Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
3Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
ESPAÇO EUROPEU E MODELO TERRITORIAL DE ESPANHA [DPP - 2000]

ESPAÇO EUROPEU E MODELO TERRITORIAL DE ESPANHA [DPP - 2000]

Ratings: (0)|Views: 18 |Likes:
Published by Rui M. C. Pimenta

More info:

Published by: Rui M. C. Pimenta on Apr 10, 2013
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/20/2013

pdf

text

original

 
Prospectiva e Planeamento, 6-2000
ESPAÇO EUROPEU E MODELO TERRITORIAL DE ESPANHAJoão Eduardo Coutinho Duarte
Departamento de Prospectiva e Planeamento
INTRODUÇÃO
O presente texto procura abordar, como questões centrais, as ligações por modos detransporte, da Espanha
,
como parte integrante da Península Ibérica, à restante Europa e aestratégia que vem adoptando na relativa, mas também absoluta valorização internacionaldo respectivo território, tendo como referência o actual centro de gravidade europeu e oseu perfeitamente perceptível alargamento para Sul, em direcção ao Mediterrâneo.Decorrente desta “descida”, também imposta pelos rendimentos decrescentes à escalaque se vêm verificando, nomeadamente nas infra-estruturas, as áreas europeiasconfinantes à bacia mediterrânea virão a partilhar protagonismo económico, científico,técnico e até cultural com as zonas banhadas pelo Mar do Norte. Partilha que não resultarána criação, dentro da “Banana Europeia”, de esferas com interesses antagónicos, masantes convergentes, porquanto configura uma necessidade objectiva dos centros dedecisão do processo de comércio livre e da decorrente globalização
 
económica.Nesse sentido, os dados e informação sucinta referente aos novos desenvolvimentos dapolítica económica e da actividade produtiva de Espanha, são instrumentos recorrentes, namedida em que constituem, no seu conjunto, as
traves-mestras
e plasma de toda aestratégia da hierarquização dos modos de transporte, dos itinerários modais e inter-modais que as autoridades espanholas desenharam e vão construindo no terreno.Desenho que o país tem conseguido fazer identificar como de interesse comum, namoderna hierarquia geográfica dos territórios da UE e das Redes Transeuropeias,emanentes das novas e acrescidas exigências colocadas no espaço europeu.Procedendo de anterior estudo, “
Portugal 2010-Posição no Espaço Europeu
”, onde aarquitectura da estruturação do território espanhol foi claramente explanada, pretende-seagora, com estas notas, dar alguns contributos à actualização dos dados então apurados,que têm vindo a sofrer ajustamentos ao longo de 4 anos, com os inevitáveis reflexos na
 
João Eduardo Coutinho Duarte
46
parte Ocidental da Península, isto é: em Portugal, e susceptíveis de desenvolvimentosposteriores.Assim, aos Corredores e Eixos estruturantes do território, descritos no documentosupracitado, pretende-se agora acrescentar algum detalhe, dentro das novas realidadesinteriorizadas pelas autoridades espanholas e que hoje se projectam no horizonte de umaUE alargada a Leste.A tónica é, portanto, colocada na identificação da quota territorial e qualitativa que cabe ecaberá a cada modo de transporte nos
Corredores
e
Eixos
identificados.Nesta linha metodológica, e dentro das infra-estruturas de transporte, as questões deordem portuária, aeroportuária, de intermodalidade e de logística, correspondem, a par dasrenovações ferroviária e rodoviária, fundamentalmente na perspectiva das mercadorias, auma grande linha de força do período
post
Adesão de Espanha à Comunidade EconómicaEuropeia e do caminho, longo sem dúvida, da convergência real dentro da União Europeia,e não apenas na lógica de acessibilidades no espaço interior, mas numa perspectivaintegrada e articulada com as acessibilidades “além-Pirinéus” e a Ocidente.Uma última referência à “permanência” dos horizontes para os quais as autoridades deEspanha vão reestruturando o território.A “base de dados” onde assenta a “oferta” das infra-estruturas é hoje, mais que nunca,extremamente mutável. As sucessivas fusões, aquisições e deslocalizações de empresaspodem, neste momento, ou a muito curto prazo, não corresponder já à caracterização dotecido produtivo espanhol, que se descreve no texto, obrigando por consequência a novosajustamentos da construção da oferta em curso, ou em última análise, a remetê-la parauma inexorável obsolescência.No entanto, perfila-se com nitidez que as entidades responsáveis permanecem atentas apossíveis evoluções da procura, na qual procuram encontrar, com ou sem parcerias,quotas de intervenção, que lhes permitam potenciar as vantagens competitivas que, semsombra de dúvida, o espaço territorial encerra em termos de localização geográfica.
I. ESPANHA – PARA UMA “ZONAGEM” DO TERRITÓRIO
1
A Espanha está política e administrativamente dividida em 17 Comunidades Autónomas asquais integram 50 províncias. (
Mapa 1
).
1. O ESPAÇO POPULACIONAL
A população activa ultrapassava 16 milhões de pessoas (dados de 30 de Junho de 1997),para uma população total de 39,6 milhões e uma densidade populacional média de77,2 hab/km2 (
Mapa 2
), largamente concentrada nas zonas litorais, com excepção da
 
Espaço Europeu e Modelo Territorial de Espanha
47
totalidade da Catalunha, onde a cidade de Barcelona se assume como grande urbe, aregião envolvente de Bilbau e a região madrilena
2
(totalmente interior). Este valor é,todavia, largamente inferior ao da maior parte dos países da Comunidade, nomeadamenteao de Portugal (107 hab/km2).Relativamente à qualificação profissional desta população, alavanca mestra dos ganhos deprodutividade e de penetração na “gama” alta da competitividade no campo daglobalização económica, o esforço tem sido, quase que se poderia dizer, gigantesco. De1975 a 1996 o ensino primário cobre já 100% do grupo etário correspondente. Nosecundário e superior os níveis de frequência subiram de modo significativo tendo, nosuperior, duplicado entre 1985/86 e 1997/98, atingindo já 1,7 milhões de estudantes que,todavia, não são absorvidos pelo mercado de trabalho em percentagens tranquilizadorasquanto ao futuro. Razões são várias: desde o desequilíbrio nas áreas de formaçãoescolhidas, com um peso descomunal no Direito, à pouca apetência do tecido empresarialespanhol em adoptar investigação própria, em vez de a importar.Quanto à faixa etária entre os 25 e 64 anos, apenas 10% possui diploma de estudossuperiores, manifestamente aquém das médias da maioria dos Estados-membros a Lestedos Pirinéus.
MAPA 1
ESPANHA – DIVISÃO POLÍTICO-ADMINISTRATIVA
Fonte: Adaptado de Tamames
0Km75Km150KmEscala
GALICIAESTREMADURA ANDALUZIAMADRIDCATALUNHAPAÍS VALENCIANOMURCIACASTELA E LA MANCHA ASTURIASCANTABRIALA RIOJANAVARRA ARAGÃOCASTELA-LEÃOPAÍS BASCO

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->