Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
180Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
O SERVIÇO SOCIAL NA SOCIEDADE CAPITALISTA: O DEBATE

O SERVIÇO SOCIAL NA SOCIEDADE CAPITALISTA: O DEBATE

Ratings:

4.0

(4)
|Views: 73,074 |Likes:
Published by marianna11

More info:

Published by: marianna11 on May 05, 2009
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/08/2014

pdf

text

original

 
___________________________________________________________________________*Graduada em Serviço Social pela Universidade Federal de Alagoas; Especialista em ServiçoSocial em Oncologia pelo Instituto de Câncer/RJ e Mestranda em Serviço Social pela UFAL.
O SERVIÇO SOCIAL NA SOCIEDADE CAPITALISTA: O DEBATEENTRE AS PERSPECTIVAS CONSERVADORA E HISTÓRICO-CRÍTICA
VALÉRIA COELHO DE OMENA*INTRODUÇÃOO que é o Serviço Social, como surgiu, a quem serve, porque surgiu, queforças concorreram no seu surgimento, qual a função concreta do Serviço Social, e por tersurgido no seio da Igreja Católica, com as protoformas neotomistas, não poderíamosconsiderar que a profissão é a caridade profissional? Estas perguntas freqüentementeaparecem não só no meio acadêmico como também nos diversos campos de atuaçãoprofissional.Carlos Montaño (1998) em seus estudos sobre a natureza do Serviço Socialapresenta duas teses claramente opostas sobre a natureza profissional: Perspectiva Endógena ePerspectiva Histórico-crítica. Neste texto, a parti da reflexão de diversos autores, pretendemosneste texto identificar o papel e a natureza do Serviço Social, tomando como base as duasperspectivas, levantadas por Montaño, sobre a institucionalização e legitimação da profissãono Brasil.DESENVOLVIMENTOPERSPECTIVA ENDÓGENANa Perspectiva Endógena ou Conservadora a origem do Serviço Social estárelacionada à evolução, organização e profissionalização da caridade e da filantropia, dasdamas de caridade (moças de família rica) emergentes na Igreja católica, através dohumanismo cristão,
enfocando, sobretudo, questões de natureza moral e orientação conservadora baseada noNeotomismo.
Dentre seus principais defensores podemos destacar: Herman Kruse, EzequielAnder-Egg, Natalio Kisnerman, Boris Aléxis Lima, Ana Augusta de Almeida, Balbina OtooniVieira, José Lucena Dantas.
 
___________________________________________________________________________*Graduada em Serviço Social pela Universidade Federal de Alagoas; Especialista em ServiçoSocial em Oncologia pelo Instituto de Câncer/RJ e Mestranda em Serviço Social pela UFAL.Os autores que defendem essa tese apóiam-se na idéia de evolução dasprimeiras formas de ajuda, desde a Antigüidade até a cientificidade da filantropia que dáorigem ao Serviço Social. Esses autores colocam em evidência a história do Serviço Social,num evoluir nem sempre tranqüilo tendo mantido inalterado o objetivo da coesão social noqual seus conhecimentos e experiências estão a serviço dos indivíduos, dos grupos, dascomunidades e da sociedade
cujo objetivo final é a modelação do comportamento humano.
Neste contexto a ação profissional está atrelada à resolução dos conflitosindividuais ou coletivos dos trabalhadores, com um propósito de assegurar as relações desolidariedade que constituem a sociedade. Sendo assim a ação profissional está integrada aum conjunto de políticas e instituições dedicadas à promoção da coesão social e namanutenção da realidade dominante. Vieira (1977, p. 13-14) concebe o Serviço Social comoajuda ou auxilio aos outros, independente das manifestações sociais, sem levar em conta,portanto, as manifestações dos trabalhadores, muito menos a relação capital/trabalho.Segundo a autora os dois fatores que contribuíram para a evolução da ajudae consequentemente da legitimação do Serviço Social foram: a industrialização, que elachamou de fatores imediatos (sociais, econômicos e políticos) e os fatores técnicos, com aintrodução da Ciência.Vieira conceitua Serviço Social como “um serviço prestado à sociedade e oTrabalho Social – Social Work – a atividade realizada em beneficio da sociedade” (1977, p.58). Segundo a autora, com a influência do Serviço Social norte-americano e europeu, oconceito de Assistência Social evoluiu da assistência paliativa e curativa, passando aassistência mútua aos programas de bem-estar, a assistência individualizada e coletiva(comunidade) até a atuação profissional junto ao Estado “que assume a responsabilidade dacura ou prevenção de determinados males sociais, soluções de problemas e ação comunitáriacom planos de bem-estar, saúde, educação e desenvolvimento” (1977, p. 62)PERSPECTIVA HISTÓRICO-CRÍTICAA perspectiva histórico-crítica enfoca o trabalho e o modo de produçãocapitalista, como o berço da profissão, a profissão é entendida como subproduto da síntesedos projetos político-econômicos, e está situada na sociedade capitalista como um elementoque participa da reprodução das relações de classe e da contradição nelas existente. Dentre
 
___________________________________________________________________________*Graduada em Serviço Social pela Universidade Federal de Alagoas; Especialista em ServiçoSocial em Oncologia pelo Instituto de Câncer/RJ e Mestranda em Serviço Social pela UFAL.seus principais defensores destacamos: José Paulo Netto e Marilda Vilela Iamamoto, Vicentede Paula Faleiros, Maria Lucia Martinelli, Manuel Manrique Castro, entre outros.Segundo Netto, o surgimento do Serviço Social como profissão, estávinculado à emergência da “questão social”, esta é conceituada por Netto como o conjunto deproblemas políticos, sociais e econômicos que reclamados pela classe operária no curso daconsolidação do capitalismo; portanto a “questão social” está atrelada aos conflitos da relaçãocapital/trabalho (Netto, 1992, p.13). Segundo o autor, sem esse entendimento histórico-socialcontextualizado, a gênese do Serviço Social, enquanto profissão pode ser falsamenteidentificada como resultado do status “sócio-ocupacional das condutas filantrópicas eassistencialistas que convencionalmente se consideram as suas
 protoformas
” (Netto, 1992,p.14)Entretanto Netto ressalta que a gênese do Serviço Social não se esgotaapenas com a emergência da “questão social” se tomada abstratamente, mas especificamenteao momento histórico do capitalismo: a idade do monopólio, “as conexões genéticas doServiço Social profissional não se entretecem com a ‘questão social’, mas com suaspeculiaridades no âmbito da sociedade burguesa fundada na organização monopólica” (Netto,1992, p.14). Conforme esse autor:
O processo pelo qual a ordem monopólica instaura o espaço determinado que, nadivisão (e técnica) do trabalho a ela pertinente, propicia a profissionalização doServiço Social tem sua base nas modalidades através das quais o Estado burguês seenfrenta com a questão social, tipificadas nas políticas sociais (1992, p. 70).
No Brasil, segundo Iamamoto, o Serviço Social surge no início da década de1930 através do movimento de “reação católica”, e “é respaldado em uma vasta rede deorganizações difusoras de um projeto de recristalização da ordem burguesa, sob o imperativoético do comunitarismo cristão, exorcizando essa ordem de seu conteúdo liberal”.(IAMAMOTO, 2004, p. 18). Observa-se que o Serviço Social surge como uma tentativa derecuperar áreas de influências e privilégios que a Igreja havia perdido, em face à crescentesecularização da sociedade e das tensões presentes em suas relações com o Estado e tambémpela sua legitimação jurídica dentro do aparato estatal.Com as mobilizações e reivindicações da classe trabalhadora nas primeirasduas décadas do século passado, abre-se o debate sobre a “questão social” em toda sociedade,

Activity (180)

You've already reviewed this. Edit your review.
Bruna Lins liked this
1 thousand reads
1 hundred thousand reads
1 hundred reads
Adriana Carneiro liked this
Amanda Beatriz liked this
George Costa liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->