Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
143Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Resenha Critica Pedagogia Da Autonomia Paulo Freire

Resenha Critica Pedagogia Da Autonomia Paulo Freire

Ratings:

4.5

(6)
|Views: 26,860 |Likes:
Published by pliniopasc

More info:

Published by: pliniopasc on Apr 20, 2009
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/17/2013

pdf

text

original

 
DQ e DPE – FFCLRP – USP
Resenha Crítica de Pedagogia da Autonomia
de
Paulo FreirePlínio Alexandre dos Santos Caetano USP 5630371Licenciatura em Química
 
1
Universidade de São PauloFaculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão PretoDepartamento de Psicologia e Educação e Departamento de QuímicaLicenciatura em QuímicaRESENHA CRÍTICA DE “PEDAGOGIA DA AUTONOMIA”(PAULO FREIRE)Profa. Dra. Elaine AssoliniPlínio Alexandre dos Santos CaetanoAbril, 2009.
 
 
DQ e DPE – FFCLRP – USP
Resenha Crítica de Pedagogia da Autonomia
de
Paulo FreirePlínio Alexandre dos Santos Caetano USP 5630371Licenciatura em Química
 
2
1. Resenha CríticaDados sobre o livroLivro:
 
Pedagogia da Autonomia
Autor:
 
Paulo Freire
Editora:
Paz e Terra
Edição:
39ª 
1.1 Capítulo I – Não há docência sem discênciaNeste primeiro capítulo, Freire tem o intuito de fomentar ao educador que, nãoapenas durante seu processo de formação inicial, como também de modo contínuo, reflitasobre sua prática. Para tanto, aponta que ensinar exige:
 
Rigorosidade metódica;
 
Pesquisa;
 
Respeito aos saberes dos educandos;
 
Criticidade;
 
Estética e ética;
 
A corporeificação das palavras pelo exemplo;
 
Risco, aceitação do novo e rejeição a qualquer forma de discriminação;
 
Reflexão crítica sobre a prática; e
 
O reconhecimento e a assunção da identidade cultural.Freire norteia bastante firmemente que ao docente não é vergonhoso não saber,mas que é belo o fato de admitir que não saiba dado conteúdo e se propor a buscar paraesclarecê-lo em situação futura. Aponta ainda que, ao professor compete incorrer em defesaao educando, tal como no exemplo de uma banca onde um aluno deva apresentar umtrabalho
1
e, ao ser criticado por um examinador por alguma falha ou não clareza de discurso.Há ainda ressalva para o fato de que o educador deve estar sem nenhumavestimenta de preconceito e, que leve em consideração a cultura do educando e asidentidades características ao local no qual leciona.Freire coloca, bastante oportunamente, que se faz necessária pureza nas palavras doprofessor, de modo a propiciar a criação de um ambiente no qual seja possível se vivenciar a
1
Freire coloca o exemplo de um educando apresentando sua tese de pós-graduação
 
DQ e DPE – FFCLRP – USP
Resenha Crítica de Pedagogia da Autonomia
de
Paulo FreirePlínio Alexandre dos Santos Caetano USP 5630371Licenciatura em Química
 
3
experiência de ser uma pessoa social, sendo – na projeção de um educador progressista
2
- queao educador compete criar situações para tal atitude.1.2 Capítulo II – Ensinar não é transferir conhecimentoPara continuar a tecer sua obra, Freire enfoca outras exigências da ação de ensinar:
 
Consciência do Inacabamento;
 
Reconhecimento de ser condicionado
3
;
 
Respeito à autonomia do Educando;
 
Bom senso;
 
Humildade, tolerância e luta em defesa dos direitos dos educadores;
 
Apreensão da realidade;
 
Alegria e Esperança;
 
A convicção de que a mudança é possível; e
 
Curiosidade.Talvez este capítulo seja, sem sombra de dúvidas, o mais politizado do livro. Nele oautor aponta para crimes cometidos do administrativo de escolas públicas e privadas para comos professores. Aponta ainda que, os fatores externos e internos podem influenciar e culminarno andamento do processo de aprendizagem, ressaltado pelo autor que não deve ser tãosomente uma transmissão de conteúdos, mas como criador de possibilidades para aconstrução do conhecimento, o aprendizado deve ser recíproco (já no capítulo I, há uma críticadura ao bancarismo
4
). Numa de suas colocações, (Freire) coloca que ao educador compete anecessidade de fazer com que o aluno deixe de ser dependente do professor (heteronomia) epasse a interagir com o conhecimento (objeto), chegando à
autonomia
5
.
Na fala do autor,evidencia-se ainda um pedido forte – cujo teor está nas crenças do próprio autor – para que oeducador não ‘pode’ ao educando, sendo que para tal é necessária a valorização dacuriosidade do educando e não sua repreensão – sendo que esta poderá culminar naconstrução de imaginação e da criatividade, tornando ao educando assim o próprio agente datransformação.
2
Freire é notoriamente um educador de esquerda, o que é bastante evidente em seu diálogo, sendoque para ele é estritamente necessário - ainda que isto não esteja explícito – a formação de educandospara a cidadania.
3
Nota-se aqui uma relação com a Psicologia, Pavlov – condicionamento clássico, condicionamentooperante.
4
Método de ensino que entendo o educando como uma tabula rasa, onde não há conhecimentosprévios, mas apenas um grande espaço para aprender mecanicamente (decorando).
5
Todos sendo sujeitos de sua própria história.

Activity (143)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 thousand reads
1 hundred reads
Kassia Oliveira added this note
parabéns pela resenha Kassia ,a turma gostou muito do seu desempenho !!!!
Adriana Konrad liked this
Cris Carmo liked this
Bárbara Albares liked this
Renilda Campos liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->