Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
335Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Relátorio Estágio Supervisionado I - Curso Letras

Relátorio Estágio Supervisionado I - Curso Letras

Ratings:

1.0

(2)
|Views: 77,069|Likes:
Published by Giovanna
Ao planejar o projeto de estágio, a preocupação principal foi em elaborar aulas com conteúdo consistente aliado a uma grande dose de criatividade e a oralidade, logo que seriam trabalhadas leitura e interpretação de textos- gênero poético e música popular brasileira, e já havíamos detectado que um dos grandes problemas dos alunos eram a leitura e interpretação de textos, principalmente dos alunos em distorção série-idade.
Tivemos a preocupação em trabalhar atividades lúdicas, onde desenvolvesse a criatividade do público que estaríamos trabalhando. Foi nesses aspectos o ponto de maior dificuldade em todo o processo de estágio: como preparar aulas interessantes e criativas que despertassem o interesse dos alunos, e que trabalhasse a oralidade?
Ao planejar o projeto de estágio, a preocupação principal foi em elaborar aulas com conteúdo consistente aliado a uma grande dose de criatividade e a oralidade, logo que seriam trabalhadas leitura e interpretação de textos- gênero poético e música popular brasileira, e já havíamos detectado que um dos grandes problemas dos alunos eram a leitura e interpretação de textos, principalmente dos alunos em distorção série-idade.
Tivemos a preocupação em trabalhar atividades lúdicas, onde desenvolvesse a criatividade do público que estaríamos trabalhando. Foi nesses aspectos o ponto de maior dificuldade em todo o processo de estágio: como preparar aulas interessantes e criativas que despertassem o interesse dos alunos, e que trabalhasse a oralidade?

More info:

Published by: Giovanna on Nov 02, 2009
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

10/31/2013

pdf

text

original

 
9
1. Introdução
O Esgio Supervisionado é uma atividade de extrema importância naformação inicial do professor, logo que, é o momento em que estagiários vivenciamas diversas situações do contexto escolar: o trabalho em sala de aula; a interaçãoprofessor/aluno; os métodos de avaliação do professor; os recursos utilizados pelosprofessores. “O estágio é o eixo central na formação de professores, pois é atravésdele que o profissional conhece os aspectos indispensáveis para a formação daconstrução da identidade e dos saberes do dia-a-dia” (PIMENTA E LIMA, 2004).Para Silva (2005) no cotidiano acadêmico é perceptível que os graduandos seenvolvam com muita disposição e ânimo quando a universidade lhes proporciona aparticipão em que consiga colocar conhecimentos teóricos em prática,acompanhados de um profissional supervisor. É necessário que o estagiárioaprenda a observar e identificar os problemas, estar sempre aprendendo ebuscando informões, questionar o que encontrou além de buscar trocar informações com professores mais experientes.De acordo com Francisco e Pereira (2004) o estágio surge como um processofundamental na formação do aluno estagiário, pois é a forma de fazer a transição dealuno para professor “aluno de tantos anos descobre-se no lugar de professor”. Esteé um momento da formação em que o graduando pode vivenciar experiências,conhecendo melhor sua área de atuação. “O Estágio Supervisionado consiste emteoria e prática tendo em vista uma busca constante da realidade para umaelaboração conjunta do programa de trabalho na formação do educador (GUERRA,1995)”. Este “possibilita ao graduando desenvolver a postura de pesquisador,despertar a observação, ter uma boa reflexão crítica, facilidade de reorganizar asações para poder reorientar a prática quando necessário (KENSKI, 1994:11 citadopor LOMBARDI, 2005)”.Após muitos estudos teóricos chegou o momento de aplicar osconhecimentos adquiridos nas disciplinas estudadas, bem como confrontá-los com oexercício pedagógico propriamente dito, buscando firmar uma prática que sejasignificativa.
2. Caracterização da Instituição
A Escola Municipal Antonia Fernandes de Moura foi criada em 1993, é umainstituição mantida pela Prefeitura Municipal de Santa Rosa do Purus, têm um corpo
 
10
discente de 278 alunos, e 14 professores composto em grande parte poprofissionais em regime de contrato provisório, apenas 02 professores com nívelsuperior completo, os demais em fase de conclusão, conta ainda com doiscoordenadores pedagógicos.A escola é dirigida pela Profª Alzilene Ferreira Braga, eleita através de eleiçãoescolar realizada em Dezembro de 2008, a diretora trabalha de forma democrática,todas as decies referente a instituição escolar, o discutidas e decididasconjuntamente com o Conselho Escolar, pais, alunos, professores e funcionários. Éoferecido na Escola Ensino Fundamental (5ª a 8ª séries) nos turnos da manhã etarde, e à noite, a modalidade de Educação de Jovens e Adultos – EJA. No primeirocontato com a escola realizamos uma análise e a observação do seu funcionamentocotidiano, bem como de sua infra-estrutura; posteriormente, conversamos comcoordenadores, gestora, alunos a professora de ngua Portuguesa, nosprolongamos nas discussões com a professora regente a cerca das experiências,proporcionando a troca de conhecimentos em sala de aula de língua materna, asocialização e, finalmente, a regência dos estagiários.Funciona em um espaço apertado, tem um pátio com cobertura onde sãorealizados os eventos. As salas são pequenas, não ventilação adequada;paredes e iluminação precisam de reparos bem como suas instalações sanitárias(banheiros); além de bebedouros sem higienização adequada; paredes, carteiras emesas são rabiscadas e mal conservadas, não existem carteiras em quantidadessuficientes para todos os alunos, não dispõe de refeitório, a cantina é pequena, comapenas uma janela por onde é distribuída a merenda. Possui um espaço para abiblioteca, porém não é adequado, tendo em vista a falta de mesas e cadeiras paraos alunos realizarem suas pesquisas.Dentre os recursos disponibilizados na escola, encontra-se um instrumentoainda muito usado nas escolas: a bandinha (mimeógrafo). Antigo para os nossosdias, mas funcional, logo que é o principal recurso utilizado na escola.Existe ampla quantidade de livros fornecidos pelo MEC, mas pouco utilizadospelos professores como recurso.
3. Observação e Co-Participação
Um período onde tudo o que acontece é novidade, principalmente paraestagiários que ainda não têm ou possuem pouca experiência em sala de aula. É um
 
11
momento muito enriquecedor para todas as partes envolvidas, pois, é ondeprofessores, estagiários e alunos estão se encontrando pela primeira vez, então énatural que haja um clima novo, de descoberta ou mesmo, de incertezas e dúvidasque ao longo do Estágio vão se quebrando e quando o trabalho está no ápice dodesenvolvimento, é hora de encerrar (o estágio).Durante essa etapa, percebemos que a professora regente trabalha de formahabitual, ou seja, em alguns momentos escrevia no quadro de giz, noutras ditava osassuntos e os alunos escreviam. o usou deos ou qualquer outro tipo dedispositivo, fez diversas explanações sobre o conteúdo trabalhado, instigava osalunos a participarem. Mesmo estando em processo de aplicação de avaliaçõesbimestrais, a professora regente trabalhou com leitura, interpretação de textos econstrução de textos (gênero conto – 8ª série). Percebeu-se que muitos alunos sãoquietos e praticamente não fazem uso da oralidade, realizam suas atividades, porémna forma escrita, não sendo assim, explorada suficientemente a oralidade dessesdiscentes.Observamos que mesmo o professor sabendo que na hora do planejamentoprecisa ter um cuidado especial com o processo oralidade, este não tem muitapreocupação quando está na sala de aula, logo que não pareceu uma constante oestímulo ao desenvolver a oralidade dos alunos. Salientamos que “Não se trata deensinar a falar ou a fala dita “correta”, mas sim as falas adequadas ao contexto deuso”, (PCN ensino fundamental, Língua Portuguesa, p.8). Sabendo-se que a práticada oralidade vem diminuindo, constantemente, educadores o eso sepreocupando com a pronúncia correta ou se o aluno fala em sala de aula.
4.
O Projeto: “Bom Leitor é Bom Escritor”
As investigações para a execução do Projeto “Bom leitor é Bom Escritor”,foram realizadas na Escola Antonia Fernandes de Moura, com turmas de 5ª a 8ªsérie do turno vespertino, e teria regência aplicada no Programa de Erradicação doTrabalho Infantil PETI, mas devidos alguns contratempos o foi possíveldesenvolver as atividades com os alunos do PETI, dessa forma houve umaadequação do Projeto para ser trabalhado com alunos em distorção idade-série(alunos na faixa etárias de 10 a 16 anos provenientes em grande parte da zona ruralque ainda estão cursando as séries iniciais do Ensino Fundamental – 1º ao 4º ano)da Escola Dr. Celso Cosme Salgado Filho.

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->