Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Look up keyword
Like this
20Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Controle quimico - herbicida / Prof. Danilo Cesar

Controle quimico - herbicida / Prof. Danilo Cesar

Ratings:

5.0

(1)
|Views: 3,464|Likes:
Disciplina Controle de Plantas Daninhas, Prof.Danilo Cesar
Agronomia 9ºPer. FAMA
Disciplina Controle de Plantas Daninhas, Prof.Danilo Cesar
Agronomia 9ºPer. FAMA

More info:

Categories:Types, School Work
Published by: Danilo Cesar de Oliveira Bastos on Mar 26, 2009
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/21/2013

pdf

text

original

 
Capítulo 6 - INTRODUÇÃO AO CONTROLE QUÍMICORubem Silvério de Oliveira Jr.
1
 Resumo: Neste capítulo conceitos básicos relacionados ao controle químico de plantasdaninhas são abordados. Entre eles, a importância econômica, benefícios e limitaçõesoriundas do uso de herbicidas, bem como as diferentes classificações a que estes produtosestão sujeitos são discutidas. Discute-se classificações relacionadas à translocação,seletividade, época de aplicação, estrutura química e mecanismo de ação.
1
Professor Adjunto, Departamento de Agronomia, Universidade Estadual de Maringá.
 
 1
Introdução ao controle químico
Os herbicidas são substâncias químicas capazes de selecionar populações deplantas. O termo “seleção” se refere à atuação desses produtos, provocando a morte decertas plantas e de outras não. De acordo com Zimdhal (1993), a etmologia da palavravem do latim
 Herba
(planta) e
caedere
(matar).Em muitos aspectos, a história da Ciência das Plantas Daninhas confunde-se coma história do controle das plantas daninhas. Após a fase histórica em que o controle erafeito manualmente ou com auxílio de ferramentas, surgem, no início do século XX, osprimeiros relatos da utilização de substâncias químicas para o manejo de plantasdaninhas. Por volta de 1908, pesquisadores como Bolley (North Dakota, EUA), Bonnet(França) e Schulz (Alemanha) usaram sais de cobre e depois ácido sulfúrico para ocontrole de plantas daninhas em cereais (Zimdhal, 1993).O primeiro marco do controle químico moderno ocorreu, no entanto, em 1941,com a síntese do ácido 2,4-diclorofenoxiacético, o 2,4-D (Pokorny, 1941). Durante asegunda guerra mundial foram descobertas as propriedades dos derivados dos ácidosfenoxiacéticos sobre o crescimento de plantas. Apenas após o fim da guerra foi feito oanúncio público da ação do 2,4-D como herbicida que causava morte diferenciada deplantas (Hammer & Tukey, 1944; Marth & Mitchell, 1944). Posteriormente, foi descritoo primeiro herbicida (monuron) que não era derivado dos ácidos fenóxicos (Bucha &Todd, 1951). Iniciava-se, então, nas décadas de 50 e 60, as práticas modernas de baixasdoses de herbicidas orgânicos sintéticos para o controle seletivo de plantas daninhas.O surgimento, nos Estados Unidos, da primeira sociedade científica (WeedScience Society of America, em 1956) consolidou o estudo das Plantas Daninhas comociência, repercutindo na criação de outros grupos de estudo em diferentes países domundo. No Brasil, em 1963 é criada a Sociedade Brasileira de Herbicidas e ErvasDaninhas (SBHED), atual Sociedade Brasileira da Ciência das Plantas Daninhas(SBCPD).
Importância econômica
O mercado de negócios de pesticidas no Brasil tem evoluído rapidamente, tantopela agregação de novas áreas produtivas, como os cerrados, quanto pelo aumento detecnificação e pela menor dependência de mão-de-obra. Nos últimos 35 anos, o volumede negócios com herbicidas passou de US$ 400 mil em 1964 para US$ 1,37 bilhões em1998 (Figura 1).Apenas no período de 1994 a 1998, houve um aumento de 82,8% do volume denegócios no mercado de pesticidas. Neste mesmo período, as vendas de herbicidaspassaram de 775,762 milhões para 1,368,723 bilhões (+76,43%), o que representa,atualmente, mais da metade do total volume de negócios do setor (Tabela 1). Apenas 4culturas (soja, cana-de-açúcar, milho e arroz) concentram mais de 80% dos negócios comherbicidas (Figura 2).
 
 2 
02004006008001000120014001600195819631968197319781983198819931998
   M   i   l   h   õ  e  s   d  e   d   ó   l  a  r  e  s
 
Figura 1. Evolução do mercado de herbicidas no Brasil. Fonte: Durigan (1990) eSINDAG (1999).Tabela 1. Mercado de agroquímicos no Brasil em 1998 (US$ 1,000.00). Fonte: SINDAG(1999).Valor (US$1,000)Classe 1996 1997
Δ
 96/971998
Δ
 97/98Herbicidas 1,005,112 1,214,818+20,86 1,368,723 +12,67Fungicidas 276,331 356,304+28,94 436,235 +22,43Inseticidas 375,548 464,796+23,76 589,458 +26,82Acaricidas 92,237 86,714- 5,99 97,854 +12,85Outros* 43,443 58,159+33,87 65,579 +12,76
Total 1,712,671 2,180,791+27,33 2,557,849 +17,29
* Antibrotantes, reguladores de crescimento, óleo mineral e espalhantes adesivos.

Activity (20)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 hundred reads
1 thousand reads
registro38 liked this
Ozias Reis liked this
Ozias Reis liked this
Daniele Nogueira liked this
Luciana Brito liked this
Gabriel Arantes liked this

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->