Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Look up keyword or section
Like this
12Activity
P. 1
Chico Xavier - Libertacao

Chico Xavier - Libertacao

Ratings: (0)|Views: 154 |Likes:
Published by Michelineluz

More info:

Published by: Michelineluz on Aug 13, 2009
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

02/06/2013

pdf

text

original

 
Libertação
Francisco C XavierAndré Luiz
ÍNDICE
Ante as portas livres
 
pag
 CAPÍTULO 1 = Ouvindo elucidaçõesCAPÍTULO 2 = A palestra do InstrutorCAPÍTULO 3 = EntendimentoCAPÍTULO 4 = Numa cidade estranhaCAPÍTULO 5 = Operações seletivasCAPÍTULO 6 = Observações e novidadesCAPÍTULO 7 = Quadro dolorosoCAPÍTULO 8 = Inesperada intercessãoCAPÍTULO 9 = Perseguidores invisíveisCAPÍTULO 10 = Em aprendizadoCAPÍTULO 11 = Valiosa experiênciaCAPÍTULO 12 = Missão de amorCAPÍTULO 13 = Convocação familiarCAPÍTULO 14 = Singular episódioCAPÍTULO 15 = Finalmente, o socorroCAPÍTULO 16 = Encantamento perniciosoCAPÍTULO 17 = Assistência fraternalCAPÍTULO 18 = Palavras de benfeitoraCAPÍTULO 19 = Precioso entendimentoCAPÍTULO 20 = Reencontro
1
 
 
Ante as portas livres
Ante as portas livres de acesso ao trabalho cristão e ao conhecimento salutarque André Luiz vai desvelando, recordamos prazerosamente a antiga lenda egípciado peixinho vermelho.No centro de formoso jardim, havia grande lago, adornado de ladrilhos azul-turquesa.Alimentado por diminuto canal de pedra, escoava suas águas, do outro lado,através de grade muito estreita.Nesse reduto acolhedor, vivia toda uma comunidade de peixes, a serefestelarem, nédios e satisfeitos, em complicadas locas, frescas e sombrias.Elegeram um dos concidadãos de barbatanas para os encargos de rei, e ali viviam,plenamente despreocupados, entre a gula e a preguiça.Junto deles, porém, havia um peixinho vermelho, menosprezado de todos.Não conseguia pescar a mais leve larva, nem refugiar-se nos nichos barrentos.Os outros, vorazes e gordalhudos, arrebatavam para si todas as formaslarvárias e ocupavam, displicentes, todos os lugares consagrados ao descanso.O peixinho vermelho que nadasse e sofresse. Por isso mesmo era visto, emcorreria constante, perseguido pela canícula ou atormentado de fome.Não encontrando pouso no vastíssimo domicilio, o pobrezinho não dispunhade tempo para muito lazer e começou a estudar com bastante interesse.Fêz o inventário de todos os ladrilhos que enfeitavam as bordas do poço,arrolou todos os buracos nele existentes e sabia, com precisão, onde se reuniriamaior massa de lama por ocasião de aguaceiros.Depois de muito tempo, à custa de longas perquirições, encontrou a grade doescoadouro.A frente da imprevista oportunidade de aventura benéfica, refletiu consigo: — “Não será melhor pesquisar a vida e conhecer outros rumos?”Optou pela mudança.Apesar de macérrimo pela abstenção completa de qualquer conforto, perdeuvárias escamas, com grande sofrimento, a fim de atravessar a passagemestreitíssima.Pronunciando votos renovadores, avançou, otimista, pelo rego d’água,encantado com as novas paisagens, ricas de flores e sol que o defrontavam, eseguiu, embriagado de esperança ...Em breve, alcançou grande rio e fêz inúmeros conhecimentos.Encontrou peixes de muitas famílias diferentes, que com ele simpatizaram,Instruindo-o quanto aos percalços da marcha e descortinando-lhe mais fácil roteiro.
2
 
Embevecido, contemplou nas margens homens e animais, embarcações epontes, palácios e veículos, cabanas e arvoredo.Habituado com o pouco, vivia com extrema simplicidade, jamais perdendo aleveza e a agilidade naturais.Conseguiu, desse modo, atingir o oceano, ébrio de novidade e sedento deestudo.De Inicio, porém, fascinado pela paixão de observar, aproximou-se de umabaleia para quem toda a água do lago em que vivera não seria mais que diminutaração; impressionado com o espetáculo, abeirou-se dela mais que devia e foitragado com os elementos que lhe constituíam a primeira refeição diária.Em apuros, o peixinho aflito orou ao Deus dos Peixes, rogando proteção nobojo do monstro e, não obstante as trevas em que pedia salvamento, sua prece foiouvida, porque o valente cetáceo começou a soluçar e vomitou, restituindo-o àscorrentes marinhas.O pequeno viajante, agradecido e feliz, procurou companhias sim páticas eaprendeu a evitar os perigos e tentações.Plenamente transformado em suas concepções do mundo, passou a reparar asinfinitas riquezas da vida. Encontrou plantas luminosas, animais estranhos, estrelasmóveis e flores diferentes no seio das águas. Sobretudo, descobriu a existência demuitos peixinhos, estudiosos e delgados tanto quanto ele, junto dos quais se sentiamaravilhosamente feliz.Vivia, agora, sorridente e calmo, no Palácio de Coral que elegera, comcentenas de amigos, para residência ditosa, quando, ao se referir ao seu começolaborioso, veio a saber que sômente no mar as criaturas aquáticas dispunham demais sólida garantia, de vez que, quando o estio se fizesse mais arrasador, aságuas de outra altitude continuariam a correr para o oceano.O peixinho pensou, pensou... e sentindo imensa compaixão daqueles comquem convivera na infância, deliberou consagrar-se à obra do progresso esalvação deles.Não seria justo regressar e anunciar-lhes a verdade? não seria nobre ampará-los, prestando-lhes a tempo valiosas informações? Não hesitou.Fortalecido pela generosidade de irmãos benfeitores que com ele viviam noPalácio de Coral, empreendeu comprida viagem de volta.Tornou ao rio, do rio dirigiu-se aos regatos e dos regatos se encaminhou paraos canaizinhos que o conduziram ao primitivo lar.Esbelto e satisfeito como sempre, pela vida de estudo e serviço a que sedevotava, varou a grade e procurou, ansiosamente, os velhos companheiros.Estimulado pela proeza de amor que efetuava, supôs que o seu regressocausasse surpresa e entusiasmo gerais. Certo, a coletividade inteira lhe celebrariao feito, mas depressa verificou que ninguém se mexia.Todos os peixes continuavam pesados e ociosos, repimpados nos mesmosninhos lodacentos, protegidos por flores de lótus, de onde saiam apenas paradisputar larvas, moscas ou minhocas desprezíveis.
3

Activity (12)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 thousand reads
1 hundred reads
Erika Botelho liked this
espirita liked this
claudialmts liked this
alxcosta liked this
jorgegranja liked this
patriciaschatz liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->