Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Look up keyword
Like this
0Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
A APROPRIAÇÃO DO DISCURSO DA AGROECOLOGIA PELO MOVIMENTO DOS

A APROPRIAÇÃO DO DISCURSO DA AGROECOLOGIA PELO MOVIMENTO DOS

Ratings: (0)|Views: 0|Likes:

More info:

Published by: Sérgio Botton Barcellos on Feb 27, 2014
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

02/27/2014

pdf

text

original

 
BARCELLOS, S.B. A apropriação do discurso da agroecologia pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra(MST)
SOCIEDADE E DESENVOLVIMENTO RURAL
 
on line
 
v.8, n. 1
 Jan
 2014. ISSN 1981-1551 www. inagrodf.com.br/revista 1
A APROPRIAÇÃO DO DISCURSO DA AGROECOLOGIA PELO MOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA (MST)
1
 
Sérgio Botton Barcellos
2
 
RESUMO:
Esse artigo apresenta como problema analisar como se formou e vem se constituindo o discurso da Agroecologia no MST, mediante o seu contexto de atuação e de mobilização política. Para a compreensão da constituição do discurso agroecológico no MST, o presente estudo teve como universo de pesquisa as publicações acadêmicas as quais abordam questões sociohistóricas relativas ao MST, inclusive as relacionadas à temática da Agroecologia, bem como materiais informativos e de formação política veiculados pelo Movimento. Também faz  parte desse universo o assentamento de Reforma Agrária Santa Rosa considerado sob a coordenação do MST no qual foi realizada a pesquisa empírica. A questão trazida nesse trabalho foi observada sob a perspectiva de um processo histórico, dinâmico, disputado e permeado por conflitos entre os sujeitos. Assim, esse discurso pode auxiliar a evidenciar características específicas, apoios e lutas inerentes ao campo social e político no qual está situado esse movimento social.
Palavras-chave:
 Agroecologia; Discurso; Assentamentos Rurais; MST.
ABSTRACT:
 
This paper has as problem the analysis of the Agroecology’s
 discourse formation, how it has been formed and how it is being constituted in a settlement from MST in face of its context of action and political
mobilization. The article aims at presenting and discussing the constitution of the Agroecology’s discourse
 in a land reform settlement located in the city of Tupanciretã, Rio Grande do Sul, under the coordination of MST. In this
 perspective, it was perceived that a discourse, such as MST’s, its political action and the experiences developed
alongside its social basis relating to Agroecology indicate the intention, considering all limiting and controversial aspects, of a kind of rupture with the political discourse from the agribusiness, as much as in perspectives of deconcentration of land owning as in relating to the agricultural production in the Brazilian rural areas.
Key-Words:
 Agroecology; Discourse; Land settlement; MST.
Subáreas:
O18 Regional, Urban, and Rural Analyses; Q12 Micro Analysis of Farm Firms, Farm Households, and Farm Input Markets; R14 Land Use Patterns.
1
 Este artigo é um dos desdobramentos dos resultados
relativos ao trabalho de dissertação do autor intitulado “A
Formação do Discurso da
Agroecologia no MST” (2010).
 
2
 Mestrado em Ciências Sociais em Desenvolvimento Agricultura e Sociedade pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.
 
BARCELLOS, S.B. A apropriação do discurso da agroecologia pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra(MST)
SOCIEDADE E DESENVOLVIMENTO RURAL
 
on line
 
v.8, n. 1
 Jan
 2014. ISSN 1981-1551 www. inagrodf.com.br/revista 2
Introdução
 No atual cenário, em que a temática ambiental está em evidencia, ocorrem no Brasil discussões e experiências em relação à Agroecologia nos mais diversos cenários. Essas experiências são mediadas e desenvolvidas por diversos grupos de interesse social, em contraposição ou favoravelmente as empresas que participam da cadeia produtiva do agronegócio, tanto no mundo rural, quanto urbano. Em um contexto permeado por disputas e conflitos acerca da ocupação e acesso a terra no Brasil, os Movimentos Socais Rurais mobilizados em torno da questão fundiária também estão passando por determinadas mudanças e ampliações tanto no seu repertório de pautas, quanto em suas formas de organização e atuação política. Perante a realidade na qual é debatida a Reforma Agrária no Brasil, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) tem ocupado historicamente lugar de destaque como mediador desse processo. No que se refere ao conjunto de suas pautas e lutas políticas, os chamados movimentos camponeses, dentre eles, o MST incorporou, como uma das suas questões centrais, temas relacionados à temática socioambiental
3
. A temática socioambiental aparece como reivindicação em manifestações públicas em contraposição as ações das multinacionais do agronegócio e do ramo da mineração. Dentre eles destaca-se o enfoque em temas relativos à  preservação ambiental, à defesa da biodiversidade, culturas locais e à Agroecologia (Piccin e Picolotto, 2007). Esse tema apareceu como uma alternativa viável na perspectiva de ser uma  possibilidade que visa estabelecer autonomia socioeconômica e outras formas de organização no  processo produtivo
4
 dos assentamentos. Contextualizando a temática da Agroecologia no MST, Martins (2003) aponta que esta alternativa de organização produtiva seria uma possibilidade de superação em relação às experiências coletivizadoras que reconhecidamente foram pouco exitosas na organização do sistema de Cooperativas de Produção Agrícola - CPAs. Outro fato que explicita a presença desse tema no discurso do MST foi a importância dada a temática da Agroecologia em seu último Congresso Nacional (realizado em 2007), no qual o Movimento o assumiu como um de seus compromissos (MST, 2007). Dessa forma, a percepção acerca do processo de constituição de um discurso político, em um determinado movimento social (no caso MST), também estimula reflexões acerca das formas de organização adotadas por este ao longo de sua história. Sob essa perspectiva, esse trabalho apresenta como problema analisar como se formou e vem se constituindo o discurso da Agroecologia no MST, mediante o seu contexto de atuação e de mobilização política. Esse trabalho tem por objetivo resgatar histórico e politicamente o modo como ocorreu à apropriação das discursividades e acontecimentos históricos acerca da Agroecologia como discurso. O período no qual acredita-se ser possível observar de forma mais atual esse processo é a partir dos nos 1990, até o período histórico atual. Essa escolha justifica-se devido os dados coletados em pesquisa indicarem que durante esse espaço de tempo iniciou-se a proposição da
3
 O
termo “socioambiental” ao qual me refiro,
está relacionado às formas de produção e reprodução social, econômica, política e cultural da sociedade em interação com os ecossistemas e biomas.
4
 Sistema produtivo nos assentamentos se refere às estratégias e opções de produção agropecuária por parte dos assentados, equipe de assistência técnica e coordenação política do MST.
 
BARCELLOS, S.B. A apropriação do discurso da agroecologia pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra(MST)
SOCIEDADE E DESENVOLVIMENTO RURAL
 
on line
 
v.8, n. 1
 Jan
 2014. ISSN 1981-1551 www. inagrodf.com.br/revista 3
temática da Agroecologia junto a base social do MST em diversos espaços de discussão e organização política do Movimento. Para a compreensão da constituição do discurso agroecológico no MST, o presente estudo teve como universo de pesquisa as publicações acadêmicas as quais abordam questões sociohistóricas relativas ao MST, inclusive as relacionadas à temática da Agroecologia, bem como materiais informativos e de formação  política veiculados pelo Movimento. Também faz parte desse universo o assentamento de Reforma Agrária Santa Rosa que é reconhecido como de coordenação do MST, no qual foi realizada a pesquisa empírica desse estudo para observar o processo de constituição desse discurso. O assentamento Santa Rosa está localizado em uma das regiões de maior densidade de assentamentos e assentados no Rio Grande do Sul (RS). O município de Tupanciretã possui 17 assentamentos, dos quais 11 são coordenados pelo MST. A escolha desse assentamento justifica-se por ser em Tupanciretã um dos locais onde, em pesquisa exploratória, foi observada a ocorrência de experiências, técnicas e tecnologias vinculadas aos preceitos da Agroecologia e por
ter sido estruturado pelo programa estadual de Reforma Agrária, intitulado “Novo Modelo de Assentamentos” durante o governo estadual
- gestão 1999 a 2002 (Governo Olívio Dutra
 – 
 PT). Esse programa tinha como um dos seus princípios a proposta de desenvolver nos assentamentos a  produção agropecuária nos preceitos da Agroecologia. Sob essas condições, acredita-se que as características desse assentamento podem ser consideradas como um dos indicadores de quais os rumos e os sentidos e direções que o discurso da Agroecologia vem tomando junto ao MST.  Nessa pesquisa de campo foi realizada a coleta de dados por meio dos seguintes instrumentos: a observação participante, a realização de entrevistas
5
 e a coleta de documentos, buscando captar os discursos (orais e escritos) dos sujeitos que interagem nesse processo. Cabe ressaltar, que esse objeto foi observado sob a perspectiva de um processo histórico, dinâmico, disputado e permeado por conflitos entre os sujeitos. Assim, esse discurso pode auxiliar a evidenciar características específicas, apoios e lutas inerentes ao campo social e  político no qual está situado esse movimento social. Esse trabalho está constituído pelos seguintes itens: De ontem para hoje: a emergência da Agroecologia no MST:
O MST e Seu Contexto Circundante: Inter-relações e Discursividades;
O Assentamento Santa Rosa e a pegada Agroecológica.
 
1.
 
De ontem para hoje: a emergência da Agroecologia no MST
O MST e Seu Contexto Circundante: Inter-relações e Discursividades
Para Caldart (2001) o MST é fruto de uma questão agrária estrutural e histórica que foi estabelecida no Brasil. O MST nasceu da articulação das lutas pela terra, as quais foram retomadas com mais força a partir do final da década de 1970 e início de 1980, especialmente na região Centro-Sul do país e, aos poucos, foram expandidas por todo o Brasil. Junto a isto ocorreram mobilizações sociais no meio rural brasileiro em referência ao processo de redemocratização político-social do país, após o golpe militar em 1964, e voltaram a ganhar força social na década de 1980 culminando em uma série de mobilizações em prol da assembléia constituinte.
As mobilizações e acampamentos dos “sem
-
terra” que ocorreram naquela época
5
 Foram ouvidos os assentados, a assistência técnica e os dirigentes locais do MST.

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->