Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more ➡
Download
Standard view
Full view
of .
Add note
Save to My Library
Sync to mobile
Look up keyword
Like this
1Activity
×
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
gestão em redes_potencialidades e desafios da experiência brasileira

gestão em redes_potencialidades e desafios da experiência brasileira

Ratings: (0)|Views: 961|Likes:
O objetivo central do texto é analisar as potencialidades e
desafios da gestão em rede no Terceiro Setor com vistas ao encaminhamento e solução dos problemas sociais, dando especial ênfase ao caso brasileiro. Para tal, apresentamos um panorama explicativo da emergência de tal concepção, bem como os elementos característicos
das redes sociais. Após isso, realizamos uma análise dos
elementos fundamentais da gestão em rede, seguida da investigação sobre as potencialidades e desafios que tal arquitetura implica.
Por fim, procuramos aplicar os conceitos desenvolvidos na análise do desenvolvimento das redes de políticas sociais no Brasil.
O objetivo central do texto é analisar as potencialidades e
desafios da gestão em rede no Terceiro Setor com vistas ao encaminhamento e solução dos problemas sociais, dando especial ênfase ao caso brasileiro. Para tal, apresentamos um panorama explicativo da emergência de tal concepção, bem como os elementos característicos
das redes sociais. Após isso, realizamos uma análise dos
elementos fundamentais da gestão em rede, seguida da investigação sobre as potencialidades e desafios que tal arquitetura implica.
Por fim, procuramos aplicar os conceitos desenvolvidos na análise do desenvolvimento das redes de políticas sociais no Brasil.

More info:

Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See More
See less

02/01/2013

pdf

text

original

145
Gest\u00e3o em Redes: Potencialidades de Desafios da Experi\u00eancia Brasileira
Anota\u00e7\u00f5es:
GEST\u00c3O EM REDES: POTENCIALIDADES E DESAFIOS DA
EXPERI\u00caNCIA BRASILEIRA
Marcos Bernardi
Paulo Malvasi
Resumo:

O objetivo central do texto \u00e9 analisar as potencialidades e desafios da gest\u00e3o em rede no Terceiro Setor com vistas ao encami- nhamento e solu\u00e7\u00e3o dos problemas sociais, dando especial \u00eanfase ao caso brasileiro. Para tal, apresentamos um panorama explicativo da emerg\u00eancia de tal concep\u00e7\u00e3o, bem como os elementos caracte- r\u00edsticos das redes sociais. Ap\u00f3s isso, realizamos uma an\u00e1lise dos elementos fundamentais da gest\u00e3o em rede, seguida da investiga- \u00e7\u00e3o sobre as potencialidades e desafios que tal arquitetura implica. Por fim, procuramos aplicar os conceitos desenvolvidos na an\u00e1lise do desenvolvimento das redes de pol\u00edticas sociais no Brasil.

Parte III \u2013 Operacionaliza\u00e7\u00e3o do Terceiro Setor
146
O Terceiro Setor em Perspectiva
Anota\u00e7\u00f5es:
Introdu\u00e7\u00e3o

O termo rede tem figurado cada vez mais como parte do cotidiano dos indiv\u00edduos e das tem\u00e1ticas de estudo no interior das ci\u00eancias sociais. Fala-se em sociedade em rede, gest\u00e3o em rede, rede de relacionamentos, \u201cnetwork marketing\u201d, etc. A met\u00e1fora tem se expandido ainda mais a partir da Internet, que incorpora o conceito de rede em diversas dimens\u00f5es.

No enfrentamento das quest\u00f5es sociais e na elabora\u00e7\u00e3o das pol\u00edticas e a\u00e7\u00f5es sociais os termos rede de pol\u00edticas sociais e rede de a\u00e7\u00f5es sociais tamb\u00e9m passaram a compor o cen\u00e1rio das pro- postas te\u00f3ricas e experi\u00eancias, notadamente a partir da d\u00e9cada de oitenta. Sua prolifera\u00e7\u00e3o \u00e9 explicada a partir de diversos fatores, pol\u00edticos, econ\u00f4micos e sociais.

No campo pol\u00edtico, s\u00e3o apontados fatores tais como a crise dos modelos neoliberal e do Welfare State, bem como a perda de poder do Estado-Na\u00e7\u00e3o no bojo do processo de globaliza\u00e7\u00e3o, que trariam a necessidade de novas formas de organiza\u00e7\u00e3o para o enfrentamento dos problemas sociais.

No campo econ\u00f4mico, este mesmo processo de globaliza\u00e7\u00e3o estaria levando \u00e0 necessidade de reestrutura\u00e7\u00e3o dos modelos e estrat\u00e9gias produtivas, a fim de se adaptar \u00e0s maiores exig\u00eancias de flexibiliza\u00e7\u00e3o e interdepend\u00eancia dos mercados e economias transnacionais.

Por fim, do ponto de vista social e cultural, a crise dos ins- trumentos tradicionais de encaminhamento de demandas e re- presenta\u00e7\u00e3o pol\u00edtica, basicamente os partidos, estaria levando os indiv\u00edduos a buscar novas formas de a\u00e7\u00e3o local integradas ao pa- norama global, formas que se concretizariam no modelo de redes de a\u00e7\u00e3o social.

Contudo, em que consiste este novo modelo, as redes de pol\u00edticas sociais? Quais suas potencialidades e desafios? Quais as especificidades do caso brasileiro? Estas s\u00e3o quest\u00f5es em aberto e extremamente recentes.

147
Gest\u00e3o em Redes: Potencialidades de Desafios da Experi\u00eancia Brasileira
Anota\u00e7\u00f5es:
O objetivo deste artigo \u00e9 justamente oferecer subs\u00eddios para
a resposta das tr\u00eas indaga\u00e7\u00f5es acima.
1. A emerg\u00eancia das redes e a Organiza\u00e7\u00e3o Social Tripartite

Para o correto entendimento da emerg\u00eancia e do significa- dos das redes de a\u00e7\u00e3o social, \u00e9 necess\u00e1rio entender as modifica- \u00e7\u00f5es estruturais e culturais pelas quais a sociedade mundial, e tam- b\u00e9m a brasileira, passaram nas \u00faltimas tr\u00eas d\u00e9cadas. Crises nos modelos de desenvolvimento econ\u00f4mico, nos sistemas de repre- senta\u00e7\u00e3o pol\u00edtica e social que levaram a se pensar mais atenta- mente nas divis\u00f5es de pap\u00e9is e fun\u00e7\u00f5es entre os setores dessa mesma sociedade.

Assim, o termo Terceiro Setor, n\u00e3o obstante a conflituosa defini\u00e7\u00e3o de suas caracter\u00edsticas na bibliografia,1 surge e ganha for\u00e7a a partir dessas mesmas crises, no bojo de um processo de reflex\u00e3o a respeito das formas mais leg\u00edtimas e eficazes de garan- tir a produ\u00e7\u00e3o e reparti\u00e7\u00e3o dos bens materiais e culturais de uma sociedade.

Assumimos a vis\u00e3o de que a sociedade pode ser pensada a partir de tr\u00eas setores b\u00e1sicos, quais sejam, o setor governamental, o setor mercantil e o setor associativo2.

Consideramos o termo setor governamental mais adequa-
do que \u201cEstado\u201d, uma vez que, como coloca Brown3:

A maioria dos autores do Terceiro Setor tem utilizado os termos \u2018Estado\u2019 e \u2018governo\u2019 de forma indistinta, o que confunde a modelagem social na qual se insere. O Estado \u00e9 a representa\u00e7\u00e3o institucional da Na\u00e7\u00e3o politicamente organizada, que congrega um determinado povo de ra\u00edzes e valores culturais predominantemente semelhantes em um dado territ\u00f3rio e

1Muitas vezes o Terceiro Setor \u00e9 definido por mera contraposi\u00e7\u00e3o aos dois outros
setores e n\u00e3o a partir de suas caracter\u00edsticas essenciais.
2Para um aprofundamento na defini\u00e7\u00e3o conceitual acima, ver Brown , Ellis W.Ter ceir o
Setor: em Busca de uma Delimita\u00e7\u00e3o. nessa obra, p\u00e1g. 16.
3Brown , op. cit. p\u00e1g. 22.

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->