Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
18Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Plantas aquáticas

Plantas aquáticas

Ratings: (0)|Views: 9,711 |Likes:
Published by Claudia

More info:

Published by: Claudia on Jun 22, 2009
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

03/22/2013

pdf

text

original

 
Plantas aquáticas
- Plantas de ecossistemas aquáticos (em geral, águas doces, comorios, lagos e lagoas). Não compreendem as algas, que são protistas, não plantas.
Plantas terrestres
- Plantas que se desenvolvem em substratos não-submersos, ou seja,são fixas à terra ou rochas. A maioria das plantas.
Plantas aéreas
- Termo utilizado, no passado, para designar plantas que não são fixasao substrato terrestre ou aquático, ficando a cima deles, fixas a outras plantas, como por exemplo as orquídeas e bromélias.
ARTIGOS
 
As plantas aquáticas da Amazônia: riqueza inexploradaPor Maite Piedade*em 31/07/2007As várzeas amazônicas são os ambientes onde ocorre a maior riqueza de plantasherbáceas aquáticas da região, e uma das maiores do mundo. Os sedimentosférteis trazidos pelas enchentes dos grandes rios nutrem as áreas marginais, oque favorece o crescimento dessas plantas que exigem quantidades de mineraiselevadas. Apesar disso, em comparação com outras comunidades vegetais da região amazônica, avegetação herbácea das várzeas foi relegada a um segundo plano pela investigação científica, até oinício da década de setenta. Os poucos estudos anteriores àquele período envolviam classificações dealgumas espécies, narrativas ou descrições de outras, com maior destaque apenas para espéciesmais evidentes, como os capins aquáticos, ou exóticas, como a fabulosa Victória amazônica.Vários fatores explicam a falta de estudos com essas plantas no passado. Essas espécies e seusambientes foram historicamente associados a insalubridade e doenças. O acesso a eles é difícilporque a estrutura física e a composição de espécies herbáceas mudam ao longo do ano devido asflutuações do nível do rio, de cerca de 10 metros entre a cheia e a seca. Finalmente, a visão científicadominante entre os ecólogos no início do século passado era caracterizada pela divisão dosambientes em aquáticos ou terrestres. Desta forma, as áreas alagáveis amazônicas se apresentavamcomo um grande desafio, por serem ambientes mutantes ao longo do ano, híbridos entre sistemaaquáticos e terrestres.A partir da década de oitenta esse quadro passou a mudar. Tiveram inicio estudos ecológicos sobrealgumas das espécies mais importantes, mostrando sua grande produção de biomassa e nutrientes, esua importância como habitat e fonte de alimento para vários organismos aquáticos. Também setornou evidente sua influência nos balanços de oxigênio e na produção de metano em corpos de água,como observado em hidrelétricas. Ao mesmo tempo, a dinâmica das várzeas passou a ser incorporada conceitualmente aos estudos, e as áreas alagáveis com seus pulsos de inundação e secapassaram a ser consideradas como unidades a serem estudadas no conjunto da sua complexidadesazonal.Se o conhecimento sobre as várzeas aumentou, sua ocupação crescente também. O corte deflorestas para dar lugar a pastagens e a remoção das herbáceas nativas para a introdução de pastosexóticos trouxe como conseqüência a perda de biodiversidade, problemas de assoreamento e perdada fertilidade dos solos e dos corpos de água. A forma tradicional de exploração das várzeas ligada àpesca e pequena agricultura passou a ser modificada com a introdução de animais de criação,principalmente gado bovino e em algumas áreas búfalos, influenciando negativamente ascomunidades de plantas herbáceas.Contudo, dentre as cerca de 400 espécies nativas já identificadas nas várzeas, algumas apresentamgrandes possibilidades de utilização econômica, o que já vem sendo feito de forma não ordenadapelas populações ribeirinhas, por exemplo, para alimentar gado e outros animais de criação comogalinhas e porcos. O sucesso de algumas das espécies se deve ao seu rápido crescimento, grandevalor nutritivo e grande aceitação pelos animais.Essa nova visão deste grupo de plantas, ainda pouco conhecidas e pouquíssimo exploradas, forneceindicativos para que se estimulem estudos visando subsidiar a sua exploração racional. Além de suagrande importância ecológica e na biodiversidade, por serem bem adaptadas ao pulso hidrológico daregião, essas plantas podem ser uma excelente alternativa para o manejo racional das áreasalagáveis.Esse artigo é de responsabilidade do autor. Não reflete a opinião do Portal Amazônia ou do grupoRede Amazônica. Opiniões devem ser envidas amaitepp@inpa.gov.br  
 
 Adaptações das plantas ao ambiente terrestre Acredita-se que as plantas terrestres tenham surgido na era paleozóica, originadas a partir deancestrais aquáticos. O primeiro fóssil bem conservado dessas plantas terrestres primitivas datade 395 milhões de anos.

Activity (18)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 hundred reads
1 thousand reads
Brenda Ribeiro added this note
Muito bom as pesquisas de vcs obrigada vcs me ajudaram muito !!!!!!!
Rodrigo Souza liked this
Keylla Marques liked this
Juliana Ramos liked this
Alice Guedes liked this
Naldiinha Rupp liked this
Paulo Menezes liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->