Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
3Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
oferta sincera2

oferta sincera2

Ratings: (0)|Views: 61 |Likes:
Published by EVENILSON

More info:

Published by: EVENILSON on Aug 10, 2009
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as RTF, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

09/09/2010

pdf

text

original

 
 A “Oferta Sincera” do Evangelho, Parte 2
por
Vincent Cheung 
[Continuação] 
Segue-se que, quando pregando o evangelho, não deveríamosdizer aos nossos ouvintes que Deus ama a todos elesigualmente ou no mesmo sentido, nem deveríamos hesitar emdeclarar que Deus ama somente os eleitos e deseja (e portanto,decretou) sua salvação, e que Ele odeia os réprobos e deseja (eportanto, decretou) sua condenação (Romanos 9:13).Agora, deixe-me sumarizar o entendimento e a atitude bíblicapara com o evangelismo.Somos obrigamos a pregar indiscriminadamente o evangelho atodos os homens por pelo menos três razões: 1. Deus nosmanda pregar o evangelho a todas as pessoas, 2. Não sabemose não deveríamos tentar descobrir de antemão quem são oseleitos e quem são os réprobos, e 3. O propósito da pregaçãodo evangelho não é somente chamar os eleitos, mas tambémendurecer os réprobos.É certo e apropriado anunciar que Deus deseja salvar somenteos eleitos e escolheu somente eles para salvação, e que Eleconcederá somente a eles, de forma que somente elespodem crer. E é certo e apropriado anunciar que Deus desejacondenar os réprobos e os escolheu para condenação, e queEle não reterá somente a fé deles [N.T.: no sentido de não lhesconceder a fé, posto que a fé é um dom soberano de Deus],mas que Ele também ativamente endurecesuas mentescontra o evangelho, fazendo impossível para eles o crer noevangelho.Assim como o devemos e nem podemos descobrir deantemão quem são os eleitos e quem são os réprobos, nemdevem nossos ouvintes tentar determinar por si mesmos seeles estão entre os eleitos ou entre os réprobos, e então, fazerdisto a base se eles devem clamar a Deus por salvação. Emoutras palavras, ao ouvir o evangelho, ninguém deve dizerpara si mesmo, Deus salva somente os eleitos, e euprovavelmente estou entre os probos de qualquer jeito,assim, eu não devo nem mesmo tentar buscar a Deus parasalvação”. Agora, alguém que com teimosia pensa desta forma,
 
mesmo quando confrontado com uma clara explanação doevangelho da gra soberana, pode ser realmente um dosprobos, e Deus escolheu confirmar esta pessoa em suacondenação por meio desta persistente decepção .Ao invés de camuflar ou representar injustamente o decretoeterno de Deus aos nossos ouvintes, quando pregando oevangelho, deveamos explicar-lhes as verdades que mrelevância imediata com respeito ao pecado e a graça, e comrespeito à eleição e a reprovão. Mas mais do que isto,deveríamos apresentar-lhes o inteiro sistema de doutrinasbíblicas, tão claramente e compreensivamente como podemosmanejar e como o tempo permitir (Atos 17:23-31; Mateus28:19-20; Lucas 14:27-33). Então, devemos admoestar nossosouvintes para sinceramente e fervorosamente buscar a Deuspara salvação, através de Cristo, pelos meios de graça, taiscomo oração, ouvir sermões, e a leitura da Bíblia.Visto que seria impossível sinceramente buscar ou clamar aDeus, a menos que Seu poder já esteja operando dentro docoração de uma pessoa, aqueles que deveras obedecem einvocam a Deus sinceramente para lhes salvar através deCristo, certamente estão entre os eleitos, em quem Deus jácomeçou Sua obra soberana de conversão. Mas aqueles queinsinceramente ou superficialmente obedecem, e aqueles queapós um pouco de tempo apostatam, ou aqueles que rejeitamobedecer de qualquer forma, estão entre os não-eleitos, cujasmentes Deus endureceu ainda mais pela pregão doevangelho (2 Coríntios 2:15-16; 2 Tessalonicenses 1:8).Portanto, ao rejeitar a assim-chamada “oferta sincera” doevangelho, a pregação do evangelho não é nem diminuída nemtornada estreita e seletiva. Pelo contrário, o acima exposto éuma aplicação consistente e necessária dos ensinos explícitose implícitos da Escritura com respeito à soberania de Deus, àeleição e reprovação, e à pregação do evangelho. É uma visãobíblica e coerente que valoriza a pregação do evangelho, edeveras a propagação do inteiro sistema de doutrinas bíblicas,a todos os homens em todo lugar. Além do mais, ela reconheceo que a Escritura explicitamente ensina sobre o propósito e oefeito da pregação indiscriminada do evangelho, isto é, chamaros eleitos e endurecer os réprobos.[Leia a parte I]
 
LEITURA RECOMENDADA:
 
Vincent Cheung,
Presuppositional Confrontations 
, chapter 2.Vincent Cheung,
Commentary on Ephesian
Vincent Cheung,
Systematic Theolog
Vincent Cheung,
Ultimate Question
(See www.rmiweb.org)Herman Hoeksema,
The Clark-Van Til Controvers
(See www.trinityfoundation.org)David Engelsma,
Hyper-Calvinism and the Call of the Gospel 
David Engelsma,
Common Grace Revisite
Herman Hoeksema and Henry Danhof,
Sin and Grac
(See www.rfpa.org)Solomon Stoddard,
A Guide to Chris
 Thomas Watson,
Heaven Taken by Stor
William C. Nichols,
The Narrow Wa
Nota sobre o autor:
Vincent Cheung é o presidente da
Reformation Ministries International 
[Ministério Reformado

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->