Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Look up keyword
Like this
1Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Aarão, Daniel - A Ditadura Civil-Militar.pdf

Aarão, Daniel - A Ditadura Civil-Militar.pdf

Ratings: (0)|Views: 21 |Likes:
Published by Edivana Berganton

More info:

Published by: Edivana Berganton on Mar 07, 2013
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

02/14/2014

pdf

text

original

 
1
O Globo, Prosa & Verso - 31.03.2012A ditadura civil-militar. Daniel Aarão Reis, professor de História Contemporânea daUFFTornou-se um lugar comum chamar o regime político existente entre 1964 e 1979 de“ditadura militar”. Trata-se de um exercício de memória, que se mantém graças adiferentes interesses, a hábitos adquiridos e à preguiça intelectual. O problema é queesta memória não contribui para a compreensão da história recente do país e daditadura em particular. É inútil esconder a participação de amplos segmentos da população no golpe que instaurou a ditadura, em 1964. É como tapar o sol com a peneira. As marchas da Família com Deus e pela Liberdade mobilizaram dezenasde milhões de pessoas, de todas as classes sociais, contra o governo João Goulart. A primeira marcha realizou-se em São Paulo, em 19 de março de 1964, reunindo meiomilhão de pessoas. Foi convocada em reação ao Comício pelas Reformas que tevelugar uma semana antes, no Rio de Janeiro, com 350 mil pessoas. Depois houve aMarcha da Vitória, para comemorar o triunfo do golpe, no Rio de Janeiro, em 2 deabril. Estiveram ali, no mínimo, a mesma quantidade de pessoas que em São Paulo.Sucederam-se marchas nas capitais dos estados e em cidades menores. Até setembrode 1964, marchou-se sem descanso. Mesmo descontada a tendência humana a aderir àOrdem, trata-se de um impressionante movimento de massas. Nas marchas desaguaram sentimentos disseminados, entre os quais, e principalmente,o medo, um grande medo. De que as gentes que marcharam tinham medo?Tinham medo das anunciadas reformas, que prometiam acabar com o latifúndio eos capitais estrangeiros, conceder o voto aos analfabetos e aos soldados, proteger osassalariados e os inquilinos, mudar os padrões de ensino e aprendizado, expropriar osistema banrio, estimular a cultura nacional. Se aplicadas, as reformasrevolucionariam o país. Por isto entusiasmavam tanto. Mas também metiam medo.Iriam abalar tradições, questionar hierarquias de saber e de poder. E se o paísmergulhasse no caos, na negação da religião? Viria o comunismo? O Brasil virariauma grande Cuba? O espectro do comunismo. Para muitos, a palavra era associada àmiséria, à destruição da falia e dos valores éticos. É preciso recuperar aatmosfera da época, os tempos da Guerra Fria. De um lado, os EUA e o chamadomundo livre, ocidental e cristão. De outro, a União Soviética e o mundo socialista. Não havia espaço para meios-termos. A luta do Bem contra o Mal. Para muitos, Jangoera o Mal; a ditadura, se fosse o caso, um Bem. No Brasil, estiveram com asMarchas a maioria dos partidos, lideranças empresariais, políticas e religiosas, eentidades da sociedade civil, como a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e aConferência Nacional dos Bispos Brasileiros (CNBB), as direitas. A favor dasreformas, uma parte ponderável de sindicatos de trabalhadores urbanos e rurais,alguns partidos, as esquerdas. Difícil dizer quem tinha a maioria. Mas é impossívelnão ver as multidões civis que apoiaram a instauração da ditadura. A frenteque apoiou o golpe era heterogênea. Muitos que dela tomaram parte queriam apenasuma intervenção rápida, brutal, mas rápida. Lideranças civis como Carlos Lacerda,Magalhães Pinto, Adhemar de Barros, Ulysses Guimarães, Juscelino Kubitschek,entre tantos outros, aceitavam que os militares fizessem o trabalho sujo de prender ecassar. Logo depois se retomaria o jogo politico, excluídas as forças de esquerdaradicais. Não foi isso que aconteceu. Para surpresa de muitos, os milicos vieram
 
2
 para ficar. E ficaram longo tempo. Assumiram um protagonismo inesperado. Houvecinco generais-presidentes. Ditadores. Eleitos indiretamente por congressosameaçados, mas participativos. Os três poderes republicanos eram o Exército, aMarinha e a Aeronáutica. Os militares mandavam e desmandavam. Ocupavam postosno aparelho de segurança, nas empresas estatais e privadas. Choviam as verbas. Ossoldos em alta e toda a sorte de mordomias e créditos. Nunca fora tão fácil “sacrificar-se pela Pátria”. E os civis? O que fizeram? Apenas se encolheram? Reprimidos?A resposta é positiva para os que se opuseram. Também aqui houve diferenças.Mas todos os oposicionistas moderados ou radicais sofreram o peso darepressão. Entretanto, expressivos segmentos apoiaram a ditadura. Houve, é claro,ziguezagues, metamorfoses, ambivalências. Gente que apoiou do início ao fim.Outros aplaudiram a vitória e depois migraram para as oposições. Houve os quevaiaram ou aplaudiram, segundo as circunstâncias. A favor e contra. Sem falar nosque não eram contra nem a favor muito pelo contrário. Na história da ditadura,como sempre, a coisa o foi linear, sucedendo-se conjunturas mais e menosfavoráveis. Houve um momento de apoio forte — entre 1969 e 1974. Paradoxalmente,os chamados anos de chumbo. Porque foram também, e ao mesmo tempo, anos deouro para não poucos. O Brasil festejou então a conquista do tricampeonato mundial,em 1970, e os 150 anos de Independência. Quem se importava que as comemoraçõesfossem regidas pela ditadura? É elucidativa a trajetória da Aliança Renovadora Nacional a Arena, partido criado em 1965 para apoiar o regime. As liderançascivis aí presentes atestam a articulação dos civis no apoio à ditadura. Era “o maior  partido do Ocidente”, um grande partido. Enquanto existiu, ganhou quase todas aseleições. Também seria interessante pesquisar as grandes empresas estatais e privadas, os ministérios, as comissões e os conselhos de assessoramento, os cursos de pós-graduação, as universidades, as academias científicas e literárias, os meios decomunicação, a diplomacia, os tribunais. Estiveram ali, colaborando, eminentes personalidades, homens de Bem, alguns seriam mesmo tentados a dizer que estavamacima do Bem e do Mal. Sem falar no mais triste: enquanto a tortura comia soltanas cadeias, como produto de uma política de Estado, o general dici eraovacionado nos estádios. Na segunda metade dos anos 1970, cresceu omovimento pela restauração do regime democrático. Em 1979, os Atos Institucionaisforam, afinal, revogados. Deu-se início a um processo de transição democrática, quedurou até 1988, quando uma nova Constituição foi aprovada por representanteseleitos. Entre 1979 e 1988, ainda não havia uma democracia constituída, mas já nãoexistia uma ditadura. Entretanto, a obsessão em caracterizar a ditadura comoapenas militar levou, e leva até hoje, a marcar o ano de 1985 como o do fim daditadura, porque ali se encerrou o mandato do último general-presidente. A ironia éque ele foi sucedido por um politico — José Sarney — que desde o início apoiou oregime, tornando-se ao longo do tempo um de seus principais dirigentes…civis.Estender a ditadura até 1985 não seria uma incongruência? O adjetivo “militar” orequer. Ora, desde 1979 o estado de exceção, que existe enquanto os governantes podem editar ou revogar as leis pelo exercício arbitrário de sua vontade, estavaencerrado. E não foi preciso esperar 1985 para que não mais existissem presos políticos. Por outro lado, o Poder Judiciário recuperara a autonomia. Desde o iníciodos anos 1980, passou a haver pluralismo politico-partidário e sindical. Liberdade deexpressão e de imprensa. Grandes movimentos puderam ocorrer livremente, como aCampanha das Diretas Já, mobilizando milhões de pessoas entre 1983-1984. Comosustentar que tudo isto acontecia no contexto de uma ditadura? Um equívoco?Não, não se trata de esclarecer um equívoco. Mas de desvendar uma interessada

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->