Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Look up keyword or section
Like this
34Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
O Equilíbrio de Poder

O Equilíbrio de Poder

Ratings: (0)|Views: 2,558 |Likes:
Published by Guilherme Cruz
Décimo primeiro capítulo da obra de Morgenthau, A Política Entre as Nações, que trata sobre o equilíbrio de poder.
Décimo primeiro capítulo da obra de Morgenthau, A Política Entre as Nações, que trata sobre o equilíbrio de poder.

More info:

Categories:Types, Research
Published by: Guilherme Cruz on Aug 14, 2009
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

04/13/2013

pdf

text

original

 
Traduzida
por
Oswaldo Biato
da
edição revisada
por
KENNETH
W.
THOMPSON
Prefácio:
RonaldoM.Sardenberg
Imprensa
Oficial
do
Estado
de São
Paulo
Editora Universidade
de
Brasília
Instituto
de
Pesquisa
de
Relações Internacionais
São
Paulo,
2003
 
CAPÍTULO
XI
O
EQUILÍBRIO
DE
PODER
A
aspiração de poder por parte de
várias
nações, em que cada
uma
tenta manter
ou
alterar
o
status
quo,
leva necessariamente
a
uma
configuração
que é
chamada
de
equilíbrio
de poder,
1
bem
como
a
políticas
que se
destinam
a
preservar esse equilíbrio.
Utili-
zamos
de modo deliberado a palavra "necessariamente", pois aquinosconfrontamoscom o
falso
entendimento básicoque
dificultou
a
compreensão de política internacional e fez com que nos tornás-semos
vítimas
de
equívocos. Esse entendimento equivocado
afir-
ma
que os
homens
m
liberdade
de
optar entre
a
política
de
poder
e a sua
conseqüência necessária,
o
equilíbrio
de
poder,
por
um lado,
e uma
modalidade diferente
e
melhor
de
relações inter-
nacionais,
por outro. Insiste-se que uma política externa baseada
no
equilíbrio
de
poder
constitui
uma
entre várias políticas externaspossíveis
e que
somente homens obtusos
ou
malvados escolherão
a
primeira
e
rejeitarão
a
última.
Mostrar-se-á
nas páginas seguintes que: 1) o equilíbrio in-
ternacional
de poder representa apenas uma manifestação par-
ticular
de um
princípio social
de
ordem geral,
ao
qual todas
as
sociedades compostas
de um
certo número
de
unidades autô-nomas devem
a
autonomia
de
suas partes componentes;
2) o
A
expressão
"equilíbrio
de
poder
1
'
é
usada
no
texto
com
quatro diferentes
sentidos:
(1)
como
uma
política
voltada
para
umcerto
estado
de
coisas;
(2)
como
um
Estado
de
coisas
real;
(3)
como
uma
distribuição
aproximadamente
igual
de
poder;
(4)
como
qualquer
distribuição
de
poder.
Sempre que
estiver
empregado
sem
qualquer
qualifica-
ção,
entenda-se
como
se
referindo
a umestadode coisas
real,
em que o
poder
é
distribuído entre
várias
nações, com uma igualdade aproximada.
Para
o
caso
em que a
expressão
se
refira
a
qualquer
distribuição
de
poder,
ver páginas 400 e seguintes.
 
322
H.
MORGENTHAU
equilíbrio
de
poder
e as
políticas traçadas para preservá-lo
não
o
apenas
inevitáveis,
mas são
também
um
elemento
estabilizador
essencial
em uma
sociedade
de
nações soberanas;
3) a
instabilidade
do
equilíbrio internacional
de
poder deve
ser
debitadanão àimperfeiçãodoprincípio,mas àscondições
par-
ticulares
sob as
quais
o
princípio
tem de
operar
em uma
socie-dade
de
naçõessoberanas.
EQUILÍBRIO
SOCIAL
O
equilíbrio
de
poder como conceito universal
A
concepção
de
"equilíbrio" visto como sinônimo
de
"ba-
lanço"
é
empregada
usualmente
em
muitas ciências tais
como
a
física,
a
biologia,
a
economia,
a
sociologia
e a
ciência poti-
ca.
Ela
significa
estabilidade dentro
de um
sistema composto
de uma
variedade
de
forças autônomas. Sempre
que tal
equi-
líbrio
é
perturbado
por uma
força
externa
ou por uma
mudan-
ça
ocorrida
em um dos
elementos componentes
do
sistema,este último mostra
uma
tendência
a
restabelecer
o
equilíbrio
original
ou um novo equilíbrio.
Este
equilíbrio existe no corpohumano. Embora
o corpo se
modifique
ao
longo
de
todo
o
processo
de
crescimento,
o
equilíbrio será sempre mantido,enquanto
as
alterações sofridas
nos
diferentes órgãos
do
cor-
po não
perturbarem
a
estabilidade deste último. Isso acontece
particularmente
quando as mudanças quantitativas e
qualitati-
vas
nos
diferentes
órgãos
são
proporcionais umas
às
outras.Quando, contudo,
o
corpo
sofre
um
ferimento
ou a
perda
deum
de
seus órgãos
em
virtude
de
interferência externa,
ou
experimenta um crescimento maligno ou uma transformaçãopatológica
de um de
seus órgãos, aquele equilíbrio
é
abalado,
e o
corpo
tenta superar
a
perturbação mediante
o
restabelecimento
do
equilíbrio, quer
no
mesmo nível quer
em

Activity (34)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 hundred reads
1 thousand reads
Fernanda Santos liked this
Louise Müller liked this
Jessica Costa liked this
Sergio Ramos liked this
Daniela Padilha liked this
Carolina Nunes liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->