Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more ➡
Download
Standard view
Full view
of .
Add note
Save to My Library
Sync to mobile
Look up keyword
Like this
237Activity
×
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
CLÍNICA CIRÚRGICA 2

CLÍNICA CIRÚRGICA 2

Ratings: (0)|Views: 69,716|Likes:
Published by bertoldo martins

More info:

Published by: bertoldo martins on Sep 02, 2009
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, DOCX, TXT or read online from Scribd
See More
See less

07/30/2013

pdf

text

original

 
1.
APRESENTAÇÃO
O presente trabalho, direcionado ao processo de qualificação de auxiliares deenfermagem, abrange os conteúdos de enfermagem em centro de material e cirúrgico,bem como clínica cirúrgica e emergências.Em sua concepção, tentou-se contemplar as diferentes realidades brasileiras – nasquais existem desde hospitais de grande complexidade, dispondo de recursostecnológicos os mais modernos, até instituições de atendimento básico que, em seu dia-a-dia, realizam apenas pequenos procedimentos. Tendo em vista tal diversidade, o docentedeve, na aplicabilidade do texto, enfatizar as técnicas regionalmente mais utilizadas.Considerando-se que no desenvolver da atuação profissional, quer seja por excessode trabalho, quer seja pelas inúmeras adversidades encontradas para o bomdesenvolvimento do mesmo, o raramente observamos a ocorncia de atitudesantiéticas, falta de respeito aos direitos e valores dos usuários e/ou seus familiares, bemcomo ausência da perspicácia necessária para a lide diária com o sofrimento do serhumano, achamos conveniente repassar algumas noções sobre os aspectos ético-legaisimplícitos à sua profissão - as quais, para melhor aprofundamento, exigem a atenta leiturado Código de Ética específico.Esperamos que nosso empenho em elaborar este material didático não tenha sidovão. Por parte dos educandos, os auxiliares de enfermagem, acreditamos que o esforço desua participação no curso e na absorção do presente material lhes seja gratificanteprimeiramente por possibilitar uma profissão digna e efetivamente importante para acomunidade; e conclusivamente por lhes viabilizar maiores subsídios tecno-operacionaisque os qualifiquem a exercer com maior confiabilidade, entendimento e segurança o seumister: o auxílio àqueles que, fragilizados, estão em desfavorável situação de saúde.
2.CENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO (CME)
Na Central de Material Esterilizado (CME) érealizado o preparo de todo o material estéril a serutilizado no hospital. Para tanto, é composta pelasáreas de recepção, limpeza, preparo, esterilização,guarda e distribuão dos materiais esterilizadosutilizados pela equipe de saúde no atendimento aocliente.Na estrutura do estabelecimento de saúde, aCME é uma unidade importante porque oferece àequipe de saúde materiais estéreis em condiçõesadequadas ao seu desempenho técnico, bem comoproporciona ao cliente um atendimento comsegurança e contribui para que a instituiçãoproporcione uma assistência com efetiva qualidade.Alguns estabelecimentos de saúde preparam e acondicionam os materiais que cadaunidade utiliza de forma descentralizada; outros, centralizam todo o seu material parapreparo na Central de Material o qual, geralmente, constitui-se no método mais
 
comumente encontrado. Uma outra tendência é a terceirização da esterilização demateriais, principalmente por óxido de etileno, haja vista a necessidade de condições desegurança especiais para sua instalação e manuseio.Esta centralização do processo - limpeza, seleção, acondicionamento, esterilizaçãoe distribuição do material esterilizado para as unidades e centro cirúrgico – apresenta avantagem de padronizão das cnicas de processamento de material esril,contribuindo para a qualidade deste e favorecendo a economia de pessoal, material etempo.Idealmente, a CME deve ter sua estrutura física projetada de forma a permitir ofluxo de materiais da área de recepção à de distribuição, evitando o cruzamento dematerial limpo com o contaminado. A receão do material sujo e para limpeza éseparada da área de preparo do material e esterilização, bem como da área dearmazenamento e distribuição. Esses cuidados na estrutura e fluxo proporcionamcondições adequadas de trabalho à equipe de saúde, diminuindo o risco de preparoinadequado do material, com presença de sujidade ou campos com cabelo, linhas, agulhasde sutura e outras falhas. Também em relação ao ambiente, é importante que as paredes e o piso sejam decor clara e fácil limpeza; e as janelas amplas, de forma a proporcionar uma iluminaçãoque possibilite o bom trabalho na unidade.Quanto à localização, este serviço deve estar situado o mais próximo possível dasunidades que mais utilizam os seus materiais - como o centro cirúrgico e obstétrico, opronto-socorro e a terapia intensiva -, o que facilita a circulação dos mesmos. Adistribuição do material estéril para o centro cirúrgico pode ser realizada por monta-cargas ou carrinhos que propiciem a proteção do material estéril.A adoção deste cuidado diminui sobremaneira a possibilidade de contaminaçãodurante o trajeto. Todos os cuidados que a equipe da CME tem em relação à estrutura física e àstécnicas de esterilização dos materiais visamdiminuir os riscos de infecção, que, além de
 
outras complicações, acarretam sofrimento ao cliente, bem como um tempo maior deinternação.Atualmente, em decorrência do avanço tecnológico,grande parte dos materiais hospitalares eso sendosubstituídos por materiais descartáveis, que apresentam asvantagens de estarem prontos para uso, diminuirem aincidência de infecção hospitalar - com baixo custo para ainstituição - e proporcionarem segurança e conforto tantoao cliente como aos profissionais de saúde.
Fluxo do processamento de material esterilizado
Os materiais das diferentes unidades chegam ao CME através da área de recepção.De acordo com a rotina da instituição, os materiais recebidos são anotados em umcaderno ou ficha de controle pertinente a cada unidade. Os que estiverem limpos sãoencaminhados para a área de acondicionamento, onde serão preparados; os sujos ficamno expurgo, para lavagem.No expurgo ocorre o processo de lavagem do material sujo encaminhado ao CME cuja atuação é muito importante, pois se o material não for lavado de forma correta aesterilizão o se processa adequadamente; conseqüentemente, permanececontaminado, oferecendo riscos ao cliente.Os materiais sujos de matéria orgânica (sangue, pus e outras secreções corpóreas)devem ficar imersos em detergentes enziticos por cerca de 3 a 5 minutos (verrecomendação do fabricante), tempo necessário para desagregar a matéria orgânica.Devem ser colocados abertos ou desconectados em recipiente não-metálico, tendo-se ocuidado de evitar que materiais diferentes (borracha, instrumentais, vidros) sejam postosno mesmo recipiente.Após esta etapa, a limpeza do material pode ser feita com água, sabão e escova decerdas, ou através de máquinas de limpeza, já que os abrasivos - como esponja de aço ousaponáceo - danificam o material. Para cada tipo de material existe uma técnica delavagem que assegurará que o mesmo chegue à área de preparo em perfeitas condiçõesde limpeza. Quando da lavagem, deve-se escovar as ranhuras, articulações e dentes decada pinça, bem como injetar as soluções no interior das cânulas e sondas.Após o enxágüe, onde todo o sabão deve ser retirado, os materiais devem ser secoscom pano, máquina secadora ou ar comprimido, e posteriormente encaminhados para aárea de preparo.Nesta área, é indispensável o uso de equipamento de proteção individual (EPI)constituído por luvas grossas de cano longo, óculos de proteção, máscara e aventalimpermeável longo; além disso, deve-se proteger o calçado com algum tipo de capa, ouutilizar botas de borracha, o que favorece a protão dos s. Esses cuidados oabsolutamente necessária pelo fato de que o material a ser lavado é consideradocontaminado; assim, deve-se tomar todas as precauções para evitar a contaminação dofuncionário.Os funcionários da área de preparo de material são responsáveis pela inspeção dalimpeza, condições de conservação dos materiais e funcionalidade dos instrumentais, bemcomo o acondicionamento e identificação dos pacotes, caixas e bandejas. Entre suasatividades, cabe separar os materiais danificados, para posterior substituição. Durante o
Monta-cargas é umminielevador privativo, utilizadopara a comunicação entre essessetores; em algumas instituiçõesexiste um para transporte dematerial contaminado e outro

Activity (237)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 hundred reads
1 thousand reads
Brandainy Gomes liked this
Sidnei Arruda de Melo added this note|
mto bom adorei
Fernanda Rayller liked this
Joao Guilherme added this note|
O site tem muitos assuntos interessantes, mas seria bom que desse pra fazer download.
Lucia Costa added this note|
adorei,muito interessante

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->