Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
5Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
A CORRELAÇÃO ORTOGRAFIA x PRONÚNCIA

A CORRELAÇÃO ORTOGRAFIA x PRONÚNCIA

Ratings: (0)|Views: 513 |Likes:
Published by Mia

More info:

Published by: Mia on Sep 12, 2009
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/20/2012

pdf

text

original

 
A CORRELAÇÃO ORTOGRAFIA x PRONÚNCIA
 
Além das diferenças fonéticas entre os dois idiomas, temos a questão da interpretação ortográfica. Isto é, com quesons devemos interpretar as letras de um texto. Em primeiro lugar, a interpretação da ortografia em inglêsapresenta diferenças em relação ao português. Em segundo lugar, e mais importante, a correlação entre ortografiae pronúncia em inglês é notoriamente irregular no âmbito das vogais. Quer dizer: o mesmo grafema (letra) nãocorresponde sempre ao mesmo fonema (som), isto é, não tem sempre a mesma interpretação, a mesmapronúncia. Para o estrangeiro que está estudando inglês, que tem contato com textos mas não tem a oportunidadede contato freqüente com a língua falada, portanto, que não desenvolveu familiaridade com a forma oral do inglês,a interferência da ortografia na pronúncia das palavras é nociva e persistenteEm seu prefácio à peça Pygmalion (1912), o dramaturgo Bernard Shaw escreve:The English have no respect for their language, and will not teach their children to speak it. They cannot spell itbecause they have nothing to spell it with but an old foreign alphabet of which only the consonants - and not all of them - have any agreed speech value.É importante lembrar que as pessoas por natureza acreditam mais naquilo que vêm do que naquilo que escutam.No estudo do inglês como língua estrangeira, entretanto, temos que nos acostumar a não acreditar no que vemos;e o ditado popular ver para crer precisa ser substituído por ouvir para crer. Em muitos casos e, especialmente comas vogais, a ortografia não serve como indicativo de pronúncia, chegando a ser enganosa e induzindo o alunofreqüentemente ao erro. Vejamos como exemplo o grafema oo.boot - [buwt]book - [bUk]blood - [blâd]brooch - [browtsh]Imagine-se alguém que acabou de aprender a pronúncia da palavra book /bUk/. Muito provavelmente ele irápronunciar /blUd/ para blood /blâd/. Uma vez corrigido, bem poderá aplicar a nova regra e pronunciar /bât/ paraboot /buwt/, ou talvez /mân/ para moon /muwn/, e assim por diante.Outro exemplo notório de interferência da ortografia na pronúncia, é a pronúncia do sufixo _ed referente aopassado:play [pley] - played [pleyd]need [niyd] - needed [niydId]work [wârk] - worked [wârkt]Veja mais sobre isso em: O sufixo de passado ...ed.A constante frustração para o aluno principiante de inglês pode ser facilmente demonstrada pelos exemplos abaixo:OBS.: O fonema vogal neutro do inglês conhecido por "schwa", tradicionalmente representado pelo símbolo //, éaqui representada por /â/, devido às limitações da linguagem HTML.bough - [baw]cough - [khóf]dough - [dow]rough - [râf]through - [thruw]hiccough - [hIkâp] oblige - [âblaydzh]obligation - [ablâgeyshân]obligatory - [âblIgâthowriy]knife - [nayf]fruit - [fruwt]island - [aylând]psychology - [saykhalâdzhiy] country - [khântriy]county - [khawntiy]knowledge - [nalIdzh]sew - [sôw]chaos - [kheyaz]occur - [âkhâr]vehicle - [viyâkâl]wound - [wuwnd]Embora a irregularidade seja mais acentuada nas vogais, também pode ser observada nas consoantes. Ex:check - [tshék]chocolate - [tshaklât]-----------------------------machine - [mâshiyn]Chicago - [shâkhagow]----------------------------
 
chaos - [kheyaz]characteristic - [khærâktârIstIk]Exemplos não faltam para demonstrar a péssima correlação entre ortografia e pronúncia no inglês. Mazurkiewiczfaz um interessante comentário a respeito:Comparando línguas quanto a correspondência entre grafemas (ortografia) e fonemas (pronúncia), veremos queespanhol, finlandês e italiano têm uma ótima correlação, alemão apresenta uma correlação de 90 por cento e russo94 por cento. Italiano, por exemplo, tem 27 fonemas e 28 letras ou combinações de letras para representá-los.Dividindo 27 por 28, podemos dizer que italiano tem uma correlação de 96 por cento entre pronúncia e ortografia.No caso do inglês, entretanto, um breve estudo da ortografia usada em dicionários completos mostra haver de 340a 360 formas de ortografar os 44 fonemas que os mesmos dicionários usam. Isto nos leva a concluir que inglêsapresenta uma correlação de apenas 12 a 13 por cento. (21, minha tradução)D’Eugenio inclusive encontra uma explicação para isso:O processo de padronização da língua inglesa iniciou em princípios do século dezesseis com o advento da litografia,e acabou fixando-se nas presentes formas ao longo do século dezoito, com a publicação dos dicionários de SamuelJohnson (1755), Thomas Sheridan (1780) e John Walker (1791). Desde então, a ortografia do inglês mudou emapenas pequenos detalhes, enquanto que a sua pronúncia sofreu grandes transformações. O resultado disto é quehoje em dia temos um sistema ortográfico baseado na língua como ela era falada no século 18, sendo usado pararepresentar a pronúncia da língua no século 20. (319, minha tradução)O OUTRO LADO DA MOEDANão é apenas a pronúncia que torna-se difícil para os estrangeiros, estudantes de inglês, mas também a ortografiase constitui num verdadeiro problema para todos aqueles que falam inglês como língua mãe, especialmente paraas crianças em escola de primeiro grau. Nos países de língua inglesa todo jovem cedo defronta-se com estaaparente falta total de lógica no sistema ortográfico da língua cujos sons ele já tem assimilados. O problema temsido alvo de iniciativas diversas. Por volta de 1960, por exemplo, foi criado na Inglaterra um alfabeto fonético de 44caracteres para facilitar o aprendizado da língua escrita. O ITA (Initial Teaching Alphabet) não passou de uma dasinúmeras tentativas de se encontrar uma solução para o problema.Mesmo Chomsky e Halle, que defendem um ponto de vista diferente quando escrevem queA ortografia do inglês, apesar de sua inconsistência freqüentemente mencionada, chega muito próxima de ser umsistema perfeitamente adequado ao inglês. (49, minha tradução)também admitem queOrtografia é um sistema projetado para leitores que conhecem a língua, que compreendem suas frases e portantotêm domínio sobre a estrutura superficial das frases. (49, minha tradução)Mais adiante os mesmos autores acrescentam:Um sistema deste tipo é de pouca utilidade para aquele que busca apenas comunicar-se de forma tolerável, sempropriamente conhecer a língua. (49, minha tradução)CONCLUSÃOA interferência negativa da ortografia é um problema sério; uma das principais dificuldades para estudantes deinglês em geral. Esta desconcertante falta de correlação entre ortografia e pronúncia, sendo uma das principaiscaracterísticas do inglês, serve como argumento contra aquilo que ainda predomina no ensino de línguas:preocupação excessiva com materiais impressos e contato prematuro com a língua na sua forma escrita. Servetambém como forte argumento em favor de abordagens baseadas em assimilação natural ao invés de estudoformal da língua, para se alcançar fluência.Por outro lado, apesar da extrema irregularidade entre a ortografia e a pronúncia do inglês, encontra-seregularidade na interpretação de consoantes e é até mesmo possível estabelecer algumas regras de interpretaçãode vogais em palavras monossilábicas.
PRONÚNCIA DE LETRAS VOGAIS EM INGLÊS, EM PALAVRASMONOSSILÁBICAS
SPELLING-TO-SOUND RULES FOR ENGLISH VOWELS IN ONE-SYLLABLEWORDS
 
 Atualizado em 18 de junho de 2004
In spite of all that has been said about theheavy irregularity between spelling andpronunciation, we do find some regular patterns in this area. Several grapheme tophoneme relationships can bedemonstrated and presented as spelling-to-sound rules to provide a little light at theend of the tunnel. It's worth rememberingthat the occurrence of one-syllable words inEnglish is very high, as we demonstrated inour study aboutphonetic signalling.
 
The dialect used in this paper is theGeneral American English.OBS.: The English neutral vowel phoneme"schwa", traditionally represented by thecharacter //, is here represented by /
â
/because of HTML editing limitations.Apesar da extrema irregularidade entre aortografia e a pronúncia do inglês -principalmente no âmbito das vogais - épossível se encontrar uma certaregularidade na pronúncia das letrasvogais, quando estas ocorrem em palavrasmonossilábicas. Embora limitadas e deutilidade questionável, essas regras,quando apresentadas ao aluno iniciante,podem ter o efeito positivo de demonstrar que nem tudo está perdido. É bom lembrar entretanto que a ocorrência de palavrasmonossilábicas em inglês é muito alta,como demonstramos em nosso estudosobre sinalização fonética.
 
O dialeto analisado neste estudo é oGeneral American English.OBS.: O fonema vogal neutro do inglêsconhecido por "schwa", tradicionalmenterepresentado pelo símbolo //, é aquirepresentada por /
â
/, devido às limitaçõesda linguagem HTML.
A
1
. The grapheme "a" represents thephoneme
a
as in
father 
, when it isfollowed by an "r" in spelling.
A
1
. A letra "a" representa o fonema (som)
a
, como em
father 
, sempre que for seguida da letra "r" na ortografia.
Examples:
 
bar, bark, car, card, cart, far, farm, jar, scar, scarf, star, start, tar 
Exceptions:
 
war 
/wor/ 
,
ward 
/word/ 
,
warm
/worm/ 
,
warn
/worn/ 
,
warp
/worp/ 
2
. The grapheme "a" represents thephoneme
 
/
e
/ as in
 pet 
, when the spellingof the word ends with "_re".
2
. A letra "a" representa o fonema /
e
/,como em
 pet 
, sempre que a palavra, nasua forma ortográfica, terminar em "_re".
Examples:
 
bare, care, dare, fare, scare, stare, tare
Exception:
 
are
a
3
. The grapheme "a" represents thephoneme /æ/ as in
map
, when the spellingof the word ends with a consonant other than "r".
3
. A letra "a" representa o fonema /æ/,como em
map
, sempre que a palavra, nasua forma ortográfica, terminar numaconsoante que não "r".
Examples:
 
at, back, bad, bath, can, cap, fad, fat, glad, hat, Jack, lack, lad, mad, man, mat, pal, pan, rack, rat, Sam, shack, tack, tap, van, whack 
Exception:
 
was
/wâz/ 
,
/w 
a
z/ 

Activity (5)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 hundred reads
1 thousand reads
Ramiro Almeida liked this
Ramiro Almeida liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->