Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Look up keyword
Like this
1Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
CAPÍTULO 3.

CAPÍTULO 3.

Ratings: (0)|Views: 80|Likes:
Published by Ana Maria Menezes
histórias vividas durante o curso online
histórias vividas durante o curso online

More info:

Categories:Types, Research
Published by: Ana Maria Menezes on Jul 02, 2013
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/14/2014

pdf

text

original

 
CAPÍTULO 3HISTÓRIAS DA NOSSA EXPERIÊNCIA
 No capítulo três desta dissertação de mestrado, descrevo a experiência do curso deextensão online, durante o qual pretendi observar como os participantes vivenciam a presença social em ambiente virtual. O primeiro passo foi o planejamento do curso, asdecisões tomadas e escolhas feitas que, de alguma forma, podem revelar um pouco deminha própria concepção de presença social. Em seguida, outras histórias do quevivemos podem ajudar na reflexão sobre a experiência. Primeiramente, relato históriassobre o curso e as participantes da pesquisa para então, compor sentidos sobre o quevivemos. Em meio a estas histórias trago também textos de campo escritos por mim e pelas participantes, como relatos, e-mails e mensagens postadas em ambiente virtual. Alinguagem e pontuação utilizada nos textos de campo foi mantida de acordo com ooriginal.
3.1.1. Pensando no curso
Sento-me para começar a preparar o curso online que irei oferecer para professores de inglês, afim de desenvolver minha pesquisa. Onde começar? Acredito que a seleção dos ambientes parao curso e a organização das atividades propostas é de fundamental importância em cursosonline. Alguns ambientes virtuais são mais ricos e propícios a interações do que outros, possibilitando melhor comunicação. Desta forma, como
designer 
do curso, cabe a mim escolher  plataformas que creio serem mais apropriadas para o objetivo do curso.Avalio, então, algumas plataformas que conheço, seja como usuária ou como moderadora deoutros cursos: o
 PBworks
, o
 Edmodo
, o
Tumblr 
e o
 Adobe Connect 
. A meu ver, todas as plataformas têm seus pontos fortes e podem contribuir de alguma forma para a sensação de presença social dos participantes. O
 PBworks
possibilita a criação do
wiki
com a apresentaçãode conteúdos e proposição de tarefas de maneira organizada, com a vantagem de também poder ser escrito colaborativamente. É um espaço voltado primordialmente para hospedar osconteúdos sugeridos, como também oferece um espaço para fóruns de discussões. O
 Edmodo
 pode facilitar a comunicação entre grupos de maneira segura, podendo ser importante paraestimular o entrosamento do grupo, na busca por criar um ambiente agradável de respeito econfiança. O
Tumblr 
é uma plataforma de escrita de blogs gratuita de fácil uso, podendo ser 
 
utilizado pelos participantes para a criação dos portfólios individuais. As postagens individuais podem ser compartilhadas na plataforma
 Edmodo
como convite para que outros participantesvisitem o blog e deixem comentários se desejarem. O
 Adobe Connect 
é uma sala de aula virtualcom vários recursos como o uso de
 Powerpoints
, compartilhamento de tela, o uso de
webcam
emicrofones e a sala de bate-papo para os participantes.Queria muito ter todas essas características em uma só plataforma, entretanto, não conheçonenhuma que preencha essas necessidades. Na universidade temos utilizado o Moodle, noentanto, não o considero um ambiente muito acolhedor. Vejo nele um ambiente acadêmico umtanto frio e com excesso de informação visual. Sendo assim, faço as minhas escolhas pensandonos objetivos de possibilitar a constrão de conhecimento, momentos de instrução,gerenciamento do moderador e principalmente a comunicação entre o grupo. Como o foco da pesquisa é a presença social, vejo importância em termos ambientes tanto para a comunicaçãosíncrona (
 Adobe Connect 
) e assíncrona (
 Edmodo e PBworks
). Diferentemente das outras plataformas escolhidas em que a comunicação acontece por meio de texto, o espaço para asaulas síncronas seria mais rico em possibilidades de comunicação já que possibilita que os participantes e palestrantes possam se ver e ouvir.
Uma vez escolhidas as plataformas, preocupo-me com as atividades a propor e comoorganizá-las de maneira que a experiência de aprendizagem
online
seja significativa eagradável para os participantes. Pergunto-me, sobre o tipo de atividades que poderiaintegrar os participantes uns com os outros. Que atividades eu poderia sugerir com ointuito de auxiliar o sentimento de comunidade entre os participantes? Como promover uma aprendizagem que seja significativa para a realidade de cada um? Como criar espaços para que cada um possa desenvolver a sua presença?Escrevo a primeira versão de projeto para o curso de extensão e o submeto à leitura eanálise dos colegas de grupo de pesquisa. E que surpresa! A cada comentário e sugestãodada pelos colegas, mais e mais me surpreendo com o quanto esta escrita de planejamento revela sobre meus objetivos em relação ao curso, minhas convicçõessobre ensino e aprendizagem e minha própria concepção sobre presença em ambientevirtual, os quais podem ser observados no trecho do diário reflexivo escrito a seguir.
O primeiro passo foi criar um projeto para o curso de extensão para encaminhar parao Siex. A proposta inicial que desenvolvi seguiu os modelos de curso online que tenho
 
visto e participado. A cada semana, os participantes têm uma lista de tarefas adesenvolver sugeridas pelos moderadores. Enviei a proposta à minha orientadora e ao grupo de estudos do qual faço parte, oGPNEP, e suas sugestões mexeram comigo. Uma das observações feitas foi que o cursoestava muito transmissionista como se eu fosse a detentora de todo o conhecimento e os participantes estivessem ali só para aprender comigo. É claro que uma observação assim me incomodou. Que professor quer ter atitudestransmissionistas? Posso ter sim uma atitude transmissionista em relação ao ensino,afinal, sempre me vi com a função de transmitir aquilo que sabia. Mas com minhaexperiência em ambientes virtuais também aprendi que podemos aprender emcomunidade e os papéis aprendiz e professor muitas vezes se alternam. Como criar umcurso online sem desconsiderar o conhecimento prévio dos participantes? Comoesperar contribuições dos participantes e ao mesmo tempo auxiliar aqueles que têm pouca ou nenhuma experiência com a internet? Como planejar atividades paraestimular a construção do conhecimento em comunidade? Perguntas que venho me fazendo. Apesar do incômodo em ter minhas propostas criticadas, não há como negar que desdeentão venho questionando muito mais minha visão sobre ensinar e aprender.( 
trecho dodiário reflexivo escrito por mim em 08/10/2012)
Reflexões nem sempre muito agradáveis, considerando que minhas próprias convicçõesvêem à tona e se chocam com a imagem que tenho de mim mesma profissionalmente.Desde muito nova, assumi o papel de professora, no entanto, com minha formação nauniversidade e os vários cursos que tenho feito durante minha vida docente, sempreacreditei ser uma professora disponível para mudanças e que valoriza o envolvimentodos alunos em buscar seu próprio conhecimento. Todavia, minhas palavras escritasrefletem uma professora que acredita ter como principal papel transmitir seuconhecimento aos alunos.Parece-me que minha primeira proposta para o curso de extensão segue modelostransmissionistas experimentados por mim em cursos online seja como participante ou

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->