Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Look up keyword
Like this
0Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
03462_09_Decisao_msena_AC1-TC.pdf

03462_09_Decisao_msena_AC1-TC.pdf

Ratings: (0)|Views: 0|Likes:

More info:

Published by: Tribunal de Contas do Estado da Paraíba on May 16, 2013
Copyright:Public Domain

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/18/2013

pdf

text

original

 
 
TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO
1ª CÂMARA
Processo TC nº 
03.462/09
 
Objeto: AposentadoriaInteressado(a): Walter Dionísio da Silva
 
Órgão: Paraíba Previdência
 Gestor Responsável: Hélio Carneiro Fernandes - PresidenteProcurador/Patrono: Não
Aposentadoria Voluntária, com proventos proporcionais.Preenchidos os requisitos constitucionais, legais enormativos. Julgam-se legal o ato concessivo e correto oscálculos dos proventos elaborados pelo órgão de origem.
ACÓRDÃO AC1 – TC – 1.067/2013
Vistos, relatados e discutidos
os presentes autos do Processo TC nº 03.462/09,referente à Aposentadoria Voluntária, com proventos proporcionais, do Sr. Walter Dionísio da Silva,Matrícula nº 72.917-5, Administrador, lotado na Secretaria de Estado da Administração, acordam osConselheiros integrantes da
1ª 
 
CÂMARA DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DA PARAÍBA
, à unanimidade, em sessão realizada nesta data, na conformidade do relatório e do voto doRelator, partes integrantes do presente ato formalizador, em CONCEDER REGISTRO ao referido atoaposentatório, tendo presentes sua legalidade, o tempo de serviço comprovado e os cálculos dosproventos efetuados pelo órgão de origem.Presente ao Julgamento a Representante do Ministério Público.
TC – Sala das Sessões da 1ª Câmara - Plenário Cons. Adailton Coelho Costa.
João Pessoa (PB), 09 de maio de 2013.
Cons. FERNANDO RODRIGUES CATÃO Cons. Subst. ANTÔNIO GOMES VIEIRA FILHO
NO EXERCÍCIO DA PRESIDÊNCIA RELATOR 
Fui presente :
REPRESENTANTE DO MINISTÉRIO PÚBLICO
 
 
TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO
PROCESSO TC 03.462/09RELATÓRIO
Examina-se no presente processo a legalidade do ato do Presidente da PBPREV
 
concedendo
Aposentadoria Voluntária, com proventos proporcionais, do Sr. Walter Dionísio daSilva, Matrícula nº 72.917-5, Administrador, lotado na Secretaria de Estado da Administração
.
Do exame da documentação pertinente, a Unidade Técnica verificou que os cálculosapresentados não se encontram da forma devida tendo em vista que o servidor não faz jus a Grat. Art.197 XV da LC nº 39/85, tendo em vista que o servidor não dispunha do requisito lapso temporal em31/12/2003 para incorporar a seus proventos, a referida parcela. Considerando a contagem de seutempo de serviço, que retroage a 31/12/2003, o servidor não dispõe de 06 (seis) anos percebendo areferida vantagem, pois apenas percebeu pelo período de março de 1999 a dezembro de 2003,conforme ficha financeira, constante, às fls. 21/25.Devidamente notificado, o atual Presidente da PBPREV
apresentou justificativa na qual alegaque em virtude dos gravames causados ao aposentando com uma redução em seus proventos, bem comopor não haver ainda um posicionamento final desta Corte de Contas, resolve aguardar por uma decisão finalantes de efetuar as alterações sugeridas por este Órgão Técnico
.No caso em epígrafe, não há discussão quanto à concessão da aposentadoria enquadrada noart. 40, § 1º, inciso III, alínea b, da Constituição Federal, ao Sr. Valter Dionísio da Silva, visto que omesmo possui todos os requisitos necessários para adquirir o benefício. Todavia, o Órgão Instrutóriodesta Colenda Corte vislumbrou irregularidade no cálculo dos proventos do servidor.A partir de uma análise detida aos autos, este
Parquet 
verifica que, de fato, o entendimento daAuditoria corresponde a uma interpretação literal do artigo. Entretanto, não obstante esse juízo estejaamparado em dispositivo legal, considera-se indevida a redução salarial.A priori, vê-se que as gratificações mencionadas pelo Corpo Técnico sofreram incidência decontribuição previdenciária, conforme atesta o contracheque de fl. 95. Assim, devem ser incorporadasao patrimônio jurídico do inativo. Emerge da
ratio decidendi
do aresto do Excelso Pretório que, se hádedução previdenciária sobre vantagens auferidas pelo servidor público, tais parcelas devem serincorporadas quando da inatividade.Concernente aos seis anos necessários para auferir a vantagem na aposentadoria, é precisouma apreciação universal acerca do caso em apreço, sobretudo à luz dos princípios norteadores doordenamento jurídico brasileiro da
segurança jurídica e dignidade da pessoa humana, bem comocom vistas ao caráter alimentar dos proventos e boa-fé do segurado.
Apreciando-se os documentos coletados no álbum processual, verificase (fls. 108) que o Sr.Valter Dionísio da Silva vem recebendo a gratificação impugnada pela d. Auditoria por um períodototal de, aproximadamente, 10 (dez) anos desde a aposentadoria em 2003. Por simples bom senso, aretirada de R$ 603, 96 (seiscentos e três reais e noventa e seis centavos) de uma quantia salarialcorrespondente a R$ 1.568,43 (mil quinhentos e sessenta e oito reais e quarenta e três centavos), apóslapso temporal tão grande recebendo tal valor, acarretaria uma diminuição na qualidade de vida doaposentado e de sua família, devido a um erro da administração.

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->