Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
14Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
A Civilização Mesopotâmica

A Civilização Mesopotâmica

Ratings:

5.0

(9)
|Views: 13,013 |Likes:
Published by Gilmar Sot

More info:

Published by: Gilmar Sot on Feb 28, 2009
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/07/2013

pdf

text

original

 
I - A CIVILIZA 
Çà
O MESOPOT 
 Â 
MICA 
A Mesopot
â
mia
é
uma regi
ã
o hist
ó
rica do Oriente M
é
dio (
Á
sia), inclu
í
da no Iraquee banhada pelos rios: Tigre e Eufrates. A palavra mesopot
â
mia, em grego, significa regi
ã
oentre rios. Estendendo-se desde o Deserto da S
í
ria , a N.O,at
é
as margens do GolfoP
é
rsico, a S.E., compreende duas
á
reas distintas:1. O Planalto ou Alta Mesopot
â
mia , de constitui
çã
o geol
ó
gica complexa, ondepredominam formas muito eruditas;2. A Plan
í
cie ou Baixa Mesopot
â
mia , de origem rudimentar recente, cheia de lagoas,p
â
ntanos e canais naturais.Uma eleva
çã
o de 75 metros de altura, situada nas proximidades da cidade deBagd
á
, marca o limite entre ambas.
É
exatamente nesse ponto que se aproximam bastante os cursos dos dois famososrios: o Tigre, que desce das montanhas do Curdist
ã
o, e o Eufrates, que procede doPlanalto da Anat
ó
lia, entrela
ç
ando suas
á
guas atrav
é
s de p
â
ntanos , lagos e canais.Afastam-se a seguir, para reencontrarem-se pouco antes da foz, fundindo-se num s
ó
: oChat-el-Arab (Rio dos
Á
rabes), que se lan
ç
a no Golfo P
é
rsico.Em junho e julho, as
á
guas desses rios avolumam-se, devido
à
fus
ã
o das galeriasexistentes nas cabeceiras e pelas fortes chuvas que caem nos cursos superiores etransbordam por sobre a plan
í
cie, fertilizando-se nas cabeceiras.Essa rica plan
í
cie atraiu uma s
é
rie de povos, que se encontraram e semisturaram , empreenderam guerra e dominaram uns aos outros , formando o quedenominamos "civiliza
çã
o mesopotamica". Entre esses povos temos:1. Os Sum
é
rios2. Os Babil
ô
nicos3. Os Ass
í
rios4. Os Caldeus
II
– 
RELA
ÇÕ
ES SOCIAIS NA MESOPOT
Â
MIA
A sociedade mesot
â
mica era dividida em castas. Os sacerdotes, os aristocratas, osmilitares e os comerciantes formaram castas privilegiada (a minoria). A maioria dapopula
çã
o era formada pelos artes
õ
es, camponeses e escravos.
III
– 
A RELIGI
Ã
O
Os mesopot
â
micos adoravam diversas divindades e acreditavam que elas eramcapazes de fazer tanto o bem quanto o mal. Os deuses diferenciavam-se dos homens porserem mais fortes, todo-poderosos e imortais. Cada cidade tinha um deus pr
ó
prio, e,quando uma alcan
ç
ava predom
í
nio pol
í
tico sobre as outras, seu deus tamb
é
m se tornavamais cultuado.No tempo de Hamur
á
bi, por exemplo, o deus Marduc da Babil
ô
nia foi adoradopor todo o imp
é
rio.A divindade feminina mais importante era Ihstar, deusa da natureza e dafecundidade. Os Sum
é
rios consideravam como principal fun
çã
o a desempenhar na vida,o culto a seus deuses e quando interrompiam as ora
çõ
es, deixavam estatuetas de pedraque os representavam diante dos altares, para rezarem em seu nome.
IV
– 
ORGANIZA
ÇÃ
O POL 
Í
TICA
Os p
â
ntanos da antiga Sum
é
ria (hoje sul do Iraque), foram o ber
ç
o das cidades-estados do mundo. As cidades-estados pertenciam a um Deus, representado pelo Rei. Aautoridade do Rei estendia-se a todas as cidades-estados. Ele era auxiliado porsacerdotes , funcion
á
rios e ministros .Legislava em nome das divindades, assegurava as pr
á
ticas religiosas, zelava peladefesa de seus dom
í
nios, protegia e regulamentava a economia.O mais ilustre soberano da Mesopot
â
mia foi Hamur
á
bi, por volta de 1750 A.C.,um Rei Babil
ô
nico, que conseguiu conquistar toda a Mesopot
â
mia . Hamur
á
bi fundouum vasto Imp
é
rio, ao qual imp
ô
s a mesma administra
çã
o e as mesmas leis. Era umalegisla
çã
o baseada na lei de Tali
ã
o (Olho por Olho, Dente por Dente, Bra
ç
o por Bra
ç
o, etc)
É
o famoso c
ó
digo de Hamur
á
bi, o primeiro conjunto e leis escritas da Hist
ó
ria.
 
V - A ECONOMIA
A Mesopot
â
mia manteve sempre permanente contato com os povos vizinhos.Babil
ô
nia e N
í
nive eram ligadas entre si por canais e eram as duas cidades maisimportantes. A navega
çã
o nos rios Tigre e Eufrates era feita em barcos. As principaisatividades econ
ô
micas eram a agricultura e o com
é
rcio. Os mesopot
â
mios desenvolveramtamb
é
m a tecelagem, fabricavam armas, j
ó
ias e objetos de metal; mantinham escolasprofissionais para o aprimoramento de fabrica
çã
o de armas e cer
â
micas.Os comerciantes andavam em caravanas, levando seus produtos aos pa
í
sesvizinhos e
à
s regi
õ
es mais distantes. Exportavam armas, tecidos de linho, l
ã
e tapetes,al
é
m de pedras preciosas e perfumes.Dessas terras traziam as mat
é
rias-primas que faltavam na Mesopot
â
mia, como oMarfim da
Í
ndia, o Cobre de Chipre e a madeira do L 
í
bano.
VI - A CI
Ê
NCIA
Embora a roda do oleiro tivesse sido inventada nos tempos pr
é
-hist
ó
ricos, foramos Sum
é
rios que constru
í
ram os primeiros ve
í
culos de rodas.Desenvolvendo os conhecimentos adquiridos pelos Sum
é
rios, os Babil
ô
nicosfizeram novas descobertas, como o Calend
á
rio e o rel
ó
gio de Sol.Os Caldeus, sem d
ú
vida, os mais capazes cientistas de toda a hist
ó
riamesopot
â
mica, tendo deixado importantes contribui
çõ
es no campo da astronomia. Osmesopot
â
mios tamb
é
m conheciam pesos e medidas.Podemos citar como legado Mesopot
â
mico:Devemos aos Mesopot
â
micos, v
á
rios elementos de nossa pr
ó
pria civiliza
çã
o,como:
ü
O ano de 12 meses e a semana de 07 dias,
ü
A divis
ã
o do dia em 24 horas,
ü
A cren
ç
a nos hor
ó
scopos e os dozes signos do zod
í
aco,
ü
O habito de fazer o plantio de acordo com as fases da lua,
ü
O c
í
rculo de 360 graus,
ü
O processo aritm
é
tico da multiplica
çã
o.
VII - A ESCRITA
A inven
çã
o da escrita
é
atribu
í
da aos Sum
é
rios.Eles escreviam na argila mole com o aux
í
lio de pontas de vime. O tra
ç
o deixadopor essas pontas tem a forma de cunha (V), da
í
o nome de " escrita cuneiforme" .Com cilindros de barro, os mesopot
â
micos faziam seus contratos , enquanto noEgito se usava o papiro.Em 1986, foi descoberta por arque
ó
logos, perto de Bagd
á
, Capital do Iraque, umadas mais antigas bibliotecas do mundo, datada do s
é
culo X - A.C..A biblioteca continha cerca de 150.000 tijolos de argila com inscri
çõ
essumerianas. A literatura caracterizava-se pelos poemas religiosos e de aventura.
VIII - A ARQUITETURA
O edif 
í
cio caracter
í
stico da arquitetura sum
é
ria
é
o zigurate, depois muito copiadopelos povos que se sucederam na regi
ã
o. Era uma constru
çã
o em forma de torre,composta de sucessivos terra
ç
os e encimada por um pequeno templo.Nas obras arquitet
ô
nicas os mesopot
â
micos usavam tijolos cozidos (pois a pedraera muito cara) e ladrilhos esmaltados. Preferiam construir pal
á
cios. As habita
çõ
es deescravos e homens de condi
çõ
es mais humildes eram
à
s vezes, simples cubos de tijoloscrus, revestidos de barro. O telhado era plano e feito com troncos de palmeira e argilacomprimida. As casas simples n
ã
o tinham janelas e
à
noite eram iluminadas porlampi
õ
es de
ó
leo de gergelim.
IX - A ARTE NA MESOPOT
Â
MIA
– 
CONCLUS
Ã
O
Para falarmos da arte desta civiliza
çã
o que
é
um aglomerado de v
á
rios povos comoos Sum
é
rios, Ass
í
rios, Babil
ô
nios, Hebreus, Fen
í
cios, Medos, Persas e Hititas, devemosdizer que a B
í
blia nos conta dos Tribunais de Justi
ç
a entre os Ass
í
rios, da Torre de Babele da faustosa N
í
nive.
 
Do cativeiro de 60 anos dos judeus e da conquista de Nabucodonosor. Dasenten
ç
a de Deus contra a grande prostituta e das salvas da sua ira, que sete dos seusanjos derramaram sobre as terras do Eufrates. Os profetas Isa
í
as e Jeremias pintaramsuas vis
õ
es terr
í
veis da destrui
çã
o do mais famoso entre os reinos.H
á
pouco mais de um s
é
culo, toda a ci
ê
ncia Ass
í
ria era para n
ó
s um livrofechado. Hoje, ser
á
poss
í
vel escrever a hist
ó
ria de mais de dois mil anos de Mesopot
â
miae pintar os verdadeiros caracteres de seus senhores.A c
ó
lera do Senhor est
á
situada exatamente entre os rios Tigre e Eufrates.Falar sobre a civiliza
çã
o nos faz perceber um mist
é
rio que envolve todo um povo euma hist
ó
ria.Esta civiliza
çã
o foi profeticamente condenada a desaparecer. " Ele estender
á
am
ã
o contra o Norte e destruir
á
a Ass
í
ria e far
á
de N
í
nive uma desola
çã
o e a terra
á
ridacomo um deserto onde tudo se deitar
á
".A terra entre os dois rios, escondeu durante s
é
culos, pal
á
cios, templos e est
á
tuasde reis e deuses. Foi uma civiliza
çã
o rica e cheia de mist
é
rios. Os pal
á
cios suspensos , jardins afrodis
í
acos ornados com tijolos vitrificados e alabastro, le
õ
es alados, touros,
á
guia e estatuas gigantescas denominadas de guerreiros de Jeov
á
. Era para n
ó
s um livrofechado e a poucos dec
ê
nios os soberanos ass
í
rios nos pareciam lendas e fantasmas.Somente a B
í
blia nos mostrava a verdade desta civiliza
çã
o e n
ã
o os fatoscomprovados que a ci
ê
ncia necessita. Passagens significativas como o Livro dos Mortos,Sodoma e Gomorra, No
é
, Mois
é
s, Golias, Guerra de Tr
ó
ia, a Il
í
ada e a Odiss
é
ia se eramest
ó
rias ou lendas, realidade ou fantasia, o que podemos concluir
é
que nos foi deixadoum grande legado em esculturas, escritas, baixo relevo e pintura nas escava
çõ
esrealizadas em 1840.O povo desta
é
poca atingiu um alto n
í
vel de desenvolvimento na matem
á
tica ,astronomia, medicina e nas ci
ê
ncias.A pintura era subsidi
á
ria da escultura e a decora
çã
o colorida era um poderosoelemento de complementa
çã
o das atitudes religiosas.A pintura tinha aus
ê
ncia das tr
ê
s dimens
õ
es , onde ignoravam a profundidade.Nos baixos relevos, o uso de conchas, mosaicos vitrificados e madrep
é
rolas sesobressaiam nas colunas e muros.Na m
ú
sica encontram-se instrumentos gravados em pedras e do seu sistemamusical nada chegou at
é
n
ó
s.Na decora
çã
o a pedra era esculpida em frisos com motivos circulares e ascombina
çõ
es decorativas obtidas com suas disposi
çõ
es variadas, descendem dos motivosantigos e bizantinos. O gesso entalhado e o estuque, cujo emprego foi amplamenteutilizado na P
é
rsia para revestir as paredes.A madeira era esculpida e com um sistema de marchetaria encontravam-se nsaportas e sarc
ó
fagos.Na cer
â
mica os jarros de bronze eram criados com relevos ora lavrados, orarendilhados com frisos e medalh
õ
es em azuis-lazurita, verdes-turquesa, ouro, cin
á
brios,granadas e rubis.O vidro era esmaltado, moldado e entalhado na cor vermelha e dourado sobrefundo claro.O bronze e o cobre e
à
s vezes o ouro eram muito usados nos utens
í
lios ou parasimples enfeite para portas.Na religi
ã
o os deuses deram destaques
ü
Anou - deus do C
é
u
ü
Enki
– 
deus da Terra
ü
Nin-ur-sag
– 
deus da Montanha
ü
Assur
– 
deus SupremoA rela
çã
o com os deuses era marcada pela total submiss
ã
o
à
s suas vontades.
 X - M
Ú
SICA E DAN
Ç
A
A m
ú
sica na Mesopot
â
mia, principalmente entre os babil
ô
nicos, estava ligada
à
religi
ã
o.Quando os fi
é
is estavam reunidos, cantavam hinos em louvor dos deuses, comacompanhamento de m
ú
sica. Esses hinos come
ç
avam muitas vezes, pelas express
õ
es: "Gl
ó
ria, louvor tal deus; quero cantar os louvores de tal deus", seguindo a enumera
çã
o desuas qualidades, de socorro que dele pode esperar o fiel.

Activity (14)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 hundred reads
1 thousand reads
Valney Vianna liked this
madimadizinha liked this
Cesar Miranda liked this
Anielly Cordeiro liked this
Lorenna Sousa added this note
muito bomm (:
Danieella NxZero liked this
Laura Seligman liked this
Monteiro leite liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->