Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more ➡
Download
Standard view
Full view
of .
Add note
Save to My Library
Sync to mobile
Look up keyword
Like this
1Activity
×
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Aula 01 DIREITO CIVIL: CURSO DE EXERCIÍCIOS COMENTADOS PARA AFRFBPROFESSOR LAURO ESCOBAR

Aula 01 DIREITO CIVIL: CURSO DE EXERCIÍCIOS COMENTADOS PARA AFRFBPROFESSOR LAURO ESCOBAR

Ratings: (0)|Views: 149|Likes:
Published by weshoffman
DIREITO CIVIL: CURSO DE EXERCIÍCIOS COMENTADOS PARA AFRFBPROFESSOR LAURO ESCOBAR
DIREITO CIVIL: CURSO DE EXERCIÍCIOS COMENTADOS PARA AFRFBPROFESSOR LAURO ESCOBAR

More info:

categoriesTypes, Reviews
Published by: weshoffman on May 04, 2013
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See More
See less

12/03/2013

pdf

text

original

 
DIREITO CIVIL: CURSO DE EXERCÍCIOS COMENTADOS PARA AFRFBPROFESSOR LAURO ESCOBAR 
Prof. Lauro Escobar www.pontodosconcursos.com.br 
1
AULA 01
DAS PESSOAS NATURAI
 
Itens específicos previstos nos últimos editais e que serão abordadosnesta aula:Pessoa Natural
: conceito, capacidade e incapacidade, começo e fim,direitos da personalidade.
Subitens:Pessoa Natural.
Conceito. Personalidade: Início, Individualização eTérmino. Nascituro. Domicílio Civil. Residência. Direitos da Personalidade.Capacidade: classificação. Incapacidade. Emancipação. Registro e Averbação.
Meus amigos e alunos
Após a análise da Lei de Introdução às Normas do Direito, vamosanalisar nesta aula o tema “
Pessoas
”, que é o primeiro ponto referente ao
Código Civil
, propriamente dito (Parte Geral).Primeiro vamos ao nosso conteúdo esquemático que seria um
resumoteórico
da matéria da aula. A seguir daremos os exercícios, como proposto.
CONTEÚDO ESQUEMÁTICO DA AULA
Dispositivos do Código Civil referentes a esta aula:
arts. 1° ao 78.
PESSOAS NATURAIS (FÍSICAS)
CONCEITO
 
 ⎯ 
é todo ser humano considerado como sujeito de obrigações e direitos,sem qualquer distinção. Toda pessoa é capaz de direitos e deveres na ordem civil (art.1
o
do CC). Compõe: a Personalidade, a Capacidade e a Emancipação.
I. PERSONALIDADE
 
 ⎯ 
conjunto de caracteres próprios da pessoa, reconhecida pelaordem jurídica a alguém, sendo a aptidão para adquirir direitos e contrair obrigações.Os Direitos de Personalidade estão previstos nos arts. 11 a 21 do CC. Lembrando queestes dispositivos não exaurem a matéria; são meramente exemplificativos. Comexceção dos casos previstos expressamente na lei eles são: intransmissíveis eirrenunciáveis, não podendo o seu exercício sofrer limitação voluntária.
A) Início da Personalidade
 
 ⎯ 
nascimento com vida; mas a lei põe a salvo,desde a concepção, os direitos do nascituro (o que está por nascer) – art. 2
o
doCC. Cuidado com a expressão natimorto. Ela não é considerada técnica. Ovocábulo possui um duplo sentido: aquele que nasceu sem vida
OU
aquele queveio à luz, com sinais de vida, mas, logo morreu.
B) Individualização
(atributos da personalidade)
 
DIREITO CIVIL: CURSO DE EXERCÍCIOS COMENTADOS PARA AFRFBPROFESSOR LAURO ESCOBAR 
Prof. Lauro Escobar www.pontodosconcursos.com.br 
2
1.
 
Nome
– é o sinal exterior pelo qual se designa e se reconhece umapessoa perante a sociedade (arts. 16 a 19 do CC). Características:inalienável, imprescritível e personalíssimo. Elementos: prenome,patronímico (sobrenome) e agnome (Júnior, Neto, etc.). A lei protegede forma expressa o pseudônimo. Em princípio o nome é imutável,mas a lei permite inúmeras exceções (ex: situações vexatórias, errográfico, homônimo, casamento, etc.).2.
 
Estado
– soma das qualificações de uma pessoa na sociedade. Estadoindividual (idade, sexo, saúde mental e física, altura, peso, etc.);Estado político (brasileiro nato, naturalizado, estrangeiro, etc.); Estadofamiliar: quanto ao matrimônio (solteiro, casado, viúvo, etc.), quantoao parentesco (pai, mãe, filho, avô irmão, etc.).3.
 
Domicílio
(arts. 70 a 78 do CC) –
Regra básica
= lugar onde seestabelece a residência com ânimo definitivo (art. 70, CC). É domicíliotambém, quanto às relações concernentes à profissão, onde esta éexercida (art. 72, CC).
Elementos
: a) objetivo (estabelecimentofísico); b) subjetivo (intenção de ali permanecer).
Outras regras
: a)pluralidade domiciliar: pessoa com diversas residências ondealternadamente viva
domicílio será qualquer delas (art. 71, CC); b)pessoa sem residência habitual
domicílio será o local onde forencontrada (art. 73, CC).
Domicílio Legal ou Necessário
: incapaz(absoluta ou relativamente), servidor público, militar, preso e marítimo(art. 76, CC).
Domicílio voluntário especial:
a) domicílio contratual(art. 78, CC) que é o local especificado no contrato para ocumprimento das obrigações dele resultantes; b) domicílio (ou foro) deeleição ou cláusula de eleição de foro (previsto no art. 111 do Códigode Processo Civil), que é o escolhido pelas partes para a propositura deações relativas às obrigações. Jurisprudência
não se admite o forode eleição nos contratos por adesão quando dificultar os direitos doaderente em comparecer em juízo; considera-se como sendo umacláusula abusiva e, por isso, nula.
C) Fim da Personalidade
1.
 
Morte Real
com corpo (certidão de óbito)
ou
sem corpo (justificação judicial – art. 88 da Lei de Registros Públicos – 6.015/73).2.
 
Morte Civil
– não existe mais. Deixou resquícios no Direito dasSucessões. Ex: indignidade (art. 1.816, CC)3.
 
Morte Presumida
: efeitos patrimoniais e alguns pessoais. Depende deum demorado processo judicial, passando por três fases (arts. 22 a 39,CC):
a) Ausência
(ou curadoria do ausente) – 01 ou 03 anos,dependendo da hipótese (art. 26, CC), arrecadando-se os bens queserão administrados por um curador;
b)
 
Sucessão Provisória
éfeita a partilha de forma provisória, aguarda-se 10 anos o retorno doausente;
c) Sucessão Definitiva
– na abertura já se concede apropriedade plena dos bens e se declara a morte (presumida) doausente. Seu cônjuge é reputado viúvo. Aguardam-se mais dez anos;
d) Fim
– após o decurso deste prazo, encerra-se o processo e oausente, se retornar, não terá direito a nada.4.
 
Efeitos da Morte
: dissolução do vínculo conjugal e do regimematrimonial; extinção do poder familiar; extinção da obrigação de
 
DIREITO CIVIL: CURSO DE EXERCÍCIOS COMENTADOS PARA AFRFBPROFESSOR LAURO ESCOBAR 
Prof. Lauro Escobar www.pontodosconcursos.com.br 
3
prestar alimentos com o falecimento do credor; extinção dos contratospersonalíssimos, etc. Por outro lado a vontade do
de cujus
(falecido)pode sobreviver por meio de um testamento. Além disso, ao cadáver édevido respeito; os militares e os servidores públicos de uma formageral podem ser promovidos
 post mortem
; permanece o direito àimagem, à honra, aos direitos autorais, etc.
D) Comoriência
– presunção relativa (
 juris tantum
– admite prova emcontrário) de morte simultânea de duas ou mais pessoas, sempre que não sepuder averiguar quem faleceu em primeiro lugar – art. 8º CC. Aplica-se oinstituto sempre que houver uma relação de sucessão hereditária. Aconsequência prática é que se os comorientes forem herdeiros uns dos outros,não haverá transferência de direitos entre eles; um não sucederá o outro.
II.
 
CAPACIDADE
aptidão da pessoa para exercer direitos e assumir obrigações, ouseja, de atuar sozinha perante o complexo das relações jurídicas. Espécies:Capacidade de Direito e de Fato. Quem tem as duas espécies de capacidade tem acapacidade plena.
Incapacidade
é a restrição legal ao exercício dos atos da vidacivil.
A) Capacidade de Direito
(ou gozo)
 ⎯ 
própria de todo ser humano; quem tempersonalidade (está vivo) possui capacidade de direito.
B) Capacidade de Fato
 
 ⎯ 
trata-se da possibilidade de
exercício
dos direitos.Subdivide-se em:
1. Absolutamente Incapazes (art. 3º, CC)a)
menores de 16 anos.
b)
enfermidade ou deficiência mental sem discernimento.
c)
mesmo por causa transitória, não puderem exprimir a vontade.
2. Relativamente Incapazes (art. 4º, CC)a)
maiores de 16 e menores de 18 anos.
b)
ébrios habituais, viciados em tóxico e os que por deficiência mentaltenham discernimento reduzido.
c)
excepcionais, sem desenvolvimento completo.
d)
pródigos (os que dissipam seus bens).
Obs
. Os absolutamente incapazes serão
representados
e os relativamenteserão
assistidos
por seus representantes legais (pais, tutores ou curadores).
Índios
são regulados por legislação especial (Lei n° 6.001/73 – Estatuto doÍndio).
3. Capacidade Plena
 
 ⎯ 
pessoas maiores de 18 anos
ou
emancipadas.
III.
 
EMANCIPAÇÃO
 ⎯ 
é a aquisição da capacidade plena antes dos 18 anos,habilitando o indivíduo para todos os atos da vida civil. Definitiva e Irrevogável – Art.5
o
, parágrafo único, CC:1)
 
concessão dos pais (na falta de um deles, apenas a do outro), porinstrumento público, independentemente de homologação judicial – 16 anos.2)
 
sentença do Juiz (ouvido o tutor, nos casos em que não há poder familiar) –16 anos.3)
 
casamento – idade núbil (homens e mulheres)
16 anos.

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->