Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
53Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Diferenças entre a gramática normativa e a descritiva (científica)

Diferenças entre a gramática normativa e a descritiva (científica)

Ratings: (0)|Views: 11,707 |Likes:
Published by sidorneles2042
Trabalho de pós-graduação em Letras abordando a diferença entre gramatica normativa e descritiva(científica)
Trabalho de pós-graduação em Letras abordando a diferença entre gramatica normativa e descritiva(científica)

More info:

Published by: sidorneles2042 on May 25, 2009
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/11/2013

pdf

text

original

 
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SULINSTITUTO DE LETRASDEPARTAMENTO DE LETRAS CLÁSSICAS E VERNÁCULASCURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GRAMÁTICA E ENSINO DE LÍNGUA.PORTUGUESAENSAIO CRÍTICO:Mostrando os “furos” da Gramática Tradicional e comparando-a com a GramáticaDescritivaSimone Dorneles SeveroPorto Alegre
 
2008Apresentação
Este ensaio crítico aborda os pontos vulneráveis da Gramática Tradicional ecompara-a com a Gramática Descritiva.Foi solicitado pela Disciplina de Estudos Lingüísticos I (módulo do Prof. MathiasSchaff Filho) do Curso de Especialização em Gramática e Ensino da Língua Portuguesa – edição nº 3, ano de 2008, realizado na Escola Técnica de Comércio da UniversidadeFederal do Rio Grande do Sul e coordenado pela Profª Sabrina de Abreu Pereira.Propositalmente apresenta-se em uma linguagem mais coloquial com a intenção deressaltar o seu discurso crítico.
 
Crônica: Não pise a grama
(Parrião Jr)
Com seus pisantes 38 tocou o solo palmenseperseguindo, em largos passos, uma quimera. TerraNova, nova gente em busca de sonhos e utopias, cadaum caminhando a procura de coisa qualquer.Marchando rumo a um cursinho, desses preparatóriospara tudo (acho que até para casar eles preparam), foise matricular com a intenção de aprender a passar emconcurso público. Ser funcionário do governo era seumaior desejo.Aquela velha mania de ler tudo que ver quase o deixouespezinhado. Leu, certa vez, uma placa no jardimdaquele estabelecimento de ensino que dizia assim: "nãopise na grama", seu cérebro, intrinsecamente, logoprocessou: se foram eles que escreveram está certo.Para seu espanto caiu na prova do concurso justamentesobre o verbo pisar, estava lá na questão: observando agramática normativa qual é a resposta certa? a) Não pisena grama; b) não pise à grama; c) não pise a grama.Essa é moleza! Pensou logo. Lembrando da placa no jardim do cursinho a escolha certa foi, então, não pise nagrama. Mas quando veio o resultado, imagine qual foi asurpresa, perdeu a vaga por um ponto.Revoltado pôs ospés em direção ao educandário para fazer a correção daprova. Chegando lá, pasmo ficou, quando percebeu quehavia errado exatamente a questão em tela.- Mas como! Ta na placa lá fora o certo é não pise na grama ou seráque pisei foi na "grama - tica"?O sujeito respirou fundo, tomou um bom gole d'água eouviu a explicação do professor:- O verbo pisar étransitivo direto, ou seja, exige complemento sempreposição alguma: Não pise a grama é a maneira certade se usar essa frase.- Professor, a placa lá fora ta errada?- Não! Sim! É! Talvez!- Se olhar pelo ponto de vista dagramática normativa está errado a forma que foi escrito

Activity (53)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 hundred reads
1 thousand reads
Miguel Rocha liked this
J Ricardo Veiga liked this
Mira Mendes liked this
Eliane Barbosa liked this
Irma Helena Muri liked this
Tiago Rodrigues liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->