Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
70Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
exercicios historia

exercicios historia

Ratings:

5.0

(1)
|Views: 11,107 |Likes:
Published by anaclausen

More info:

Categories:Business/Law, Finance
Published by: anaclausen on Oct 13, 2009
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/10/2013

pdf

text

original

 
Pré-Vestibular Comunitário VetorCalendário das aulas de ‘Exercícios de História’ na turma Vetor 2, 2005:
Primeira parte: Enfoque sobre História do Brasil
Aula n
o
0
– 19/03 – Apresentação da turma e do professor e debate sobre educação26/03 – Paixão de Cristo
Aula n
o
1
– 09/04 – Aula abordando ‘Crise do feudalismo e formação dos estados nacionais europeus’,‘Monarquia portuguesa e expansão portuguesa’, ‘Pacto colonial’ e ‘Brasil holandês’23/04 – São Judas Tadeu ?
Aula n
o
2
– 30/04 – Aula abordando ‘Renascimento, absolutismo e mercantilismo’, ‘Bandeirismo’ e ‘MinasGerais’
Aula n
o
3
– 14/05 – Aula abordando ‘América pré-colombiana e colonização da América’, ‘Rebeliõesnativistas’ e ‘Inconfidências’28/05 – Corpus Christi
Aula n
o
4
– 11/06 – Aula abordando ‘Reformas religiosas e revoluções inglesas’, ‘Época Joanina’, ‘PrimeiroReinado’ e ‘Regência’
Aula n
o
5
– 25/06 – Aula abordando ‘Iluminismo e despotismo esclarecido’ e ‘Segundo Reinado’
Aula n
o
6
– 09/07 – Aula abordando ‘Independência dos EUA’, ‘Proclamação da República’ e ‘República daEspada’
Aula n
o
7
– 23/07 – Aula abordando ‘Revolução Industrial’
Aula n
o
8
– 06/08 – Aula abordando ‘Revolução Francesa’Segunda parte: enfoque sobre História Geral
Aula n
o
9
– 20/08 – Aula abordando ‘Império napoleônico’, ‘Revoltas, rebeliões, idéias e ideologias do séculoXIX’ e ‘Primeira República brasileira’
Aula n
o
10
– 10/09 – Aula abordando ‘Industrialização da Europa continental’, ‘Unificação italiana e alemã’,‘Guerra de Secessão norte-americana’ e ‘Primeira República brasileira’
Aula n
o
11
– 24/09 – Aula abordando ‘Imperialismo’, ‘América Latina no século XIX’, ‘RevoluçãoMexicana’ e ‘Revolução de 1930’
Aula n
o
12
– 08/10 – Aula abordando ‘Primeira Guerra Mundial’, ‘Revolução Russa’ e ‘Ditadura Vargas’
Aula n
o
13
– 22/10 – Aula abordando ‘Crise de 29’, ‘Fascismos’ e República democrático-populista (1945-64)’
Aula n
o
14
– 05/11 – Aula abordando ‘Guerra Fria’, ‘Segunda Guerra Mundial’ e ‘Golpe de 64’
Aula n
o
15
– 19/11 – Aula abordando ‘Revolução Chinesa’, ‘Descolonização da África e da Ásia’ e ‘Ditadurabrasileira’
Aula n
o
16
– 03/12 – Aula abordando ‘Fim da Guerra Fria e mundo atual’ e m da ditadura e Brasil atual’Total: 16 horas-aulaObs: Em aula serão feitas coletivamente questões de múltipla escolha de vestibulares passados. Serãoenviadas para casa por volta de três questões discursivas também de vestibulares oficiais da UFF, UFRJ,UERJ e PUC-Rio (a Uni-Rio pode ser incluída nas aulas ao longo do curso) realizados nos anos de 2000 a2005. É muito importante que o aluno façam essas questões – que serão corrigidas pelo professor e entreguesde volta para o aluno –, visto que assim será monitorada e desenvolvida a forma como são escritas asrespostas discursivas.
 
Pré-Vestibular Comunitário Vetor
Exercícios de História – Aula n
o
1 – Temas: ‘Crise do feudalismo e formação dos estados nacionais europeus’,‘Expansão marítima portuguesa’, ‘Descobrimento do Brasil’ e ‘Colonialismo português’
Objetivas:Uff 2000 1ª fase
. A
Carta de Pero Vaz de Caminha
, escrita em 1500, é considerada como um dos documentosfundadores da
Terra Brasilis
e reflete, em seu texto, valores gerais da cultura renascentista, dentre os quaisdestaca-se:(A) a visão do índio como pertencente ao universo não religioso, tendo em conta sua antropofagia;(B) a informação sobre os preconceitos desenvolvidos pelo renascimento no que tange à impossibilidade de seformar nos trópicos uma civilização católica e moderna;(C) a identificação do Novo Mundo como uma área de insucesso devido à elevada temperatura que nadadeixaria produzir;(D) a observação da natureza e do homem do Novo Mundo como resultado da experiência da nova visão dehomem, característica do século XV;(E) a consideração da natureza e do homem como inferiores ao que foi projetado por Deus na Gênese.
Puc-Rio 2005 1ª fase.
A aventura da colonização empreendida pela Coroa de Portugal, nas terras da América,entre os séculos XVI e XVIII, expressou-se na constituição de diversas regiões coloniais. Sobre essas regiõescoloniais, estão corretas as seguintes afirmativas
COM EXCEÇÃO DE
:(A) No vale do Rio Amazonas, a partir do século XVII, ordens missionárias exploraram as "drogas do sertão",utilizando o trabalho de indígenas locais.(B) No vale do Rio São Francisco, a partir do final do século XVI, ocorreu a expansão de fazendas de criaçãode gado, voltadas para o abastecimento dos engenhos de açúcar do litoral.(C) Na Capitania de São Vicente, em especial por iniciativa dos habitantes da vila de São Paulo, organizaram-se expedições bandeirantes que, no decorrer do século XVII, abasteceram propriedades locais com a mão-de-obra escrava dos índios apresados.(D) Nas Minas, durante o século XVIII, a extração do ouro e de diamantes, empreendida por aventureiros ehomens livres e pobres, propiciou o surgimento de cidades, onde o enriquecimento fácil estimulava amobilidade social.(E) No litoral de Pernambuco, durante a segunda metade do século XVI, a lavoura de cana e a produção deaçúcar expandiram-se rapidamente, o que foi acompanhado pela gradual substituição do uso da mão-de-obraescrava do nativo americano pelo negro africano.
Uff 2003 1ª fase.
Segundo o historiador Sérgio Buarque de Holanda, vários aspectos estabeleceram adiferença entre a colonização portuguesa – dos “semeadores” – e a colonização espanhola – dos“ladrilhadores”. Identifique a opção que revela uma diferença observada no tocante à construção das cidadesno Novo Mundo.(A) As formas distintas de construção das cidades no Novo Mundo derivaram do modo como a Espanhaconcebeu a idéia renascentista de homem, o que fez seus navegadores, ao contrário dos portugueses,considerarem os indígenas americanos como seus pares.(B) As cidades portuguesas na Costa da América tornaram-se feitorias por um acordo de não concorrênciafirmado entre Espanha e Portugal, expresso no Tratado de Tordesilhas, pelo qual a Espanha ficou encarregadadas áreas de mineração.(C) As experiências comerciais na Ásia e na África acentuaram o papel da circulação nas práticasmercantilistas de Portugal; por isso, as cidades portuguesas da América eram feitorias, diferentemente dasespanholas que combinavam comércio e produção.(D) As cidades portuguesas na América – feitorias – constituíram-se centros comerciais por influência diretado modelo de Veneza e Florença. As cidades espanholas, por outro lado, tiveram como modelo a experiênciaurbana manufatureira francesa.
 
(E) As cidades portuguesas especializaram-se em organizar a entrada de produtos agrícolas no territóriocolonizado, enquanto as espanholas atuaram como núcleos mercantis voltados para a criação de mercadosconsumidores de produtos manufaturados da metrópole.
Uerj 2000 1ª fase.
 Navegar é preciso, viver não é preciso.
 
Este era o lema dos antigos navegadores, pois embarcar nos navios da rota das Índias ou do Brasil, entre osséculos XV e XVI, era realmente uma aventura.Uma das explicações para o pioneirismo português nessa aventura marítima é:(A) o espírito de Cruzada, resultante da presença de uma burguesia mercantil à procura de terras(B) o processo de reconquista do território português, em decorrência da Guerra dos Cem Anos contra aFrança(C) a constituição da primeira monarquia absolutista dos tempos modernos, em virtude da aliança entre anobreza e a Coroa portuguesas(D) a integração do país ao circuito do grande comércio europeu, com a criação de novas rotas entre ascidades italianas e o norte da Europa
Uerj 2000 1ª fase
. “(...)Eram pardos, todos nus, sem coisa alguma que cobrisse suas vergonhas. Nas mãostraziam arcos com suas setas. (...) Eles não lavram, nem criam. Não há aqui boi nem vaca, nem cabra, nemovelha, nem galinha, nem qualquer outra alimária, que costumada seja ao viver dos homens. Nem comemsenão desse inhame, que aqui há muito, e dessa semente de frutos, que a terra e as árvores de si lançam (...).”
(CORTESÃO, Jaime. A Carta de Pero Vaz de Caminha. Rio de Janeiro: Livros de Portugal, 1943.)
No Brasil, durante o período colonial, as mudanças transcorridas na organização política, econômica e socialdos indígenas estão relacionadas com:(A) o rompimento de sua unidade política, levando ao fracionamento das federações tribais(B) a expropriação das terras, provocando a interiorização de muitas comunidades nativas(C) a imposição gradativa do trabalho sedentário, levando a sua utilização como mão-de-obra assalariada(D) o seu largo emprego em trabalhos compulsórios na pecuária e na mineração, provocando a sedentarizaçãodas comunidades do litoral
Discursivas:Ufrj 2000 2ª fase. “
(...) Assim, antes de partir de França, Villegagnon prometeu a alguns honradospersonagens que o acompanharam, fundar um puro serviço de Deus no lugar em que se estabelecesse. Edepois de aliciar os marinheiros e artesães necessários, partiu em maio de 1555, chegando ao Brasil emnovembro, após muitas tormentas e toda a espécie de dificuldades. Aí aportando, desembarcou e tratouimediatamente de alojar-se em um rochedo na embocadura de um braço de mar ou rio de água salgada a queos indígenas chamavam Guanabara e que (como descreverei oportunamente) fica a 23º abaixo do equador,quase à altura do Trópico de Capricórnio. Mas o mar daí o expulsou. Constrangido a retirar-se avançou quaseuma légua em busca de terra e acabou por acomodar-se numa ilha antes deserta, onde, depois de desembarcarsua artilharia e demais bagagens, iniciou a construção de um forte, a fim de garantir-se tanto contra osselvagens como contra os portugueses que viajavam para o Brasil e aí já possuem inúmeras fortalezas.”
(IN: LÉRY, Jean.
 De Viagem à Terra do Brasil
. Rio de Janeiro, Bibliex, 1961, pp. 51)
“(...) Por esse tempo, agitava-se importante controvérsia entre os dirigentes da Companhia (Cia. Das ÍndiasOcidentais), a qual se travou principalmente entre as câmaras da Holanda e da Zelândia. Versava sobre seseria proveitoso à Companhia franquear o Brasil ao comércio privado, ou se devia competir a ela tudo o quese referisse ao comércio e às necessidades dos habitantes daquela região. Cada um dos dois partidossustentava o seu parecer. Os propugnadores do monopólio escudavam-se com o exemplo da Cia. Oriental,usando o argumento de que se esperariam maiores lucros, se apenas a Cia. comerciasse, porque, com o tráficolivre, dispersar-se-ia o ganho entre muitos, barateando as mercadorias pela concorrência.”
(IN: BARLÉU, Gaspar.
 História dos Feitos recentemente praticados durante oito anos no Brasil.
SP: Itatiaia, 1974, p.90)
Ao longo dos séculos XVI, XVII e início do XVIII, várias potências européias invadiram a AméricaPortuguesa. Houve breves invasões e atos de pirataria ao longo do litoral no início do século XVI.

Activity (70)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 hundred reads
1 thousand reads
jasimen liked this
Juliana Souza liked this
jasimen liked this
Cidinha Bento liked this
Camila Barbosa liked this
João Pedro Lobo liked this
Renata Mariana liked this
Misael Barreto liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->