Welcome to Scribd. Sign in or start your free trial to enjoy unlimited e-books, audiobooks & documents.Find out more
Download
Standard view
Full view
of .
Look up keyword
Like this
2Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
O GRANDE CISMA

O GRANDE CISMA

Ratings:
(0)
|Views: 187|Likes:
Published by Divinismo
Um clarão nefasto iluminou, então, num átimo de tempo, o cérebro do filho de Constâncio Cloro: simularia uma conversão; desse modo, estaria perfeitamente garantido o plano que concebera para manter a hegemonia do Estado e solapar os alicerces da novel religião, em proveito das instituições romanas. Desse conchavo, resultou o édito de Milão e a convocação, pelo poder temporal, do famoso primeiro Concílio de Nicéia (ano 325). Constantino fez da Igreja uma instituição prepotente, autoritária, absoluta, porém sempre um instrumento dócil aos interesses políticos do Estado, ainda que, para isso, fosse necessário derramar, como derramou, o sangue generoso de tantos mártires.
Assim entronizada pelo braço forte do poder estatal, iniciou a Igreja a sua jornada fatídica, pontilhando as páginas da História de crimes horripilantes e lançando sobre os povos uma imensa cortina de trevas.
Um clarão nefasto iluminou, então, num átimo de tempo, o cérebro do filho de Constâncio Cloro: simularia uma conversão; desse modo, estaria perfeitamente garantido o plano que concebera para manter a hegemonia do Estado e solapar os alicerces da novel religião, em proveito das instituições romanas. Desse conchavo, resultou o édito de Milão e a convocação, pelo poder temporal, do famoso primeiro Concílio de Nicéia (ano 325). Constantino fez da Igreja uma instituição prepotente, autoritária, absoluta, porém sempre um instrumento dócil aos interesses políticos do Estado, ainda que, para isso, fosse necessário derramar, como derramou, o sangue generoso de tantos mártires.
Assim entronizada pelo braço forte do poder estatal, iniciou a Igreja a sua jornada fatídica, pontilhando as páginas da História de crimes horripilantes e lançando sobre os povos uma imensa cortina de trevas.

More info:

Published by: Divinismo on Mar 26, 2009
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

09/30/2012

pdf

text

original

 
OSVALDO POLIDORO
O GRANDE CISMA
 
DEUS
Eu Sou a Essência Absoluta, Sou Arquinatural,Onisciente e Onipresente, Sou a Mente UniversalSou a Causa Originária, Sou o Pai Onipotente,Sou Distinto e Sou o Todo, Eu Sou Ambivalente.Estou Fora e Dentro, Estou em Cima e em Baixo,Eu Sou o Todo e a Parte, Eu é que a tudo enfaixo,Sendo a Divina Essência, Me Revelo também Criação,E Respiro na Minha Obra, sendo o Todo e a Fração.Estou em vossas profundezas, sempre a vos Manter,Pois Sou a vossa Existência, a vossa Razão de Ser,E Falo no vosso íntimo, e também no vosso exterior,Estou no cérebro e no coração, porque Sou o Senhor.Vinde pois a Meu Templo, retornai portanto a Mim,Estou em vós e no Infinito, Sou Princípio e Sou Fim,De Minha Mente sois filhos, vós sereis sempre deuses,E, marchando para a Verdade, ruireis as vossas cruzes.Não vos entregueis a mistérios, enigmas e rituais,Eu quero Verdade e Virtude, nada de “ismos” que tais,Que de Mim partem as Leis, e, quando nelas crescerdes,Em Meus Fatos crescereis, para Minhas Glórias terdes.Eu não Venho e não Vou, Eu sou o Eterno e o Presente,Sempre Fui e Serei, em vós, a Essência Divina Patente,A vossa presença é em Mim, e Quero-a plena e crescida,Acima de simulacros, glorificando em Mim a Eterna Vida.Abandonando os atrasados e mórbidos encaminhamentos,Que lembram tempos idólatras e paganismos poeirentos,Buscai a Mim no Templo Interior, em Virtude e Verdade,E unidos a Mim tereis, em Mim, a Glória e a Liberdade.Sempre Fui, Sou e Serei em vós a Fonte de Clemência,Aguardando a vossa Santidade, na Integral Consciência,Pois não quero formas e babugens, mas filhos conscientes,Filhos colaboradores Meus, pela União de Nossas Mentes.
2
 
RASGANDO O VÉU
A primeira perseguição em massa, oficialmente levada a efeito contra os cristãos novos – relata-nos a história – teve lugar no reinado do truculento Nero (ano 64 D.C.). Acusado o imperador  pelo povo de haver ateado fogo à cidade de Roma para se inspirar, pois fora visto, na ocasião, delira em punho, a entoar um hino sobre o incêndio de Tróia, lançou toda a culpa desse crime contraos seguidores do Nazireu. Daí o motivo para que o poviléu, açulado como a hiena bravia, exigisse otrucidamento sumário e impiedoso desses mártires, ora nas arenas à sanha dos leões, ora untadoscom pez para servirem de archotes vivos, em dias de festa, nos jardins do famigerado César.Foi esse, realmente o primeiro golpe assestado contra o verdadeiro cristianismo, nas pessoasdos seus ardorosos e sinceros sectários. Todavia, foi Décio, dos imperadores romanos (anos 249 a251 D.C.), o primeiro a empreender uma perseguição sistemática e oficializada contra os neófitosda doutrina cristã. Iniciada nesse reinado, ela se desdobrou até atingir o seu clímax no governo deDiocleciano (anos 303 a 311 D.C.). Caracterizada pela sua violência sanguinária, foi, entretanto, omarco inicial de uma completa transformação tática e política, no reinado do imperador sárdico,transformação essa visando à nova seita. Como os métodos violentos aplicados contra essas vítimasinermes não surtiram o efeito desejado, havia, portanto, mais que nunca, necessidade de mudançadessa atitude drástica por outra mais inteligente e eficaz, uma vez que logo nos dois primeirosséculos de vida o cristianismo havia aumentado consideravelmente o seu raio de influência; noterceiro, avassalara todo o Império Romano e no princípio do quarto século estendeu-se também pelo Oriente. O sangue dos mártires era, assim, como que a essência generosa e providencial, queconferia à doutrina a consistência vigorosa e tenaz do cacto bravio, a desafiar a aspereza do chão piçarrento. No dizer de diversos historiadores, Constantino era um homem relativamente iletrado, porém, sagaz, de uma acuidade espiritual inimitada; percebeu ele, desde logo, a inutilidade daqueles processos de perseguição calculada e fria movida contra os nazireus, como eram então chamados.Por outro lado, ante seus olhos processava-se rapidamente o desmoronamento do Império, pela faltade unidade, coesão e moral. A sociedade romana deixava-se empolgar e corromper-se ante as pompas e a ociosidade do viver oriental. De promiscuidade com os elementos bárbaros da invasão,os súditos não obedeciam mais ao governo central. Os desregramentos morais, as incontinências, alascívia e outros vícios que prognosticam sempre a deterioração social, roíam surdamente o pedestaldas instituições romanas, anunciando o fim próximo dessa civilização decrépita e doentia.Tudo isso passou como um relâmpago pelo cérebro de Constantino. Urgia, pois, uma providência eficaz para evitar a catástrofe iminente. No seu leito de morte, corroído pelas úlceras, Galério, aquele mesmo potentado que antesarrancara das mãos de Diocleciano o famoso édito de perseguição aos cristãos, entregava aos seusexecutores outra ordem, mas esta, de complacência à nova doutrina. Remorso ou não, quiçá – quemsabe? – os mesmos fundamentos que despertaram os cuidados e a preocupação de Constantino, otetrarca moribundo via no seu último gesto o passo fundamental dado no sentido da solução de umgrande e importantíssimo problema. Eis o édito:
 Entre os importantes cuidados que ocuparam o nosso esrito em prol do bem e preservação do império, foi nossa intenção corrigir e restabelecer todas as coisas de acordo comas antigas leis e disciplina pública dos romanos. Fomos particularmente insistentes em chamar aocaminho da razão e da natureza os iludidos cristãos que, tendo renunciado à religião e cerimônias
3

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->