Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
1Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
REVNET_2

REVNET_2

Ratings: (0)|Views: 391|Likes:
Published by noebauermarcos

More info:

Published by: noebauermarcos on Oct 04, 2009
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

10/06/2009

pdf

text

original

 
 
ESTUDOS
Freqüência de patógenos emergentes relacionados com doençastransmitidas por alimentos em áreas selecionadas no estado deSão Paulo - julho de 1998 a julho de 2000*
Ricardo F. Francescato; Patrícia C. A. Sebastião; Heloísa Helena P. dos Santos
(*) Parte da monografia apresentada no Curso de Especialização em Epidemiologia Aplicada às Doenças Transmitidas por Alimentos, convênio Faculdade de Saúde Pública - FSP, da Universidade de São Paulo - USP e Centro de Vigilância Epidemiológica - CVE, da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo - SES/SP.
RESUMO 
Significativas mudanças no estilo de vida e hábitos alimentares, aliadas à globalização do mercado econômico e processostecnológicos industriais tornam o alimento uma importante fonte de veiculação de doenças emergentes ou reemergentesimpondo sistemas complementares de investigação epidemiológica para seu controle. O objetivo deste estudo é avaliar afreqüência de determinados patógenos emergentes nos municípios de Botucatu, Marília e alguns distritos administrativos deSão Paulo, áreas onde se propõe a implantação de uma vigilância ativa das doenças transmitidas por alimentos. Entre julhode 1998 e julho de 2000, foram analisados 808 resultados positivos de patógenos isolados em amostras de sangue, fezes,líquor e lavado gástrico, registrados pelos laboratórios de análises clínicas participantes do estudo nestas área. Nos trêsanos pesquisados, foram localizados 631 casos positivos para bactérias (78,1%), 71 para parasitas (8,8%) e 106 para vírus(13,1%). Entre as bactérias, as mais freqüentes foram a
E.coli 
(68,6%), a
Salmonella 
(19,8%) e a
Shigella 
(11,3%), isoladasde 445 coproculturas (70,5%), de 174 hemoculturas (27,6%), de sete culturas de líquor (1,1%) e de cinco culturas delavado gástrico (0,8%); entre os parasitas e vírus, isolados a partir de amostras de fezes, 100% eram
Cryptosporidium 
e100%
Rotavírus 
, respectivamente.
INTRODUÇÃO
O desenvolvimento econômico e a globalização do mercado mundial, favorecendo adisseminação rápida dos microrganismos; as modificações nas condições e estilo de vida e acrescente urbanização; a intensa mobilização mundial das populações, através de viagensinternacionais; as alterações nos hábitos alimentares com o aumento do consumo de alimentos
REV NET - DTA No. 2, 7 de Janeiro de 2002
REV NET - DTA 
REVISTA NET - DTA 
DIVISÃO DE DOENÇAS DE TRANSMISSÃOHÍDRICA E ALIMENTAR
Pg.Freqüência de patógenos emergentes relacionados com doençastransmitidas por alimentos em áreas selecionadas no estado deSão Paulo - julho de 1998 a julho de 2000* 45Principais ações desenvolvidas pela Divisão de Doenças deTransmissão Hídrica e
 
Alimentar - DDTHA - CVE/SES-SP no períodode 1999 a 2001 54Surto de diarréia em uma lanchonete (auto-lanche) em Campinas -Janeiro de 2001 58
 
 
46
frescos ou "in natura", assim como, os processos tecnológicos de produção de alimentos, dentreoutros fatores, colocam os alimentos como um importante veiculador de patógenos, e portanto, umproblema de saúde pública (Eduardo et al., 1999; Morse, 1995).O surgimento de novos patógenos denominados emergentes e os reemergentes, além dealterar o perfil epidemiológico das doenças diarréicas têm desafiado os sistemas tradicionais devigilância impondo novos modelos de controle e prevenção. São vários os exemplos de doenças epatógenos que desafiam as formas de controle e as terapêuticas habituais – a
E. coli 
O157:H7 e aSíndrome Hemolítico-Urêmica, a Encefalite Espongiforme Bovina, a
Salmonella Enteritidis 
, a
Salmonella Typhimurium 
, o
Campylobacter,
a
Cyclospora,
entre outros (DDTHA/CVE, 2000a).Dados disponíveis sobre surtos de doenças veiculadas por água ou alimentos ocorridos noestado de São Paulo, no ano 1999, mostram que dos 105 surtos notificados ao Centro deVigilância Epidemiológica - CVE, 23,8% (25 surtos) foram devido à
Salmonella 
, 19,0% (20 surtos) àHepatite A, 4,8% (cinco surtos) devido ao
Staphilococcus aureus 
, 3,8% (quatro surtos) por
Shigella 
,2,9% (três surtos) por
Rotavírus 
e 7,6% (oito surtos) devido a outros agentes. Em 38,1% (40surtos) não foi identificado o agente etiológico (DDTHA/CVE, 2000b).Com o objetivo de compreender melhor o perfil epidemiológico das doenças veiculadas poralimentos no estado de São Paulo, o impacto dessas doenças na saúde da população e os fatoresque interferem na vigilância de doenças transmitidas por alimentos, dentre eles, a subnotificação eas novas características dos surtos (não mais restritos às instituições fechadas, eventos ouespaços bem delimitados), a Divisão de Doenças de Transmissão Hídrica e Alimentar -DDTHA/CVE selecionou áreas geográficas para a implantação do Sistema de Vigilância Ativa dasDoenças Transmitidas por Alimentos (DDTHA/CVE, 2000a).Este sistema, a exemplo do implantado em países como os Estados Unidos, Canadá,França e Irlanda, embasa-se centralmente na busca ativa rotineira de casos positivos dedeterminados patógenos isolados em laboratórios de análises clínicas e microbiologia, na busca derelação entre os casos e se pertencentes a surtos notificados ou não e, apoia-se em estudosepidemiológicos adicionais para compreender as tendências dos patógenos no tempo, o uso eevolução das técnicas laboratoriais para detecção dos patógenos, as práticas médicas em relaçãoà diarréia, a freqüência da diarréia na população e alimentos de risco, entre outros aspectos.Assim, a vigilância ativa é um programa elaborado para aprimorar o controle das doençastransmitidas por alimentos, complementar na detecção de surtos, especialmente, em casos maiscomplexos onde a investigação epidemiológica não foi capaz de estabelecer as relações entre oscasos (Sobel, 1998).Inserida como um dos propósitos do novo sistema, a presente pesquisa teve como objetivoanalisar a freqüência de determinados patógenos como a
Salmonella 
,
Shigella 
,
Campylobacter 
,
E.coli 
O157:H7,
Listeria monocytogenes 
,
Yersinia 
,
Vibrio 
,
Cryptosporidium 
,
Cyclospora 
,
Rotavírus 
,
Adenovírus 
,
Calicivírus 
,
Coronavírus 
,
Astrovírus 
, Norwalk vírus e Norwalk-like vírus, identificadospor laboratórios localizados nas áreas onde se propõe a implantação da vigilância ativa. As áreas
 
47
do estudo foram as estabelecidas pela DDTHA/CVE, isto é, os municípios de Botucatu, Marília ealguns distritos administrativos de São Paulo (Consolação, Jardim Paulista, Cerqueira César,Saúde e Vila Mariana). Estudou-se ainda a freqüência dos patógenos segundo as variáveis faixaetária, sexo e atendimento médico recebido pelo paciente (ambulatorial ou hospitalar), com afinalidade de se conhecer não somente o perfil dos patógenos isolados nos laboratórios dessasáreas, mas as condições existentes para a implantação do Sistema de Vigilância Ativa de DoençasTransmitidas por Alimentos e trazer contribuições para a organização do mesmo.
MATERIAL E MÉTODOS
 
Entre julho de 1998 e julho de 2000, foram analisados 808 resultados positivos depatógenos emergentes relacionados com doenças transmitidas por alimentos isolados emamostras de sangue, fezes, líquor e lavado gástrico, registrados pelos laboratórios de análisesclínicas e microbiologia participantes do estudo nas áreas a ser implantada a vigilância ativa - osmunicípios de Botucatu, Marília e os distritos administrativos de São Paulo (Consolação, JardimPaulista, Cerqueira César, Saúde e Vila Mariana). Os patógenos rastreados foram
Salmonella 
,
Shigella 
,
Campylobacter 
,
E. coli 
O157:H7,
Listeria monocytogenes 
,
Yersinia 
,
Vibrio 
,
Cryptosporidium 
,
Cyclospora 
,
Rotavírus 
,
Adenovírus 
,
Calicivírus 
,
Coronavírus 
,
Astrovírus 
, Norwalkvírus e Norwalk-like vírus.Utilizou-se como definição de
caso 
o registro em laboratório de paciente que teveidentificação de quaisquer dos patógenos acima mencionados em fezes, sangue, líquor e lavadogástrico, excluindo-se a segunda amostra de pessoas com o mesmo patógeno em uma mesmaespécime, dentro de um período de 30 (trinta) dias (CDC/USA, 1999a). Para inclusão e exclusãode casos, foram adotados também os critérios utilizados pelo CDC/USA (1999 a,b,c,d e sem data),em seu sistema de vigilância ativa, que estabelece as seguintes definições: a)
fontes múltiplas: 
 paciente com o mesmo patógeno isolado de diferentes fontes (por exemplo, fezes e sangue), namesma época, será considerado um único caso; b
 ) múltiplos patógenos: s 
e o paciente temdiferentes patógenos isolados de uma mesma fonte, ou de fontes diferentes, apesar do tempo,considera-se um caso cada patógeno.O estudo, descritivo e retrospectivo, foi realizado a partir da análise de fichas de pacientesde arquivos dos laboratórios, livros ou impressos computadorizados onde constavam os resultadosdos exames realizados.Para a coleta de dados foi realizada uma busca ativa nos laboratórios selecionados, com opreenchimento de formulários elaborados especificamente para este fim. Para a constituição dobanco de dados, consolidação e análise, foram utilizados os programas Excel e Epi Info.Os critérios de inclusão de laboratórios na pesquisa foram suas condições técnicas para arealização dos testes dos patógenos mencionados, a aceitação em participar da pesquisa e

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->