Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more ➡
Download
Standard view
Full view
of .
Add note
Save to My Library
Sync to mobile
Look up keyword
Like this
2Activity
×
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
dedução equação de navier stokes

dedução equação de navier stokes

Ratings: (0)|Views: 1,216|Likes:
Published by Vitor Moreira

More info:

Published by: Vitor Moreira on Feb 24, 2013
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See More
See less

03/01/2014

pdf

text

original

 
)XQGDPHQWRVGD0HF¤QLFDGRV)OXLGRV)XQGDPHQWRVGD0HF¤QLFDGRV)OXLGRV)XQGDPHQWRVGD0HF¤QLFDGRV)OXLGRV)XQGDPHQWRVGD0HF¤QLFDGRV)OXLGRV
(SEM0403)
 
UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO
ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS
 Núcleo de Engenharia Térmica e Fluidos
 
 As equações de Navier-Stokesforam derivadas inicialmentepor M. Navierem 1827 e por S.D. Poisson em 1831,baseando-se num argumento envolvendo considerações deforças intermoleculares. Mais tarde as mesmas equaçõesforam derivadas sem o uso de nenhuma dessas hipótesespor B. de SaintVernant em 1843 e por G.G. Stokes em1945. Suas derivações foram baseadas na hipótese de queas tensões normais e cisalhantes são funções lineares dataxa de deformação, em conformidade com a mais antiga leida viscosidade de Newton.Considerando que a hipótese da linearidade éevidentemente completamente arbitrária (chute mesmo), nãoé“a priori”certo que as equações de N-S oferecem umadescrição verdadeira do movimento de um fluido. Énecessário, conseqüentemente, verificá-lasexperimentalmente. As enormes dificuldades matemáticasencontradas quando resolvendo as eqs. de N-S tem atéopresente nos impedido de obter uma solução analítica únicana qual os termos convectivosinteragem genericamente comos termos viscosos (
TheMillenniumProblems, prêmio:1 milhão de dólares, MathematicsInstituteofCambridge,Massachusetts
). Entretanto, soluções conhecidas, tais comoescoamento laminar através de duto circular, bem comoescoamentos de camada limite, concordam tão bem com osexperimentos que a validade geral das equações de N-S malpode ser posta em dúvida
Álgumaspalavras sobre as Equações de Navier-Stokes
 
)XQGDPHQWRVGD0HF¤QLFDGRV)OXLGRV)XQGDPHQWRVGD0HF¤QLFDGRV)OXLGRV)XQGDPHQWRVGD0HF¤QLFDGRV)OXLGRV)XQGDPHQWRVGD0HF¤QLFDGRV)OXLGRV
(SEM0403)
 
UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO
ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS
 Núcleo de Engenharia Térmica e Fluidos
 
Equação Diferencial da Conservaçãoda Quantidade de Movimento
 Aplica-se a 2a lei de Newton a uma partícula de fluidoinfinitesimal de massa
dm
.Recapitulando: a 2a lei de Newton para um sistema finitoédada por:
 sistema
dt  P  F 
=
onde a q.d.m. do sistema édada por:
∫ 
=
)(
 sistemamassa sistema
dm P 
  
Então, para um sistema de massa infinitesimal, dm, a 2alei de Newton pode ser escrita:
 sistema
dt dm F 
=
Utilizando a derivada substancial, podemos escrever a 2a lei de Newton em um campo de velocidades daseguinte forma:
+++==
 z w yv xudm Dt  Ddm F 
(1)
 
)XQGDPHQWRVGD0HF¤QLFDGRV)OXLGRV)XQGDPHQWRVGD0HF¤QLFDGRV)OXLGRV)XQGDPHQWRVGD0HF¤QLFDGRV)OXLGRV)XQGDPHQWRVGD0HF¤QLFDGRV)OXLGRV
(SEM0403)
 
UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO
ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS
 Núcleo de Engenharia Térmica e Fluidos
 
Forças atuando em uma partícula fluida
Tipos de forças:
forcas de campo, F
B
•forças de superfície, F
s
:•Forças normais,
σ 
•Forças Tangenciais,
τ 
Vamos considerar a componente x da força atuando numelemento diferencial de massa,
dm
, e volume,
dxdydz 
. Astensões no centro do elemento diferencial são tomadascomo
σ σσ σ 
 xx 
,
τ ττ τ 
yx 
,
τ ττ τ 
zx 
. As tensões agindo na dir. x emcada face do elemento são mostradas na Fig.

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->