Welcome to Scribd. Sign in or start your free trial to enjoy unlimited e-books, audiobooks & documents.Find out more
Download
Standard view
Full view
of .
Look up keyword
Like this
9Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
UNIFICAÇÃO ALEMÃ aula 11

UNIFICAÇÃO ALEMÃ aula 11

Ratings:

5.0

(1)
|Views: 2,062|Likes:
Published by Danielle Denny

More info:

Published by: Danielle Denny on Aug 06, 2009
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/26/2013

pdf

text

original

 
Aula 10UNIFICAÇÃO ITALIANA
Os italianos estavam divididos em cidades estados e o produziram umaunificação na mesma época dos Estados vizinhos. Isso dificultou a vida nacionalda Itália, uma vez que se tornou conveniente para os estados vizinhos afragmentação italiana.
Maquiavel, em sua obra o príncipe, já falava da necessidade de se unificar a Itália.
Quando se chega a revolução francesa, há uma unificação parcial promovida pelos franceses, no interesse do estado Frances. Porem, quando as guerrasnapoleônicas chegam ao final e ocorre o congresso de Viena para reestruturar aEuropa, a Itália volta a ser divida em 8 estados e desses estados, apenas 1 eragovernado por italianos, o Piemonte. Mas a burguesia do norte italiano ressentiu-se dessa fragmentação. Daí a necessidade de se buscar a unificação
Com se processaria essa unificação, que tipo de estado seria criado. Essas eram asquestões que se discutiam.
Entre 1815 e 1830, as elites italianas continuaram a pensar em termos liberais eiluministas. Queriam unificar o Estado, mas o queriam nenhum tipo deinfluência popular, para evitar a radicalização. As duas ressurreições, com apoio popular de 1820 e 1830 são facilmente controladas.
Em 1830, surge um fator novo nessa história que o José Mazzini, o movimento jovem Itália, formado por republicanos, diferentes daquilo que defendiam osliberai, que queriam forma um Estado a partir da revolução popular. Essesrepublicanos não conseguiram atingir seus objetivos, não conseguiram formar umEstado republicano, mas sua preso foou os liberais a buscarem maisrapidamente a unificação italiana.
O grande impulso dado a esse processo é dado em 1948, quando o rei CarlosAlberto do Piemonte inicia um luta contra os austríacos com vistas a expulsa-los.Ao mesmo que ocorre uma constituição no Piemonte, procura-se explorar afragilidade das posições austríacas. Porém, não recebe os apoios necessários. Oapoio necessário seria o apoio do papa, por outro lado o apoio de Mazzine afastatodos os liberais. Isso enfraquece o rei Carlos Alberto que abdica em favor de seufilho, Vitor Emanuel. Esse fato inicia uma nova fase no processo de unificação.Para sanar a crise política, Vitor Emanuel se volta para uma solução científica, aarte política de Camillo Cavour, que tinha um projeto de unificação na Itália.
Esse projeto estava baseado na premissa de que os italianos, por si só, não teriamforca de promover seus anseios de unificação, o ressurgimento. Era necessárioapoio político das grandes potências européias, e isso faz com que Cavour introduza o Piemonte em todos os grandes acontecimentos da Europa, participa daguerra da Criméia, procura obter o apoio de Napoleão III. Outro apoio queCavour busca é o apoio econômico da Inglaterra, recorrendo aos investimentosingleses. Napoleão III hesitava dar seu apoio aos italianos, todavia acabou sendo persuadido a dar seu apoio ao Piemonte em sua guerra contra a Áustria em 1859.O apoio de Napoleão não foi completo, assinou a paz de Villafranca com os
 
Asutríacos, mas foi suficiente para que o Piemonte anexasse a Lombardia e oreino das Duas Silias com a expedão de Garibaldi e os 1000 camisasvermelhas com o apoio dos pequenos Estados na região, proclamasse, em 1861, acriação do Reino da Itália.
Em três novas etapas o reino da Itália foi tomando a configuração hoje conhecida
A primeira etapa foi em 1867, quando foi anexada a Venécia como resultado daguerra da Prússia com o Império Austríaco. A segunda se deu em 1871, quandoem função da guerra da Franco-prussiana foi anexada Roma.UNIFICACAO ALEMÃ
Assim como a Itália, eram os germânicos divididos entre inúmeros pequenosEstados, quando do Tratado de Westphalia, em 1648, as grandes potencias deEuropa, Francia, Império Austríaco e Suécia, selaram um acordo que pretendiamanter os Estados alemães, mais de 300, divididos.
Essa constelação de Estados se manteve até 1789, com a Revolução Francesa. Aexemplo do que ocorreu com a Itália, na região germânica, também ocorreramunificações parciais, sendo a mais importante delas a formação da Confederaçãodo Reno. Era uma região sensível, de desenvolvimento industrial. Quandoterminam as guerras napoleônicas, a questão dos Estados Alemães se tornaimportante no Congresso de Viena. Durante as Guerras Napoleônicas, foi seformando, nas elites dos estados alemães a idéia quanto a necessidade daunificação da Alemanha. Para os Alemães, a derrota da batalha de Iena, na qual Napoleão fez a declaração do bloqueio continental, foi extremamente impactante.FICHTE, em 1807, escreve os discursos a nação alemã. Hegel, depois,desenvolveu uma filosofia que se centrava na necessidade de se unificar aAlemanha. Na Prússia, em 1810, os setores mais esclarecidos da região, iniciaramum processo de modernização da Prússia. O ministro Stain executou uma reformaagrária de cima para baixo com vistas a liquidar o feudalismo, que afasta ossetores populares e beneficiava os grandes proprietários, os Junkers. Essa reformaagrária modernizou a agricultura, introduziu o regime de assalariamento, tudo issosem contrariar os interesses dos latifundiários. Outro ponto da modernização daPrússia foi a reforma educacional, que reforçava o ensino médio e produzia aformação de técnicos.
O problema da unificação, entretanto, era político. Isso se conclui a partir daverificação de que havia dois Estados que competiam pela unificação daAlemanha, desde o início do processo. Essas potências eram a Prússia e Áustria,que no Congresso e Viena, chegam a um compromisso. Em primeiro lugar haveriaa diminuição dos Estados alemães. A Prússia foi beneficiada com a anexação dediversos micro-Estados. Para se manter o equilíbrio se organizou a confederaçãogermânica em 1815, que era composto por 36 Estados.
A confederação tinha sua sede na cidade de Frankfurt. A representação de cadaestado na Dieta era dada pela do tamanho da população de cada Estado, o quesignifica que a Prússia tinha a maior representação. E para contrabalançar tal
 
influencia prussiana, a presidência foi dada perpetuamente a Áustria. Isso era aexpressão do equilíbrio que se buscou, a ninguém no momento convinha a guerra.
Sabe-se que a unificação alemã se deu em 1870, mas é importante entender quequando a Prússia obtém êxito unificando a Alemanha politicamente e excluindo aÁustria, ela tinha feito isso em grande medida no plano econômico. AUnificação alemã se dá primeiro economicamente.
A questão evolui da seguinte maneira. Os prussianos a partir de 1815, resolvidosas questões de fronteiras, iniciam um grande esforço político-administrativo paraintegraram se território recém conquistado. Esse esforço se dá até 1818, quando se pode dizer que o Estado prussiano está consolidado. A Prússia então começa a propor aos estados gernicos vizinhos a formão de uma área de livrecomercio, para ampliar o mercado. Em 1834, essa área de livre comércio já possuigrande complexidade e os Estados dessa área criam a união aduaneira, chamadaZollverein, que representava 25 Estados e 26 milhões de pessoas. Com oZollveirein as fronteiras praticamente desapareceram.OBS: União aduaneira é uma área de livre comércio na qual se acrescenta uma tarifaexterna comum.
A hipótese da criação de um mercado comum estava na ata do Congresso deViena e os prussianos se antecipam. Os austríacos, quando perceberam que a áreade livre comércio se tornava uma união aduaneira, pediram a Prússia para entrar no grupo, mas isso lhes foi negado. Os austríacos não puderam impedir a criaçãoda União Aduaneira, uma vez que esta estava prevista em Viena.
 No Zollveirein, houve abolição dos direitos alfandegários internos sobre matéria prima, foi adotado um mesmo sistema alfandegário interno em todo o grupo,Houve unificação de moedas pesos e medidas, foi criada uma burocracia parasupervisionar o comércio. No Zollverein, havia o nacionalismo alemão, que tinhasuas diferenças em relação ao Frances.
O nacionalismo francês era de adesão, de acordo com Renan, autor Frances queescreveu o livro, o que é uma nação, nação é um compromisso que se renovadiariamente. É Frances aqueles que desejam ser Franceses e que respeitem as leisfrancesas. A constituição nacional alemã, por outro lado não é de caráter liberal,vai contra ao liberalismo. É alemão quem tem sangue alemão, ser alemão não éum ato de vontade.
Voltando ao Zollveirein. Essa união aduaneira se torna o berço no qual sedesenvolve o capitalismo alemão. Independentemente, da unidade política, emtermos econômicos, há uma única Alemanha.
Em 1848, houve revoluções em todas as partes na Europa, a começar com arevolução de fevereiro na Franca, que terminou por colocar Napoleão III nogoverno francês. Na Alemanha, houve duas revoluções.
o
A revolução em Frankfurt
o
A revolução em Berlin.

Activity (9)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 hundred reads
1 thousand reads
Everton Oliveira liked this
Amanda Barbosa liked this
eerezinho liked this
Marcos Caldas liked this
uc20070890 liked this
pamlima1 liked this
Vamax16 liked this

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->