Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Look up keyword
Like this
38Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Teoria Geral Do Direito Privado

Teoria Geral Do Direito Privado

Ratings: (0)|Views: 5,411|Likes:
Published by jessicasoster

More info:

Published by: jessicasoster on Sep 22, 2009
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

04/03/2014

pdf

text

original

 
TEORIA GERAL DO DIREITOPRIVADO
TEORIA GERAL DO DIREITO:
O Direito é um discurso de convencimento, com base em argumentos (sãoprodutos do raciocínio para se fazer entender o que esta sendo dito) que tentamprovar o quão certo esta esse discurso. Podemos ver o Direito como um sistema,onde os elementos componentes são independentes, e ao mesmo tempo seintegram entre si, se mexer em um todos os outros são atingidos. O sistema dodireito pode ser considerado Diketrópico, pois tem uma tendência para a justiça(o nome Diketropico tem origem na deusa grega Dike, que tentava fazer justiçaatravés do convencimento), e Autopoiético, pois cresce por si mesmo (o direitocria a si mesmo).Os elementos constitutivos do sistema do Direito são em ordemhierárquica:
Valores:
ideais inatingíveis porém, idealmente justos:
Igualdade;
Liberdade;
Segurança jurídica;
 Justiça: visa tratar igualmente os iguais e desigualmente osdesiguais. É o principal valor e os outros estão todos abaixo, poremno mesmo plano.
Princípios:
regras muito amplas que servem de base para outras ilações(deduções), princípios o baseados em uma racionalidade ou gica. Ex.:Ninguém pode transferir o que não tem. Ou então frases de conteúdo ético. Ex.:Não cobiçar a mulher do próximo. Estes são exemplos de princípios jurídicos,donos de uma regra de caráter amplo, e um conteúdo bastante variável, que nãopossui muita discussão, mas não são os mesmos dos princípios gerais do Direito.
 JUSTIÇIGUALDASEG. LIBERDADE
Obs.: Princípios Gerais do Direito: É um grupo de pensamentos pertencentesà escola positivista. Visões do Direito:
 Jus naturalismo: o direito existe, pois é uma revelação divina,que parece com normas emanadas por um ente superior. Ex.: osmandamentos de Moises. Com o passar do tempo esta escolaevoluiu e ela se transformou em “racionalismo”, o Direitoé produto do raciocínio humano, ou o Direito é produto darazão;
 Jus positivismo: o Direito nada mais é que regras que a classedominante impôs, direitos impostos, colocados por outraspessoas para serem exercidos;
 Jus Historico-Sociologico: o Direito é um produto da evolução
 
Normas:
Norma
 
é uma palavra polismica, multisignificativa. oproposições que tem na sua simplificação uma estrutura especial ou bimembre(dois membros). Todas as normas quando reduzidas chegam a uma HipóteseNormativa (se e quando acontece algo), que estipula um fato possível, osfilósofos a definem como um antecedente da lei e é representada por: Se equando acontece algo=>gera uma conseqüência (efeito, eficácia, sanção). Ex.:Se alguém mata alguém deve haver prisão de seis a doze anos/ Se alguém nascecom vida ele ganha personalidade. A norma é uma construção intelectual, umainterpretação da lei, que trata todos como iguais, quando alguém desrespeitauma lei, é preciso interpretá-la, compreende-la, criando uma norma que vaimostrar a maneira como a lei deve ser aplicada. As normas criadas fazem parteda jurispruncia, quando um jurista precisa decidir algo, ele busca na jurisprudência para ver como que outros juristas procederam em situaçõesantigas semelhantes. As normas duram ate que alguém construa outrasmelhores e, todos nos somos capazes de melhorar as normas. Não existemnormas obrigarias, quando alguém as desrespeita, sofre uma saão(conseência). Exemplo de criação de diferentes normas a partir de umamesma lei: no caso do Crime de Sedução, a lei é a mesma de 50 anos atrás,porem hoje é interpretado de maneira diferente. A fuão do advogado éconvencer o juiz de que ele esta certo, justificando normas. As normas jurídicaspodem ser publicas (quando contidas na lei, sentenças e atos administrativos), eprivadas (quando nos contratos).
Conceitos Básicos:
para obter coerência no sistema do Direito é necessáriofixar conceitos básicos, isto é muito importante para obter uma coerência entrevalores, princípios e normas. Os fatos quando acontecem devem ser vistos comuma vio de Direito. Ex.: A batida (peixada) de Marau. O sistema visa oequilíbrio das relações sociais, a homeostase social (equilíbrio no movimento),não se deve esquecer que a sociedade também esta em movimento. O sistematambém visa à divisão equitativa dos bens do mundo, de modo que terminemaas classes sociais. O Direito é incompatível com a força, aonde há força não háDireito e vice-versa. O Direito tem uma sanção, somente no Direito Penal, algunsautores dizem que o Direito é sancionativo (
CUIDADO
), O Direito não temconotação de castigo, somente uma parte do Direito tem essa característica, oPenal, isso não pode fazer defini-lo como um todo.
Fontes do Direito ou Fontes das Normas Jurídicas :
a compreensão danatureza e eficácia das normas jurídicas pressupõe o conhecimento das suasfontes. O Direito tem sua origem nas leis, nos costumes, na jurisprudência, e nasdoutrinas.1.Costume: repetição de uma norma não escrita ao longo do tempo éuma norma que passa de boca em boca pela tradição. Ex.: Apedrejara mulher adultera. É muito semelhante à norma. O costume só podeservir como fonte do Direito e construir uma norma quando não hálei para regular o acontecimento ou atitude por isso diz-se que teminstrução supletiva. O costume só tem validade se tiver mais de cemanos.2.Jurispruncia: a sentença de um juiz muda de um lugar para ooutro. A sentença é um discurso de convencimento diluído emrelatório, argumentação e decio. As decies dos juízes obaseadas no conhecimento dele e nada mais o do que aconstrução de uma norma. Ao recorrer a uma sentença, a sentençavai para o tribunal de justa, este é formado por três juízes
 
(chamados de desembargadores), estes juízes julgarão novamente ocaso e darão uma nova sentença, chamada de acórdão. O conjuntodas decisões dos tribunais, “os acórdãos”, forma a jurisprudência.Ex.: a jurisprudência do Rio Grande do Sul são os acórdãos julgadosno Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, porém as sentençasemitidas por este Tribunal são pouco usuais, ou seja, não são usadaspara se formarem normas, pois tem menos força.3.Doutrina: o trabalhos feitos sobre a maria, executados pelos juristas, ou estudiosos do tema. Silvio Rodrigues, por exemplo, é umdos estudiosos que formam as doutrinas do Direito.Obs.: a diferença entre Doutrina e Teoria esta em que a primeira engloba osconjuntos de idéias que não se submetem apenas as regras da lógica ou a provados fatos, mas se apresentam estreitamente vinculados com aspirões,sentimentos e preferências, Teoria representa os complexos de idéias ounoções que se sujeitam aos critérios gicos e a verificação dos fatos compossibilidade de revisão e melhor ajustamento a realidade.4.Lei: é uma fonte escrita em um papel, emanada pelo podercompetente. Começa por um político, alguém que representa umaparcela do povo e propõe um projeto de lei, os demais discutempropõem emendas, suprimem, aprovam ou desaprovam o projeto delei. Depois de aprovada a lei, ela vai para as mãos do chefe do poderexecutivo que pode aprovar (sancionar), ou vetar parcialmente outotalmente a lei. Havendo veto a lei volta novamente para a câmeraque vota em derrubar o veto, essa votação deve possuir no mínimo2/3 do quorum, ai a lei é promulgada, que é a certeza que o projetode lei cumpriu todos os passos anteriores, devendo eno serpublicada para que todos aqueles que tenham interesse emconhecer as leis possam ter acesso. Todos nos somos obrigados asaber ou no mínimo ler as leis. Publicar não significa imprimir e simtorná-la conhecida por todos. A lei sempre pretende regularcomportamento. A lei é somente o ponto de partida, igual a todos osoutros pontos para formar a norma. A lei é um texto sujeito ainterpretações diversas, uma simples frase diz coisas diferentes acada um. A política persegue o poder a lei serve a política. A partirda data de vigência é que a lei passa a ter validade. A lei é umconjunto ordenado de regras que se apresenta como um textoescrito. Caracteriza-se por ser estatal, geral, e permanente. Estatal,no sentido de ato do Estado, pelo seu poder legislativo; obrigatória,porque se impõe a vontade dos destinatários, que a devem observare respeitar, sob a pena de sanção; geral porque se dirige a todos e acada um indeterminadamente; permanente porque dispõe para ofuturo, em princípios sem limitação de tempo. A lei é assim, um atodo poder legislativo que estabelece normas de comportamentosocial. Pra entrar em vigor, deve ser promulgada e publicada noDiário Oficial.PublicaçãoEste período ate que a lei entre em vigor se chamaVACATIO LEGIS

Activity (38)

You've already reviewed this. Edit your review.
shinkar09 liked this
1 thousand reads
1 hundred reads
Frater Knecht liked this
Graziela Ronconi liked this
Thiago Leroz liked this
ecfp liked this
storm1983 liked this

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->