Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Look up keyword
Like this
2Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
A crise econômico-financeira das centrais elétricas do Pará

A crise econômico-financeira das centrais elétricas do Pará

Ratings: (0)|Views: 209 |Likes:
Este artigo faz uma abordagem sobre a situação econômico-financeira da Celpa, tomando referência o período de 1970 a 2004.
Este artigo faz uma abordagem sobre a situação econômico-financeira da Celpa, tomando referência o período de 1970 a 2004.

More info:

Categories:Types, Research
Published by: Marcos Vinicius Miranda da Silva on May 29, 2009
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/11/2014

pdf

text

original

 
Doutor em Energia pelo PIPGE / USPProfessor do PIPGE / USP+ Citar da seguinte forma: SILVA, Marcos Vinicius Miranda da; BERMANN, C. A crise econômico-financeira dasCentrais Elétricas do Pará. In: XI Congresso Brasileiro de Energia / I Seminário Brasileiro de Inovação Tecnológicano Setor Energético, 2006, Rio de Janeiro. XI Congresso Brasileiro de Energia / I Seminário Brasileiro de Inovação
+
Tecnológica no Setor Energético. Rio de Janeiro : Chivas, 2006. v. I. p. 105-116.
PARÁ
Celio BermannMarcos Vinicius Miranda da Silva
A CRISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS CENTRAIS ELÉTRICAS DO1.0. RESUMO
Desde o final da década de 1970, a Centrais Elétricas do Pará (CELPA) enfrentauma grave crise econômico-financeira, que tem limitado sua capacidade de investir naexpansão do sistema elétrico paraense. Essa situação é preocupante, principalmenteporque essa concessionária precisará atender um número expressivo de domicílios paracumprir as metas de universalização do serviço público de energia elétrica.Este artigo analisa a origem e a extensão dessa crise. O período da análiseestende-se de 1970 até 2004, sendo utilizados a liquidez geral, a liquidez instantânea, aliquidez seca, a liquidez corrente, a garantia de capital de terceiros, o grau deendividamento e a rentabilidade do capital próprio como indicadores.A política de expansão acelerada do sistema elétrico paraense que foiimplementada pelo governo estadual a partir do final da década de 1960 e a política decontenção tarifária imposta pelo governo federal no final da década seguinte estão entreos fatores que desencadearam essa crise.
 2.0. INTRODUÇÃO
A Centrais Elétricas do Pará (CELPA) é a maior concessionária de distribuiçãode energia elétrica do Norte do País, com um mercado de 1.262.361 consumidores totais
 
11
em 2004, dos quais 1.117.162 (88,5%) são residenciais, 112.200 (8,9%), comerciais,3.878 (0,3%), industriais, 12.352 (1%), públicos, e 16.769 (1,3%), rurais (CELPA,2005). Porém, desde o final da década de 1970, a situação econômico-financeira dessaconcessionária tem-se degradado.Uma das conseqüências dessa crise é a redução da capacidade de investir naexpansão do sistema elétrico paraense, que pode ser intensificada pelo processo deuniversalização do serviço público de energia elétrica em curso, afinal, as característicasfisiográficas e demográficas do Pará, aliadas ao baixo índice de atendimento elétrico nazona rural desse Estado, tornam maior a exigência de investimento.Este artigo traça um quadro da crise econômico-financeira da CELPA. Suaprincipal contribuição reside na identificação dos elementos responsáveis por ela e nademonstração de que a mesma tem apresentado sinais de intensificação após aprivatização dessa concessionária.
3.0 A ORIGEM DA CRISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CELPA
 A Centrais Elétricas do Pará (CELPA) foi criada em 31 de agosto de 1960,através da Lei n
°
2.023, seguindo a determinação da Lei n
°
1.571, de 5 de agosto de1958, que obrigou o governo estadual a organizar empresas de economia mista pararealizar o serviço público de energia elétrica no Estado após a aprovação do primeiroPlano Estadual de Eletrificação (COMISSÃO ESTADUAL DE ENERGIA – CEE, s.d.).Em 22 de novembro de 1962, a constituição da CELPA foi efetivada, com um capitalsocial de US$ 24,93 milhões, “sendo dividido em 600 mil ações ordinárias e 400 milações preferenciais no valor de US$ 24,93 cada uma” (SILVA, 2005).A CELPA foi criada para elaborar estudos e projetos para a expansão do sistemaelétrico estadual, construir plantas de geração e linhas de transmissão e comercializar
Os valores apresentados neste trabalho estão em dólar de 2000.
 
22
energia em todo o território paraense (CELPA, 1965). Dessa forma, houve umasobreposição de atribuições, pois a Força e Luz do Pará (FORLUZ), que foi constituídaem 14 de setembro de 1951, tinha como atribuição atender a cidade de Belém (SILVA,2005).Esse problema foi resolvido com a incorporação da FORLUZ pela CELPA em19 de junho de 1969, numa clara obediência ao Decreto Federal n
°
60.824, de 7 de julhode 1967, que orientou os governos estaduais a manterem apenas uma empresa deeconomia mista para a realização do serviço público de energia elétrica.O primeiro grande projeto da CELPA teve início em 1968, com a construção dahidrelétrica de Curuá-Una, localizada no município de Santarém, que deveria ter umapotência instalada prevista de 40MW. Até então, as ações dessa concessionária tinhamficado restritas à elaboração de estudos de viabilidade.A consolidação do controle estatal sobre o sistema elétrico nacional favoreceu aexpansão do sistema elétrico paraense, pois o governo federal passou aportar recursossignificativos através de suas instituições e de seus programas de desenvolvimentoregional. Como exemplo, citam-se os aportes de recursos federais na construção dahidrelétrica de Curuá-Una realizados pelo Programa de Integração Nacional (PIN), peloPrograma de Redistribuição de Terras e Estímulo à Agroindústria do Norte e Nordeste(PROTERRA), pelo Programa de Pólos Agroindustriais e Agrominerais da Amazônia(POLAMAZÔNIA), bem como pela Superintendência do Desenvolvimento daAmazônia (SUDAM), pela Centrais Elétricas Brasileiras (ELETROBRAS) e peloMinistério de Minas e Energia, pois essa hidrelétrica era considerada estratégica para aocupação da Amazônia pelo governo federal (SILVA, 2005).
Atualmente, a potência instalada dessa hidrelétrica está em 30,3 MW.

Activity (2)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 thousand reads
1 hundred reads

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->