Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Look up keyword
Like this
4Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
O Cinema Novo

O Cinema Novo

Ratings: (0)|Views: 85|Likes:
Published by ronie1705robson

More info:

Published by: ronie1705robson on Nov 16, 2009
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

10/30/2012

pdf

text

original

 
O Cinema Novo
 
"Uma câmera na mão e uma idéia na cabeça"
 
 Jovens frustrados com a falência das grandes companhias cinemagráficas paulistas resolveram lutar por um cinema com mais realidade, mais contéudo emenor custo. Vai nascendo o Cinema Novo.
Tudo começa em 1952 com o I Congresso Paulista de Cinema Brasileiro e o ICongresso Nacional do Cinema Brasileiro. Por meio desses congressos, foramdiscutidas novas idéias para a produção de filmes nacionais. Uma nova temática deobras já começa a ser abordada e concluída mais adiante, por uma nova fase docinema que se concretiza na década de 50.Essa nova fase pôde ser bem refletida a partir do filme Rio, 40 Graus(1955), de Nelson Pereira dos Santos. As propostas do neo-realismo italiano que Alex Vianyvinha divulgando, foram a inspiração do autor do filme.Um trecho do livro A Fascinante Aventura do Cinema Brasileiro(1981), deCarlos Roberto de Souza, expressa bem quais eram as pretensões do cinema nessaépoca: "Rio, 40 Graus, era um filme popular, mostrava o povo ao povo, suas idéiaseram claras e sua linguagem simples dava uma visão do Distrito Federal. Sentia-se pela primeira vez no cinema brasileiro o desprezo pela retórica. O filma foirealizado com um orçamento mínimo e ambientado em cenários naturais: oMaracanã, o Corcovado, as favelas, as praças da cidade, povoada de malandros,soldadinhos, favelados, pivetes e deputados". Surgia o Cinema Novo.Empolgados com essa onda neo-realista e frustrados com a falência dosgrandes estúdios paulistas, cineastas do Rio de Janeiro e da Bahia, resolveramelaborar novos ideais ao cinema brasileiro. Tais ideais, agora, seriam totalmentecontrários aos caríssimos filmes produzidos pela Vera Cruz e aversos às alienaçõesculturais que as chanchadas refletiam.O que esses jovens queriam era a produção de um cinema barato, feito com"uma câmera na mão e uma idéia na cabeça". Os filmes seriam voltados à realidade brasileira e com uma linguagem adequada à situação social da época. Os temasmais abordados estariam fortemente ligados ao subdesenvolvimento do país.Outra característica dos filmes durante o cinema novo é que eles tinhamimagens com poucos movimentos, cenários simplórios e falas mais longas do que ohabitual. Muitos ainda eram rodados em preto e branco. 
O Cinema Novo em sua primeira fase
 
 
 
 Na primeira fase desse movimento, os filmes começavam a abordar nessa faseuma temática voltada ao nordeste e a todos os problemas que a região abrigava. Estreiam filmes importantes com "Vida Secas" e "Deus e o Diabo na Terra doSol".
O núcleo mais popular do cinema novo na época era composto por: Glauber Rocha, Nelson Pereira dos Santos, Joaquim Pedro de Andrade, Carlos Diegues,Paulo Cesar Saraceni, Leon Hirszman, David Neves, Ruy Guerra e Luiz CarlosBarreto.Ao redor dessas personalidades, o cinema novo foi composto por trêsimportantes fases. A primeira delas, vai de 1960 à 1964. Nesse período os filmesvoltados ao cotidiano e à mitologia do nordeste brasileiro, com os trabalhadoresrurais e as misérias da região. Era abordada também a marginalização econômica ,a fome a violência, o opressão e à alienação religiosa. Algumas das produções quemelhor expressa essa fase são os filmes Vidas Secas(1963), de Nelson Pereira dosSantos; Os Fuzis(1963), de Ruy Guerra; Deus e o Diabo na Terra do Sol(1964), deGlauber Rocha.Vidas Secas exibe a melhor performance da direção de Nelson Pereira doSantos. A obra, uma adaptação do livro de Graciliano Ramos, representou o Brasilno Festival de Cannes de 1964, onde dominou a temática do campo.Já o filme de Glauber Rocha, Deus e Diabo na Terra do Sol, de acordo com olivro de Carlos Roberto de Souza, A Fascinante Aventura do Cinema Brasileiro, eraa "libertação completa da linguagem cinematográfica de seus entraves coloniais[...]. Glauber Rocha dava expansão a que o próprio instinto vital da cultura brasileira explodisse com liberdade na tela, entrando em choque mortal com ocinema estrangeiro."Também exibido em Cannes, embora sem ter alguma premiação, o filme deGlauber Rocha foi considerado o auge do Cinema Novo e conseguiu, além de um bom público, vários elogios, inclusive da crítica francesa. 
Cinema Novo acaba, mas deixa grandes filmes na história
 
 A boa dose de realismo e a audácia dos precursores do movimento nãoresistem por muito tempo à repressão da época. Mas mesmo assim, as fases finaisdo cinema novo trouxe grandes filmes, como Macunaíma, estrelado pelo brilhanteGrande Otelo.
A Segunda fase do cinema brasileiro agora tem um novo propósito. Oscineastas analisavam agora, os equívocos da política desenvolvimentista e principalmente da ditadura militar. Os filmes também faziam reflexão sobre osnovos rumos da história nacional. Nessa fase, que vai de 1964 à 1968, obrascaracterísticas são: O Desafio(1965), de Paulo Cezar Saraceni, O BravoGuerreiro(1968), de Gustavo Dahl, Terra em Transe(1967), de Glauber Rocha.

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->