Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Look up keyword or section
Like this
0Activity

Table Of Contents

0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Machado de Assis - Dom Casmurro

Machado de Assis - Dom Casmurro

Ratings: (0)|Views: 80|Likes:
Published by poesiaplataforma
Coleção Clássicos da Literatura em Língua Portuguesa Seleção da Profa. Cláudia Cordeiro. Obra de domínio público
Coleção Clássicos da Literatura em Língua Portuguesa Seleção da Profa. Cláudia Cordeiro. Obra de domínio público

More info:

Published by: poesiaplataforma on Nov 02, 2009
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

02/27/2015

pdf

text

original

 
1 Coleção Clássicos da Literatura em Língua Portuguesa.
Machado de Assis
.
 Dom Casmurro.
www.fliportodigital.net
Dom Casmurro
Machado de Assis
Capítulo Primeiro
Do Título
ma noite destas, vindo da cidade para o ngen!o "ovo, encontrei num tremda Central um rapa# a$ui do %airro, $ue eu con!o de vista e de c!ap&u.Cumprimentou'me, sentou'se ao p& de mim, falou da lua e dos ministros, e aca%ourecitando'me versos. ( viagem era curta, e os versos pode ser $ue o fosseminteiramente maus. )ucedeu, por&m, $ue, como eu estava cansado, fec!ei os ol!os tr*sou $uatro ve#es+ tanto %astou para $ue ele interrompesse a leitura e metesse os versos no %olso.  Continue, disse eu acordando.  -á aca%ei, murmurou ele.  )ão muito %onitos.i'l!e fa#er um gesto para tirá'los outra ve# do %olso, mas não passou do gesto+estava amuado. "o dia seguinte entrou a di#er de mim nomes feios, e aca%oualcun!ando'me Dom Casmurro. /s vi#in!os, $ue não gostam dos meus !á%itos reclusose calados, deram curso 0 alcun!a, $ue afinal pegou. "em por isso me #anguei. Contei aanedota aos amigos da cidade, e eles, por graça, c!amam'me assim, alguns em %il!etes2Dom Casmurro, domingo vou 3antar com voc*.4 2ou para Petr5polis, DomCasmurro+ a casa & a mesma da 6enania+ v* se dei7as essa caverna do ngen!o "ovo, evai lá passar uns $uin#e dias comigo.4  28eu caro Dom Casmurro, não cuide $ue odispenso do teatro aman!ã+ ven!a e dormirá a$ui na cidade+ dou'l!e camarote, dou'l!ec!á, dou'l!e cama+ s5 não l!e dou moça.4 "ão consultes dicionários. Casmurro não está a$ui no sentido $ue eles l!e dão,mas no $ue l!e p9s o vulgo de !omem calado e metido consigo. Dom veio por ironia, para atri%uir'me fumos de fidalgo. Tudo por estar coc!ilando: Tam%&m não ac!eimel!or título para a min!a narração  se não tiver outro da$ui at& ao fim do livro, vaieste mesmo. / meu poeta do trem ficará sa%endo $ue não l!e guardo rancor.  com pe$ueno esforço, sendo o título seu, poderá cuidar $ue a o%ra & sua. livros $ueapenas terão isso dos seus autores+ alguns nem tanto.
 
< Coleção Clássicos da Literatura em Língua Portuguesa.
Machado de Assis
.
 Dom Casmurro.
www.fliportodigital.net
Capítulo II
Do Livro
 A
gora $ue e7pli$uei o título, passo a escrever o livro. (ntes disso, por&m,digamos os motivos $ue me p=em a pena na mão.ivo s5, com um criado. ( casa em $ue moro & pr5pria+ fi'la construir de prop5sito, levado de um dese3o tão particular $ue me ve7a imprimi'lo, mas lá. >mdia. !á %astantes anos, lem%rou'me reprodu#ir no ngen!o "ovo a casa em $ue me crieina antiga 6ua de 8ata'cavalos, dando'l!e o mesmo aspecto e economia da$uela outra,$ue desapareceu. Construtor e pintor entenderam %em as indicaç=es $ue l!es fi# & omesmo pr&dio asso%radado, tr*s 3anelas de frente, varanda ao fundo, as mesmas alcovase salas. "a principal destas, a pintura do tecto e das paredes & mais ou menos igual,umas grinaldas de flores mi?das e grandes pássaros $ue as tomam nos %locos, de espaçoa espaço. "os $uatro cantos do tecto as figuras das estaç=es, e ao centro das paredes osmedal!=es de C&sar, (ugusto, "ero e 8assinissa, com os nomes por %ai7o... "ãoalcanço a ra#ão de tais personagens. @uando fomos para a casa de 8ata'cavalos, 3á elaestava assim decorada+ vin!a do dec*nio anterior. "aturalmente era gosto do tempometer sa%or clássico e figuras antigas em pinturas americanas. / mais & tam%&manálogo e parecido. Ten!o c!acarin!a, flores, legume, uma casuarina, um poço elavadouro. >so louça vel!a e mo%ília vel!a. nfim, agora, como outrora, !á a$ui omesmo contraste da vida interior, $ue & pacata, com a e7terior, $ue & ruidosa./ meu fim evidente era atar as duas pontas da vida, e restaurar na vel!ice aadolesc*ncia. Pois, sen!or, não consegui recompor o $ue foi nem o $ue fui. m tudo, seo rosto & igual, a fisionomia & diferente. )e s5 me faltassem os outros, vá um !omemconsola'se mais ou menos das pessoas $ue perde+ mais falto eu mesmo, e esta lacuna &tudo. / $ue a$ui está &, mal comparando, semel!ante 0 pintura $ue se p=e na %ar%a enos ca%elos, e $ue apenas conserva o !á%ito e7terno, como se di# nas aut5psias+ ointerno não agAenta tinta. >ma certidão $ue me desse vinte anos de idade poderiaenganar os estran!os, como todos os documentos falsos, mas não a mim. /s amigos $ueme restam são de data recente+ todos os antigos foram estudar a geologia dos campos'santos. @uanto 0s amigas, algumas datam de $uin#e anos, outras de menos, e $uasetodas cr*em na mocidade. Duas ou tr*s fariam crer nela aos outros, mas a língua $uefalam o%riga muita ve# a consultar os dicionários, e tal fre$A*ncia & cansativa.ntretanto, vida diferente não $uer di#er vida pior, & outra cousa a certosrespeitos, a$uela vida antiga aparece'me despida de muitos encantos $ue l!e ac!ei+ mas& tam%&m e7ato $ue perdeu muito espin!o $ue a fe# molesta, e, de mem5ria, conservoalguma recordão doce e feiticeira. m verdade, pouco apareço e menos falo.Distraç=es raras. / mais do tempo & gasto em !ortar, 3ardinar e ler+ como %em e nãodurmo mal./ra, como tudo cansa, esta monotonia aca%ou por e7aurir'me tam%&m. @uisvariar, e lem%rou'me escrever um livro. -urisprud*ncia. filosofia e política acudiram'me, mas não me acudiram as forças necessárias. Depois, pensei em fa#er uma 2;ist5riados )u%?r%ios4 menos seca $ue as mem5rias do Padre Luís Bonçalves dos )antosrelativas 0 cidade+ era o%ra modesta, mas e7igia documentos e datas como preliminares,tudo 0rido e longo. oi então $ue os %ustos pintados nas paredes entraram a falar'me e adi#er'me $ue, uma ve# $ue eles não alcançavam reconstituir'me os tempos idos, pegasseda pena e contasse alguns. Talve# a narração me desse a ilusão, e as som%ras viessem
 
 Coleção Clássicos da Literatura em Língua Portuguesa.
Machado de Assis
.
 Dom Casmurro.
www.fliportodigital.net
 perpassar ligeiras, como ao poeta, não o do trem, mas o do austo (í vindes outra ve#,in$uietas som%rasE...i$uei tão alegre com esta id&ia, $ue ainda agora me treme a pena na mão. )im, "ero, (ugusto, 8assinissa, e tu, grande C&sar, $ue me incitas a fa#er os meuscomentários, agradeço'vos o consel!o, e vou deitar ao papel as reminisc*ncias $ue mevierem vindo. Deste modo, viverei o $ue vivi, e assentarei a mão para alguma o%ra demaior tomo. ia, comecemos a evocação por uma c&le%re tarde de novem%ro, $ue nuncame es$ueceu. Tive outras muitas, mel!ores, e piores, mas a$uela nunca se me apagou doespírito. F o $ue vais entender, lendo.

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->