Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Look up keyword
Like this
1Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
O monge de Cistér, de Alexandre Herculano

O monge de Cistér, de Alexandre Herculano

Ratings: (0)|Views: 13 |Likes:
HERCULANO, Alexandre (1859) — O monge de Cistér; ou, A epocha de D. João I. 2ª ed. Lisboa: Na Impr. Nacional.
HERCULANO, Alexandre (1859) — O monge de Cistér; ou, A epocha de D. João I. 2ª ed. Lisboa: Na Impr. Nacional.

More info:

Published by: Maria do Rosário Monteiro on Oct 20, 2013
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

02/07/2014

pdf

text

original

 
O
MONGE
DE
.
CISTÉR
ou
,
'
. A
POCHADE
D.
JOIO
I.
(816UNDA EDIÇÃO).
TOMO
I
....
-
L18B04.
......
~A
IIIPREN~A
NACIONAL.
-
..
• 1859
 
..
\
De
varioa livroa, pergaminhos, epapeis ajuntei algumas cousas
al1-
1igas, que estavam
já
postas
de
par•te, conjecturando, que ordenadas, evestidas de novas cores podiam tor•Bar
tÍ
praça,
e
não parecer mal,como arvorea de outono com seurenovo.
G
•.
EsTA.Ço,
Ycr. Anl.
Prol.
CoMo
debaixo
dospés
de
cada
geração
que
passa
n~
terra
dormem
as
cinzasde
muitas
gerações que
a precederam,
assim
debaixo
dos
fundamentos
decada
cidade
grande e
po
pulosa
das
velhas
nações
da
Europa
jazem
alas-trados
os
ossos
da
cidade
que
precedeu
a
que
existe.
Como de paes
a
filhos
as
diversas
gera-
Ções
se
·continuam
e
e.ntretecem
sem
divisão,
 
VI
semelhantes
ll
tunica
inconsutil
do
Christo,
.
assim
a
cidade
antiga
se
transmuda imper-
ceptivelmente
na
nova
cidade;
e
como
o octo-,
'gen.ario
na
vizinhança
do
tumulo
não
í
rodade
si,
nem
pae,
nem
irmãos,
nem
amigos
da
infancia,
mas
filhos,
mas
netos,
mas
existencias
todas
virentes,
todas
cheias
de
vida,
e sente
com
amargura
que
o
seu
seculo
repousa
em
paz,
e
espera
por
elle
que
tard~,
assim
o ul
timo
edificio
da
cidade que
passou,
quando
pendido
ameaça
desabar,
olhando
ã
roda
de
si
não
nenhum
daquelles
que, ahi
perto,
campeavam
senhoris
e
formosos
no
tempo
em
que
elle
tambem
o era. Então,
quando
a
noite
de
inverno
ruge
tempe~tuosa,
e a
chuva
sus-_
.
surra
n.as
arvores,
e estrepita
nas
torrentes,
ouve-se
um
roido subito,
semelhante
ao
bater
no
chio
de
homem
de
guerra
que
morre.
É
o
ed.ificio
«fUe
sólta
o
seu
ultimo arranco, e
vae
ajuntar
mais
uma ossada
a milhares
dellas,
que jazem
sob
os pés
da
povoaÇão
recente. Aobra
do
homem
é
como
o
homem
;
com
a
.
..
'

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->