Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Look up keyword
Like this
2Activity
P. 1
42 - Petição de apresentação de manifestação - Petição de apresentação de manifestação 1.pdf

42 - Petição de apresentação de manifestação - Petição de apresentação de manifestação 1.pdf

Ratings: (0)|Views: 16|Likes:

More info:

Published by: Luiz Fernando Chalhoub on Feb 20, 2013
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

10/18/2013

pdf

text

original

 
 
Rua Bela Cintra, 756, Conjunto 12,São Paulo, SPCEP 01415-002 – Tel/fax: (11) 2369-6856Setor Hoteleiro Sul, Quadra 06, Conjunto A, Bl.E, Edifício Brasil XXI, Salas 1020-1021, Brasília,DF.CEP 70316-902 - Tel/fax: (61) 3323-2250
E
XCELENTÍSSIMO
S
ENHOR 
M
INISTRO
ELATOR 
G
ILMAR 
M
ENDES
,
DO
S
UPREMO
T
RIBUNAL
F
EDERAL
 
ECURSO
E
XTRAORDINÁRIO Nº
635659
 A
 
instituição
 VIVA 
 
RIO
, já devidamente qualificada nosautos do processo em epígrafe, tendo sido admitida na qualidade de
amicus curiae 
, vem,respeitosamente, à presença de Vossa Excelência, apresentar suas contribuições com asseguintes informações relevantes à apreciação do feito.
Assinado por ANA FERNANDA AYRES DELLOSSO:34757471890 em 19/02/2013 14:19:20.945 -0300
Signature Not Verified
 
2.
Rua Bela Cintra, 756, Conjunto 12,São Paulo, SPCEP 01415-002 – Tel/fax: (11) 2369-6856Setor Hoteleiro Sul, Quadra 06, Conjunto A, Bl.E, Edifício Brasil XXI, Salas 1020 e1021, Brasília,DFCEP 70316-902 - Tel/fax: (61) 3323-2250
1.
 
D
O
O
BJETO DAS
P
RESENTES
I
NFORMAÇÕES
 
 A questão jurídica para a qual a VIVA RIO traz suacontribuição diz respeito à constitucionalidade do art.28 da Lei 11.323, de23 de agosto de 2006, sob a ótica dos princípios da
dignidade humana 
(CF,art.1º, III) do
 pluralismo
(CF, art.1º, V), da
intimidade 
(CF, art.5, X) e da
isonomia 
(CF, art.5º,
caput 
 ), levantada incidentalmente nos autos do RecursoExtraordinário 635659, apresentado pela Defensoria Pública Geral doEstado de São Paulo, na defesa de Francisco Benedito de Souza. As bem lançadas argumentações trazidas aos autos pelaComissão Brasileira Sobre Drogas e Democracia – CBDD (fl. 179), a Associação Brasileira de Estudos Sociais do Uso de Psicoativos – ABESUP(fl. 224), o Instituto Brasileiro de Ciências Criminais – IBCCRIM (fl. 245);o Instituto de Defesa do Direito de Defesa – IDDD (fl. 281); e a ConectasDireitos Humanos, juntamente com o Instituto Sou da Paz, Instituto Terra Trabalho e Cidadania - ITTC e Pastoral Carcerária (fls. 558 e 559) deixampouco espaço para novas ilações sobre a
inconstitucionalidade 
do dispositivomencionado, mas algumas ponderações merecem ser destacadas, seja comintenção de
realce,
seja para acrescentar argumentos à tese já exposta.
 
3.
Rua Bela Cintra, 756, Conjunto 12,São Paulo, SPCEP 01415-002 – Tel/fax: (11) 2369-6856Setor Hoteleiro Sul, Quadra 06, Conjunto A, Bl.E, Edifício Brasil XXI, Salas 1020 e1021, Brasília,DFCEP 70316-902 - Tel/fax: (61) 3323-2250
2.
 
D
O
D
ISPOSITIVO
L
EGAL
Q
UESTIONADO
(
 ART
.28
 DA 
L
EI
11.343/06)
 A Lei 11.343/06 que institui o Sistema Nacional dePolíticas Públicas sobre Drogas – alterou o tratamento penal para o
 porte de drogas para consumo pessoal,
substituindo a prisão de 6 meses a 2 anos (e opagamento de 20 a 50 dias-multa) prevista no art.16 da revogada Lei6.368/76, pelas penas de
advertência, prestação de serviços à comunidade 
ou
medida educativa obrigatória,
dispostas no art.28 da Lei 11.343/06. Ainda que o novo tipo penal
abrande 
as consequênciaspenais para os
usuários de drogas 
, afastando em definitivo a
 pena privativa de liberdade,
mantém o
desvalor penal 
do comportamento, não retira sua
natureza delitiva,
nem o caráter
estigmatizante 
da incidência da norma penal
1
. Vale destacar que a Lei em comento prevê, dentre assanções para o usuário de drogas, a
 prestação de serviços à comunidade,
penarestritiva de direitos destinada a crimes com pena privativa de liberdadesuperior a
seis meses 
(CP, art.46)
2
, fato que distancia o comportamento – mesmo na seara material - de uma mera
infração administrativa,
no queconcerne às consequências jurídicas do ato.
1
.
Nesse sentido, KARAM, Maria Lucia.
 A Lei 11.343/06 e os repetidos danos do proibicionismo.
BoletimIbccrim, São Paulo, v.14, n.167, p.6-7, 2006.
2
. Embora a lei estabeleça o prazo máximo de 5 meses de pena para os réus primários, a menção à Parte Geralse faz apenas para estabelecer parâmetros de gravidade dentro de uma suposta
sistematicidade
doordenamento jurídico.

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->