Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
31Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Resumo PESSOAS NATURAIS

Resumo PESSOAS NATURAIS

Ratings: (0)|Views: 8,033 |Likes:
Published by fofissima!

More info:

Published by: fofissima! on Oct 18, 2009
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/07/2013

pdf

text

original

 
PESSOAS NATURAISCONCEITOS:
 Pessoa é o nome do conjunto de direitos subjetivos que formam a personalidade. É umconceito jurídico, diferente do de ser humano, que é apenas o suporte fático da pessoa.Em Direito, pessoa natural (usado em direito civil), ou pessoa física (usado em direitotributário), é o ser humano, tal como percebido por meio dos sentidos e sujeito às leisfísicas. O início da personalidade da pessoa natural fundamenta-se em duas teorias, asaber: a
teoria natalista
, que diz que o indivíduo só possui personalidade a partir domomento em que nasce com vida (separação do feto do corpo da mãe); e a
teoriaconcepcionista
, segundo a qual o indivíduo possui personalidade a partir do momentoda concepção, da união do espermatozóide com o óvulo.A
capacidade de exercício
de uma pessoa natural é a possibilidade de exerce pessoalmente os atos da vida civil — isto é, adquirir direitos e contrair deveres emnome próprio. Como consta no art.6° do Código Civil brasileiro, o marco da extinção da personalidade é a morte, sob umadas seguintes formas:Morte real, quando há cessação da atividade cerebral, atestada por profissional médico,como consta no art. 3° da Lei 9.434, de 1997.
Morte presumida, sem declaração de ausência, nos termos do art.8º do Código Civil brasileiro, presumir-se-ão todos simultaneamente mortos.
Das Pessoas
.
Da personalidade e da Capacidade.
 I - Toda pessoa é capaz de direitos e deveres (obrigações) na ordem civil (art.1º, CC,2002). Para existir no plano jurídico/civil, deve ser criada/instituída através de lei ou dedocumento público devidamente registrado no órgão competente, no caso, cartório ou junta comercial. II – Início da personalidade civil: a)Inicia-se a personalidade civil da pessoa, do nascimento com vida (art. A lei põe à salvo, desde a concepção, o direito donascituro. (art. 2º, segunda parte, CC) c) Nascituro – Feto com vida, ainda não nasceu,está no ventre da mãe. a) Incapacidade absoluta (art. b) Incapacidade relativa (art. c)Capacidade civil (art. 5º, CC). - Emancipação: quando se concede ao menor de 18 anose maior de 16 anos, o direito de praticar atos da vida civil. Essa emancipação éconcedida pelos pais do menor, ou somente por um, na falta do outro, e pelo tutor,quando o menor é órfão. A emancipação deve ser averbada no Registro Civil de Nascimento.III Fim da Personalidade civil da pessoa natural (art. 6º, CC) a) a personalidadecivil da pessoa natural termina com a morte, e no caso do ausente, quando a lei autorizaa abertura de sucessão definitiva.
Direito ao Nome e à Honra.NOME
O que é:Bem intrínseco à pessoa humana.- Sede do seu amor próprio (Doutrina de Cornu).- Proteger a esfera privada e o interesse de identidade do indivíduo, direito da sua personalidade.
 
NOME CIVIL
- É aquele que se encontra escrito no registro.- Patronímico: apelido de família; sobrenome.O direito ao nome foi reconhecido pelo Código Civil Alemão, em 1900.
 Art. 12 Quando o direito ao uso de um nome é contestado ao seu titular por uma outra pessoa, ou quando a interesse do titular é lesado pelo fato de uma outra pessoa tomar indevidamente o mesmo nome, pode o titular exigir uma reparação.
 Não há, no
CódigoCivil brasileiro de 1.916
, menção ao direito ao nome.Considerou-se que o nome civil não constituiria um direito pessoal porque “não éexclusivo da pessoa e porque os apelidos de família são suficientes para individualizá-la”.
Código Civil de 2002
 Capítulo IIDos Direitos da PersonalidadeArt. 16. Toda pessoa tem direito ao nome, nele compreendidos o prenome e osobrenome.Art. 17. O nome da pessoa não pode ser empregado por outrem em publicações ourepresentações que a exponham ao desprezo público, ainda quando não haja intençãodifamatória.Art. 18. Sem autorização, não se pode usar o nome alheio em propaganda comercial.Art. 19. O pseudônimo adotado para atividades lícitas goza da proteção que se dá aonome.O nome é a representação da pessoa humanaO que se protege não é propriamente o nome, mas a pessoa e sua dignidade, que seriam,através do nome, atingidas.
A Imutabilidade do Prenome
- O objetivo do nome é servir de identificação das pessoas no universo em que seencontram inseridas.- O princípio da imutabilidade decorre da necessidade de segurança nas relações jurídicas e estabilidade social, porém ele não é absoluto.Registros Públicos - L -006.015-1973Título IIDo Registro de Pessoas NaturaisCapítulo IVDo NascimentoArt.Exceções- Prenomes ridículos, onde mesmo o menor de idade poderá mudá-lo, assistido ourepresentado;- Incluir o nome de família materno;- Erro ortográfico;
 
- Etc.“Deve, em regra, ser deferida a retificação do nome quando, além de não ser expressamente proibida por lei, melhora a situação social do interessado e não acarreta prejuízo a ninguém.”Lei do Divórcio - Lei n° 6.515/77.Art. 17 – Vencida na ação de separação judicial (art. 5° “caput”), voltará à mulher a usar o nome de solteira.Art. A sentença de conversão determinará que a mulher volte a usar o nome que tinhaantes de contrair matrimônio, só conservando o nome de família do ex-marido sealteração prevista neste artigo acarretar:I - evidente prejuízo para a sua identificação;II - manifesta distinção entre o seu nome de família e dos filhos havidos da uniãodissolvida;III - dano grave reconhecido em decisão judicial.Entendimentos adversosCom o casamento, o nome de família integra-se à personalidade da mulher, não mais podendo ser considerado como nome apenas do marido.Se deve privilegiar, sempre que possível, o direito à identidade pessoal da mulher,sendo o sobrenome por ela adotado parte essencial de seu próprio nome (...), não ummero e contingente empréstimo do sobrenome do marido.
Transexualismo
Ausência de legislação permissiva de mudança de sexo e do prenome no registro civil.REVOGADA pela Resolução CFM n° 1652/2002.
Direito à Identidade Pessoal
A identidade pessoal constitui, assim, “um bem em si mesmo, independentemente dacondição pessoal e social, das virtudes e dos defeitos do sujeito, de modo que a cada umé reconhecido o direito a que sua individualidade seja preservada”.- Somente encontra os limites postos na tutela do interesse de outras personalidades.Direito à Honra (Integridade Moral)
Do Conceito de Honra
- Definição de honra: “Honra é a avaliação do procedimento de uma pessoa e estadosocial baseado nas adoções daquele indivíduo e ações.”- Inerente ao direito de personalidade, portanto, intransferível, irrevogável eirrenunciável.- No campo jurídico é vista como “a dignidade pessoal refletida na consideração dosoutros e no sentimento da própria pessoa”.
Da Garantia PositivadaConstituição
de 1988Art. 5º - Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito àvida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:V - é assegurado o direito de resposta, proporcional ao agravo, além da indenização por 

Activity (31)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 hundred reads
1 thousand reads
Marcelo d'Aguila liked this
Recivil2013 liked this
Fabio liked this
Silvio Cirqueira liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->