ninguém. Só não é prudente manter o contatoque tinha com Eric.”, ele disse tentando manter a compostura, mas seu rostodemonstrava outra coisa.“Eu não vou ter um caso com ele, se é disso que tem medo.”“Se quisesse isso não teria se casado comigo. Espero que não tenha secasado por pena.”, ele baixou a cabeça.Ela não soube o que responder, não havia casado por pena e sim por lealdade.Sentia algo profundo por Bill, mas não o suficiente para chamar de amor.Tempos atrás ela acreditou que era amor, só que ela mal sabia o que era amor ou se apaixonar. Só foi descobrir esse sentimento quando se envolveu comEric, mesmo que tenha sido uma confusão desde o dia que colocou os olhosnele.“Seu silêncio é a resposta que eu não desejava.”“Eu estou aqui com você e não com Eric.”, ela enxugou rapidamente umalágrima furtiva que escorreu.“Eu achei que meu amor seria o suficiente para nós dois nesse inicio.”, elebalançou a cabeça de um lado para o outro.
 
“É o suficiente.”, ela disse se aproximando lentamente dele.“Estou fazendo o que seja melhor para você, minha querida. Até Jessica euafastei daqui.”“Não precisava ter feito isso, eu não sou criança, Bill. Posso lidar com ela,Eric... quem for.”“Sei que não é. Só não a quero perto de Eric. Você é a minha esposa e nãoquero ser alvo de comentários pela cidade. Não se esqueça de que sou oprefeito.”, ele disse severamente.“Sua preocupação é com a reputação...”Ela se afastou novamente em direção à janela, não queria encara-lo, e nãoqueria piorar a discussão. Ela teria ainda tanto o que cuidar pela frente sobreJason, e o cansaço começava a bater forte.“Você está distorcendo o que eu disse.”, ele cerrou os punhos. “Além do queEric não impôs nenhuma resistência ao acordo.”“Deve ter os motivos dele.”, ela disse com uma pontada no coração.“Daqui em diante você saíra de casa acompanhada de seguranças.”“Bill, eu não preciso disso. Tenho a companhia de Tara.”, ela virou o rosto delado.“Sookita, seu irmão foi assassinado. Não sabemos quem fez isso, e se vocêcorre algum risco. Não quero te perder.”Ela não notou a aproximação dele, fez um movimento brusco quando eleencostou a mão no pescoço dela.“Preciso dormir. Depois discutimos melhor esses assuntos.”“Eu também quero saber o que aconteceu com o senador. Não vou te obrigar acontar o que não quer, eu entenderei.”Ela concordou com a cabeça, ele fez um movimento com a mão e partiu emdisparada. Ela só ouviu a porta batendo. Seu casamento começou fracassado,e ela não tinha ideia de como consertar. Um movimento em falso que tomou eacabou machucando os sentimentos de Bill, sendo que ele não merecia.Deveria ter ficado sozinha em casa, como sempre esteve. Aceitar que jamaisteria algo com Eric e seguir em frente. Foi covarde em fugir para os braços deBill para aplacar a rejeição de Eric.Um movimento estranho no jardim atraiu a sua atenção, ela não soubevislumbrar o que era. Mas, viu algo correndo, poderia ser um vampiro ou algum
 
animal. Ela sentiu um arrepio no corpo, pensamentos estranhos surgiram emsua mente. Palavras incompreensíveis, imagens de um local escuro e depoisbrilhante. Ela caiu no chão e sua mente continuou a ser invadida.Uma visão de Eric surgiu, ambos deitados numa cama, ela o mordia, oprovocava. Ele parecia não compreender, estava confuso, o olhar assustado.Ele a penetrava sem gentileza, e ela o continuava provocando. Dizendopalavras que não ousaria dizer, palavras que só Tara dizia. Depois ele estavaem pé ao lado de uma cama, e ela em cima da cama nua e novamente oprovocando. Oferecendo o pescoço para que a mordesse, ela desejava ser mordida, mesmo que fosse quase fatal.Ela viu claramente quando o empurrou do mezanino, estava no quarto dele. Elaqueria machucá-lo, puni-lo pelo que a fazia sofrer. Ao mesmo tempo queria quea amasse, a protegesse, e fizesse sexo com ela até o fim dos tempos. Emseguida o sentimento de culpa tomou conta do seu corpo, e ela queria se ver longe daquele quarto, não queria mais se entregar para ele. A sua mente aalertava para ficar longe dele, assim como Bill estava fazendo.Era noite, tarde da noite, tudo parecia calmo, exceto pelos gritos apavoradosde Jason. Uma mão afundou no peito dele, e com movimentos circulares foiarrancando lentamente o coração. O sangue jorrava quente do peito dele.Sookita sentia que estava perto de Jason, sentia como se estivesse na mentedele, como se os olhos dele fossem os dela. A dor era terrível, parecia quecaíam num abismo sem fim. Aos poucos a mente dele foi sumindo, assim comoa respiração e o coração sendo comido pelo assassino.Ela tentava focar a visão e ver o rosto de quem cometia aquele horror. Só quea visão de Jason estava escura, a imagem ficando distante, o zumbido noouvido mais alto. O peito dela parecia que ia explodir. As vozes crescendo emsua cabeça, invadindo cada vez mais fundo em sua mente. Algo a sacudia, elapodia sentir. A sua cabeça para frente e para trás. Quando abriu os olhos, viu orosto preocupado de Tara. Os pensamentos dela entraram na mente deSookita de uma vez, a dor de cabeça foi intensa. Ela viu a vida toda de Taraem segundos, as alegrias e sofrimentos da amiga.“Por favor, saia daqui.”, Sookita gritava desesperada.“O que aconteceu? Você estava desmaiada.”, Tara tentou levanta-la.“Por favor, seus pensamentos estão me machucando. Não vou aguentar.”“Machucando?”“Eu vi... eu vi toda a sua vida na minha mente. Não sei como, mas eu vi. E memachucou, as suas dores me machucaram...”

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->