Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
18Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
5 A CONTEXTUALIZAÇÃO NO ENSINO DE MATEMÁTICA

5 A CONTEXTUALIZAÇÃO NO ENSINO DE MATEMÁTICA

Ratings: (0)|Views: 2,946 |Likes:
Published by sfmessias

More info:

Published by: sfmessias on Nov 20, 2009
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/23/2013

pdf

text

original

 
 A CONTEXTUALIZAÇÃO NO ENSINO DE MATEMÁTICA – UM ESTUDO COM  ALUNOS E PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA REDE PARTICULAR DE ENSINO DO DISTRITO FEDERAL
Susana da Silva Fernandes
1
 
Orientador: Vilmondes Rocha
RESUMO
O presente artigo é uma reflexão a respeito da contextualização no ensino da Matemática. Para a pesquisa, foramentrevistados alunos e professores de Matemática do Ensino Fundamental de seis escolas particulares do DistritoFederal, a fim de investigar as práticas de ensino dos professores, assim como as concepções que alunos eprofessores têm dessas práticas e suas implicações no processo ensino-aprendizagem. Além disso, acredita-se queesta pesquisa contribui de forma reflexiva para a compreensão do que vem a ser contextualização e sua utilizaçãopara um melhor aprendizado e interesse dos alunos pela Matemática.Palavras-chave: Educação Matemática; contextualização.
1. INTRODUÇÃO
De acordo com Druck (2006), ex-presidente da Sociedade Brasileira de Matemática “a qualidadedo ensino da Matemática atingiu, talvez, seu mais baixo nível na história educacional do país”.Pode-se perceber que a educação atual passa por um momento de reflexão acerca daspossibilidades de um ensino mais significativo, na tentativa de superar velhos processos deensino que não atendem às expectativas dos professores e dos alunos no processo ensino-aprendizagem.Nesta busca por novas maneiras de ensinar, emergem modismos nos processos metodológicos.Entre formas antigas e novas de ensinar Matemática, o professor muitas vezes fica confuso.Hoje parece ser consenso geral a necessidade de ensinar de forma contextualizada. Muitos achamque contextualizar é encontrar aplicações práticas para a Matemática a qualquer preço. Destaconcepção resulta que um conteúdo que não se consegue contextualizar, não serve para serensinado.Logo nas primeiras séries do ensino fundamental é possível verificar alunos representando aMatemática como disciplina difícil; por outro lado os professores afirmam que a Matemática édifícil de ser ensinada de uma maneira que facilite a compreensão dos alunos. Através disso, épossível constatar que a Matemática está impregnada de crenças e mitos que foram sendoconstruídos num processo de relações, por meio das representações que se tem a respeito dela.A Matemática desempenha papel fundamental no desenvolvimento cultural da criança e na suainserção no sistema de referências do grupo ao qual pertence. Porém, a maneira como tem sidoensinada, provoca grandes danos em relação ao seu aprendizado. Surge assim o interesse por esta
1
Licencianda em Matemática pela Universidade Católica de Brasília
 
pesquisa, na busca de informações que possam ajudar a identificar as práticas de ensino deprofessores do Ensino Fundamental da rede privada do Distrito Federal e suas implicações noprocesso de ensino e aprendizagem da Matemática.Os Parâmetros Curriculares Nacionais de Matemática foram elaborados com o objetivo deorientar as escolas a planejarem seus currículos, que possam prever situações em que os alunostenham acesso aos conhecimentos socialmente elaborados e que são necessários ao exercer acidadania, que eles consigam evidenciar a importância que a Matemática tem para compreender omundo em sua volta, e também consigam perceber que esta área do conhecimento estimula acriatividade, a curiosidade, o espírito de investigação e o desenvolvimento da capacidade deresolver problemas.Contudo, essa reflexão despertou a curiosidade de estudar formas de contextualização e analisar aconcepção dos professores em relação à contextualização e sua prática em sala de aula, assimcomo o gosto dos alunos pelas aulas e sua aprendizagem. Acredita-se que esta pesquisa possacontribuir de forma reflexiva para a compreensão do que vem a ser contextualização no ensino daMatemática e também se a sua utilização em sala de aula tem contribuído no aprendizado e nointeresse dos alunos pela Matemática.
2. REVISÃO DA LITERATURA
Como é sabido, existe uma grande preocupação com a melhora do ensino da Matemática.Embora ocorram problemas e dificuldades em outras disciplinas, é na Matemática que seevidencia grande aversão por parte dos alunos; além disso, existe um agravante de domínios deconteúdos que a tempos preocupam os pesquisadores e professores da área. Quanto a esseproblema relacionado à disciplina, Micotti (1999) diz:
“A aplicação dos aprendizados em contextos diferentes daqueles em que foram adquiridos exigemuito mais que a simples decoração ou a solução mecânica de exercícios: domínio de conceitos,flexibilidade de raciocínio, capacidade de analise e abstração. Essas capacidades são necessáriasem todas as áreas de estudo, mas a falta delas, em Matemática, chama a atenção.”
2.1. Contextualização
Freqüentemente, usa-se o termo contexto para se referir a uma dada situação. Conhecer ocontexto significa ter melhores condições de se apropriar de um dado conhecimento, de umainformação.A contextualização, associada à interdisplinaridade, vem sendo divulgada pelo MEC comoprincípio curricular central dos PCN capaz de produzir uma revolução no ensino. A idéia seriabasicamente que formar indivíduos que se realizem como pessoas, cidadãos e profissionais exigeda escola muito mais do que a simples transmissão e acúmulo de informações. Exige experiênciasconcretas e diversificadas, transpostas da vida cotidiana para as situações de aprendizagem.
 
Segundo os PCN, a contextualização tem como característica fundamental, o fato de que todoconhecimento envolve uma relação entre sujeito e objeto, ou seja, quando se trabalha oconhecimento de modo contextualizado a escola está retirando o aluno da sua condição deexpectador passivo.A aprendizagem contextualizada preconizada pelos PCN visa que o aluno aprenda a mobilizarcompetências para solucionar problemas com contextos apropriados, de maneira a ser capaz detransferir essa capacidade de resolução de problemas para os contextos do mundo social e,especialmente, do mundo produtivo. Mais explicitamente a contextualização situa-se naperspectiva de formação de performaces que serão avaliadas nos exames centralizados e nosprocessos de trabalho.Em Matemática, a contextualização é um instrumento bastante útil, desde que interpretada numaabordagem mais ampla e não empregada de modo artificial e forçado, e que não se restrinjaapenas ao cotidiano do aluno. Defende-se a idéia de que a contextualização estimula acriatividade, o espírito inventivo e a curiosidade do aluno.A polêmica sobre o ensino da Matemática não se limita ao Brasil. "Em Portugal, na Europa e naAmérica do Norte, há duas grandes correntes: uma defende o aperto da malha da avaliação eoutra procura tornar a Matemática mais interessante", afirma o pesquisador João Pedro da Ponte
2
,da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.Alguns críticos apontam o descaso com os conteúdos. Ainda para João Pedro da Ponte
3
, as novasestratégias de ensino obtêm mais sucesso com os conteúdos mais básicos. Para ele, a solução estáno equilíbrio. "Já erramos por tornar o ensino muito formal, mas agora se contextualiza tanto quese perde a perspectiva do que está sendo ensinado."De acordo com Tufano (2001), contextualizar é o ato de colocar no contexto, ou seja, colocaralguém a par de alguma coisa; uma ação premeditada para situar um indivíduo em lugar notempo e no espaço desejado. Ele ressalta ainda, que a contextualização pode também serentendida como uma espécie de argumentação ou uma forma de encadear idéias.Para Fonseca (1995), contextualizar não é abolir a técnica e a compreensão, mas ultrapassar essesaspectos e entender fatores externos aos que normalmente são explicitados na escola de modo aque os conteúdos matemáticos possam ser compreendidos dentro do panorama histórico, social ecultural que o constituíram:
“As linhas de frente da Educação Matemática têm hoje um cuidado crescente com o aspectosociocultural da abordagem Matemática. Defendem a necessidade de contextualizar oconhecimento matemático a ser transmitido, buscar suas origens,acompanhar sua evolução,explicitar sua finalidade ou seu papel na interpretação e na transformação da realidade do aluno. Éclaro que não se quer negar a importância da compreensão, nem tampouco desprezar a aquisição de
2
No artigo
 A investigação sobre o professor de Matemática: Problemas e perspectivas
. Disponível em:http://www.educ.fc.ul.pt/docentes/jponte/curso_rio_claro.htm; acesso em janeiro de 2006.
3
Idem.

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->