Welcome to Scribd. Sign in or start your free trial to enjoy unlimited e-books, audiobooks & documents.Find out more
Download
Standard view
Full view
of .
Look up keyword
Like this
0Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Esquenta a produção global de energia solar

Esquenta a produção global de energia solar

Ratings: (0)|Views: 12|Likes:

More info:

Published by: José Eustáquio Diniz Alves on Dec 23, 2013
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

12/23/2013

pdf

text

original

 
Esquenta a produção global de energia solar José Eustáquio Diniz Alves Doutor em demografia e professor titular do mestrado em População, Território e Estatísticas Públicas da Escola Nacional de Ciências Estatísticas - ENCE/IBGE; Apresenta seus pontos de vista em caráter pessoal. E-mail:  jed_alves@yahoo.com.br  O mundo precisa mudar a matriz energética utilizando fontes renováveis e limpas. A possibilidade da produção de combustíveis fósseis atingir o pico da produção em um futuro não muito distantes faz crescer a busca por energias alternativas. A energia solar fotovoltaica (
Photovoltaics - PV)
 é a forma de produção de eletricidade que mais cresce no mundo atualmente. De 1995 a 2013 a capacidade global de produção de energia solar fotovoltaica aumentou mais de 200 vezes, passando de 0,6 gigawatts (GW) para mais de 120 GW. Foi um crescimento exponencial impressionante. Se a produção de energia fotovoltaica mantiver um ritmo de dobrar a capacidade instalada a cada 3 anos, a crise energética da humanidade poderia ser equacionada em até 30 anos. Mas a maior parte dos governos do mundo
 –
 pressionados pelo lobby das empresas petrolíferas
 –
 preferem manter os investimentos e os subsídios aos combustíveis fósseis. Se houvesse um redirecionamento das prioridades as energias alternativas poderiam decolar com mais rapidez. Os cenários até 2017 indicam uma continuidade do crescimento exponencial e variam segundo a perspectiva que segue o crescimento normal dos últimos anos ou a perspectiva com apoio das políticas públicas que pode acelerar o ritmo de crescimento da energia solar.
 
No cenário normal (Business-as-usual) a capacidade instalada chegaria a 284 GW em 2017 (isto seria o equivalente a 20 usinas de Itaipu). No cenário com apoio do poder público (Policy-driven) a capacidade instalada poderia chegar a 419 GW (equivalente a 30 usinas de Itaipu). Segundo relatório da Bloomberg New Energy Finance (BNEF) o preço de uma célula de energia fotovoltaica custava US$ 76,67 por watt em 1977 e caiu para US$ 0,74 por watt em 2013, devendo chegar a US$ 0,64 por watt em 2014. Com preço competitivo e abaixo do preço do carvão mineral, a perspectiva é que o crescimento exponencial da energia solar continue ou até se acelere. A BNEF estima que a capacidade instalada de energia fotovoltaica em 2013 foi de 36,7 GW (o maior crescimento anual de todos os tempos), acima dos 35,5 GW da energia eólica (que, por sua vez, teve o menor crescimento dos últimos 5 anos). Neste ritmo, o mundo teria muito energia limpa até 2040 e o clima se beneficiaria dráticamente pela redução dos gases de efeito estufa provocados pela queima de combustíveis fósseis. Países com Alemanha e China estão investindo pesadamente na pesquisa e na tecnologia de produção de energia solar. Estes países vão ganhar duplamente, pois além se livrar de combustíveis poluidores, vão poder exportar conhecimento e equipamentos solares. Enquanto o mundo avança na produção de energias eólica e solar, o Brasil se atola na produção de petróleo do pré-sal, que além de ser um combustível do passado, contribui para o aquecimento global e a poluição da terra, da água e do ar. E para contrariar os críticos, o governo anuncia que fará as primeiras explorações do chamado gás de xisto com todas as suas consequências nefastas. O Brasil, que pela área geografia e localização, é potencialmente favorável ao desenvolvimento de sistemas fotovoltaicos, convive com um atraso nesta área em relação a outras nações. Nosso país poderia
ser a “Arábia
 
Saudita” da energia renovável. Mas para tanto precisa
ria investir e planejar o aumento da capacidade instalada para aproveitar, gratuitamente, a enorme força dos ventos e o intenso calor do sol, dádivas que a natureza nos brindou.

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->