Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
2Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
LEI Nº 12.094 DE 19 DE NOVEMBRO DE 2009

LEI Nº 12.094 DE 19 DE NOVEMBRO DE 2009

Ratings: (0)|Views: 146 |Likes:
Published by Helton Santos
Dispõe sobre a criação da Carreira de Desenvolvimento de Políticas Sociais, sobre a criação de cargos de Analista Técnico e de Agente Executivo da Superintendência de Seguros Privados - SUSEP, sobre a transformação de cargos na Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA, altera o Anexo I da Lei no 10.871, de 20 de maio de 2004, para adaptar os quantitativos de cargos da ANVISA, a Lei no 11.539, de 8 de Novembro de 2007, que dispõe sobre a Carreira de Analista de Infra-Estrutura e sobre o cargo isolado de provimento efetivo de Especialista em Infra-Estrutura Sênior, e altera a Lei no 11.526, de 4 de outubro de 2007, para prever a fórmula de pagamento de cargo em comissão ocupado por militar, e a Lei no 10.683, de 28 de maio de 2003.
Dispõe sobre a criação da Carreira de Desenvolvimento de Políticas Sociais, sobre a criação de cargos de Analista Técnico e de Agente Executivo da Superintendência de Seguros Privados - SUSEP, sobre a transformação de cargos na Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA, altera o Anexo I da Lei no 10.871, de 20 de maio de 2004, para adaptar os quantitativos de cargos da ANVISA, a Lei no 11.539, de 8 de Novembro de 2007, que dispõe sobre a Carreira de Analista de Infra-Estrutura e sobre o cargo isolado de provimento efetivo de Especialista em Infra-Estrutura Sênior, e altera a Lei no 11.526, de 4 de outubro de 2007, para prever a fórmula de pagamento de cargo em comissão ocupado por militar, e a Lei no 10.683, de 28 de maio de 2003.

More info:

Categories:Types, Resumes & CVs
Published by: Helton Santos on Nov 24, 2009
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/23/2009

pdf

text

original

 
AnoCXLVI N
o
-
222Brasília - DF, sexta-feira, 20 de novembro de 2009
 ISSN 1677-7042 
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.g o v. b r / a u t e n t i c i d a d e . h t m l ,pelo código 00012009112000001Documento assinado digitalmente conforme MP n
o
-
2.200-2 de 24/08/2001, que institui aInfraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
Sumário
.PÁGINAAtos do Poder Legislativo.................................................................. 1Atos do Congresso Nacional.............................................................. 4Atos do Poder Executivo.................................................................. 10Presidência da República.................................................................. 44Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.................... 52Ministério da Ciência e Tecnologia................................................. 57Ministério da Cultura........................................................................ 59Ministério da Defesa......................................................................... 62Ministério da Educação.................................................................... 64Ministério da Fazenda....................................................................... 66Ministério da Justiça....................................................................... 112Ministério da Previdência Social.................................................... 116Ministério da Saúde........................................................................ 117Ministério das Cidades.................................................................... 132Ministério das Comunicações......................................................... 135Ministério de Minas e Energia....................................................... 140Ministério do Desenvolvimento Agrário........................................ 146MinistériodoDesenvolvimento,IndústriaeComércioExterior. 150Ministério do Esporte...................................................................... 152Ministério do Meio Ambiente........................................................ 152Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão........................ 153Ministério do Trabalho e Emprego................................................ 154Ministério dos Transportes............................................................. 154Ministério Público da União.......................................................... 155Tribunal de Contas da União......................................................... 158Poder Legislativo............................................................................. 287Poder Judiciário............................................................................... 288EntidadesdeFiscalizaçãodoExercíciodasProfissõesLiberais. 294
LEI N
o
-
12.094, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2009
Dispõe sobre a criação da Carreira de De-senvolvimento de Políticas Sociais, sobre acriação de cargos de Analista Técnico e deAgente Executivo da Superintendência deSegurosPrivados -SUSEP,sobre atrans-formação de cargos na Agência Nacional deVigilância Sanitária- ANVISA,altera oAnexo I da Lei n
o
10.871, de 20 de maio de2004, paraadaptar os quantitativosde car-gos da ANVISA, a Lei n
o
11.539, de 8 denovembro de 2007, que dispõe sobre a Car-reira de Analista de Infra-Estrutura e sobreo cargoisolado de provimentoefetivo deEspecialista em Infra-Estrutura Sênior, e al-teraa Lein
o
11.526,de 4de outubrode2007, para prever a fórmula de pagamentode cargo em comissão ocupado por militar,e a Lei n
o
10.683, de 28 de maio de 2003.
O PRESIDENTE DA REPÚBLICA
Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sancionoa seguinte Lei:CAPÍTULO ICRIAÇÃO DE CARGOS DE ANALISTA TÉCNICO DEPOLÍTICAS SOCIAISArt. 1
o
Fica criada, no âmbito do Poder Executivo, a Carreirade Desenvolvimento de Políticas Sociais, composta pelos cargos deAnalista Técnico de Políticas Sociais, de nível superior.Art. 2
o
Ficam criados na Carreira de Desenvolvimento dePolíticas Sociais2.400 (doismil equatrocentos) cargosefetivos deAnalista Técnico de Políticas Sociais.§ 1
o
O regulamento disporá sobre a lotação e o exercício dosservidoresocupantesdos cargosaqueserefere esteartigo,queocorrerá exclusivamente nos órgãos da administração pública federaldireta com competências relativas às políticas sociais.§ 2
o
Compete ao Ministério do Planejamento, Orçamento eGestão estabelecer a lotação dos cargos a que se refere este artigo.§ 3
o
Nointeresse daadministração, oMinistério doPla-nejamento, Orçamento e Gestão poderá definir lotação provisória deAnalistas Técnicos de Políticas Sociais em autarquias e fundações.§ 4
o
Os cargos de que trata este artigo serão estruturados emclasseshierarquizadas, naforma doAnexo Idesta Lei,constituídaspor cargos de mesma natureza, mesmo grau de complexidade deatribuições,nível deformação eexperiência exigidospara oseudesempenho.§ 5
o
Alémdoatendimento àsdisposiçõesda LeiComple-mentar n
o
101, de 4 de maio de 2000, o provimento dos cargos de quetratao
caput
desteartigo ficacondicionadoao atendimentodosseguintes requisitos:I - haver prévia demonstração pelo dirigente do órgão res-ponsávelpelarealizão deconcursoblicode exisnciadesu-ficiente dotação orçamentáriae de autorização específicana lei dediretrizes orçamentárias, como determina o § 1
o
do art. 169 da Cons-tituição Federal; eII - ser a demonstração de que trata o inciso I deste parágrafoformalmentesubmetida paraanálise doMinistério doPlanejamento,OrçamentoeGestão, queautoriza,ouo,o iníciodeprocedi-mentos para realização de concursos públicos.Art. 3
o
São atribuições docargo de AnalistaTécnico dePolíticas Sociais:I-executar atividadesdeassistênciatécnica emprojetoseprogramas nas áreas de saúde,previdência, emprego e renda, se-gurança pública,desenvolvimento urbano, segurançaalimentar, as-sistência social, educação, cultura, cidadania, direitos humanos e pro-teçãoà infância,àjuventude, aoportadorde necessidadesespeciais,ao idoso e ao indígena, que não sejam privativas de outras Carreirasou cargos isolados, no âmbito do Poder Executivo;II - verificar, acompanhar e supervisionar os processos ine-rentes ao Sistema Único de Saúde, ao Sistema Único de AssistênciaSociale aosdemais programassociaisdo governofederal objetodeexecução descentralizada;III - identificar situações emdesacordo com os padrões es-tabelecidos emnormas elegislação específicade atençãoà saúde,previdência, emprego e renda, segurança pública, desenvolvimentourbano, segurança alimentar, assistência social, educação, cultura, ci-dadania, direitoshumanos eproteção àinfância, àjuventude, aoportadordenecessidadesespeciais,ao idosoeaoingena,quandonão sejam privativas de outras carreiras ou cargos isolados, no âmbitodo Poder Executivo, proporcionando ações orientadoras e corretivas,promovendo a melhoria dos processos e redução dos custos;IV - aferir os resultados da assistência à saúde, previdência,emprego e renda, segurançapública, desenvolvimento urbano, se-gurança alimentar,assistência social, educação,cultura, cidadania,direitos humanos eproteção à infância, à juventude,ao portador denecessidades especiais, ao idoso e ao indígena, considerando os pla-nos e objetivos definidos no Sistema Único de Saúde, no SistemaÚnico de Assistência Social e demais políticas sociais;V - proceder à análise e avaliação dos dados obtidos, ge-rando informações que contribuam parao planejamento e o aper-feiçoamento das ações e políticas sociais;VI -apoiar e subsidiar asatividades de controle ede au-ditoria; eVII - colaborarna definição de estratégiasde execução dasatividades de controle e avaliação, sob o aspecto da melhoria contínuae aperfeiçoamento das políticas sociais.CAPÍTULO IIINGRESSO NA CARREIRAArt. 4
o
O ingresso nos cargos dar-se-á por meio de concursopúblico de provas e títulos, respeitada a legislação específica.§ 1
o
Oconcurso público referido no
caput
deste artigo po-derá,quando couber,serrealizado poráreasde especializaçãoeorganizado em uma ou mais fases, incluindo, se for o caso, curso deformação, conforme dispuser o edital de convocação do certame,observada a legislação pertinente.§ 2
o
Oedital definirá as características decada etapa doconcursopúblico ea formaçãoespecializada, bemcomo oscritérioseliminatórios e classificatórios.§ 3
o
Oingresso noscargosreferidos no
caput
deste artigoexige diploma de graduação em nível superior e habilitação específica,conforme as atribuições do cargo em cada área de especialização.§ 4
o
Ato doMinistrodeEstadodo respectivoórodelotação definiráa habilitação específicaexigida para oingresso noscargos da Carreira de Desenvolvimento de Políticas Sociais.§ 5
o
O concurso público referido no
caput
deste artigo serárealizado para provimento efetivo de pessoal no padrão inicial daclasse inicial da Carreira de Desenvolvimento de Políticas Sociais.CAPÍTULO IIIREMUNERAÇÃO DOS CARGOSArt. 5
o
Os vencimentos dos ocupantes dos cargos de quetrata o art. 1
o
desta Lei constituem-se de:I - vencimento básico, conforme o Anexo II desta Lei;II - Gratificação de Desempenho de Atividade em PolíticasSociais - GDAPS; eIII - vantagem pecuniária individual, de que trata a Lei n
o
10.698, de 2 de julho de 2003.Art. 6
o
Fica instituída a Gratificação de Desempenho de Ati-vidade em Políticas Sociais - GDAPS, devida aos ocupantes dos car-gos referidos no art. 1
o
desta Lei, quando em exercício das atividadesinerentes às suas atribuições, observando-se os seguintes limites:
Atos do Poder Legislativo
.
 
Nº 222, sexta-feira, 20 de novembro de 2009
2
1
 ISSN 1677-7042 
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.g o v. b r / a u t e n t i c i d a d e . h t m l ,pelo código 00012009112000002Documento assinado digitalmente conforme MP n
o
-
2.200-2 de 24/08/2001, que institui aInfraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.I - máximo de 100 (cem) pontos por servidor; eII - mínimo de 10 (dez) pontos por servidor.§ 1
o
Apontuação aque serefere aGDAPS estáassimdistribuída:I - até 80 (oitenta) pontos em decorrência do resultado daavaliação de desempenho institucional; eII-até 20(vinte)pontosemdecorrência doresultadodaavaliação de desempenho individual.§ 2
o
Os ocupantes dos cargos referidos no art. 1
o
desta Leisomente farão jus à GDAPS se em exercício de atividades inerentesaos respectivos cargos em órgãos da administração pública federaldireta, ressalvado o disposto no § 3
o
do art. 2
o
desta Lei.§ 3
o
A avaliação de desempenho institucional visa a aferir odesempenho do órgão no alcance dos objetivos organizacionais, po-dendoconsiderarprojetose atividadesprioritáriasecaracterísticasespecíficas compatíveis com as suas atividades.§ 4
o
Aavaliação de desempenho individual visaa aferir odesempenhodoservidor noexercíciodasatribuições docargo,comfoconacontribuãoindividualpara oalcancedasmetasorgani-zacionais.Art. 7
o
O Poder Executivo regulamentará os critérios gerais aserem observados na realização das avaliações de desempenho ins-titucional e individual para fins de concessão da GDAPS.§ 1
o
A avaliação individual terá efeito financeiro apenas se oservidor tiver permanecido em exercício de atividades inerentes aorespectivocargopor, nonimo,2/3(doisteos) deumpeodocompleto de avaliação.§ 2
o
A média das avaliações de desempenho individual doconjunto deservidores da Carreirareferida noart. 1
o
destaLei nãopodesersuperior aoresultadodaavaliação dedesempenhoins-titucional.§ 3
o
O servidor ativo beneficiário da GDAPS que obtiver naavaliação de desempenho pontuação inferior a 40% (quarenta porcento) dolimite máximode pontosdestinado àavaliação individualnão fará jusà parcela referente à avaliaçãode desempenho ins-titucional no período.Art. 8
o
Os critérios e procedimentos específicos de avaliaçãoinstitucional e individual e deconcessão da GDAPS serão estabe-lecidos em ato do Ministro de Estado do órgão de lotação, observadaa legislação vigente.Art. 9
o
As metas de desempenho institucional serão fixadasanualmente em ato do dirigente máximo do órgão de lotação.§ 1
o
As metasreferidas no
caput
deste artigodevem serobjetivamente mensuráveis e diretamente relacionadas à atividade-fimdoóro delotação,levando-se emconta, nomomentode suafi-xação, os índices alcançados nos exercícios anteriores.§ 2
o
A avaliação de desempenho institucional referir-se-á aodesempenho doórgão na áreade atuação doscargos de quetrata oart. 1
o
desta Lei.§ 3
o
Asmetasde desempenhoinstitucionale osresultadosapurados a cada período serão amplamente divulgados pelo órgão delotação, inclusive em seu sítio eletrônico.§ 4
o
As metas estabelecidas pelas entidades da administraçãoindiretadeverão sercompatíveis comas políticas,diretrizes emetasgovernamentais dos órgãos da administração direta aos quais estãovinculadas.§ 5
o
As metas e os resultados institucionais apurados a cadaperíodo deverão ser amplamente divulgados pelos órgãos ou enti-dades da administração pública federal, inclusive no sítio eletrônicodo Ministério do Planejamento, Orçamentoe Gestão, e devem seracessíveis a todos os servidores até a fixação de novas metas.§ 6
o
As metaspoderão ser revistasna hipótesede super-veniência de fatores que tenham influência significativa e direta nasua consecução,desde queo próprioórgão nãotenha dadocausa atais fatores.§ 7
o
Oato a que serefere o
caput
desteartigo definirá opercentual mínimo de alcance das metas, abaixo do qual a parcela daGDAPS correspondente à avaliação institucional será igual a zero,sendo os percentuais de gratificação distribuídos proporcionalmente nointervalo entre esse limite e o índice máximo de alcance das metas.Art. 10. As avaliações referentes aos desempenhos individuale institucional serão apuradassemestralmente e produzirão efeitosfinanceiros mensais por igual período.§ 1
o
A periodicidade das avaliações de desempenho individuale institucional poderá ser reduzidaem função das peculiaridades doórgão de lotação, mediante ato do respectivo Ministro de Estado.§ 2
o
Os valores aserem pagosa título deGDAPS serãocalculadosmultiplicando-seosomatório dospontosauferidosnasavaliações de desempenho individual e institucional pelo valor doponto constante do Anexo III desta Lei.§ 3
o
As avaliações serão processadas no mês subsequente aotérminodo períodoavaliativo eseus efeitosfinanceiros iniciarãonomês seguinte ao de processamento das avaliações.Art. 11. Até que sejam processados os resultados do primeiroperíodo de avaliação de desempenho, a GDAPS será paga no valorcorrespondente a 40 (quarenta) pontos.§ 1
o
Oresultado daprimeira avaliaçãogera efeitosfinan-ceiros a partir do início do período de avaliação, devendo ser com-pensadas eventuais diferenças pagas a maior ou a menor.§ 2
o
O dispostonesteartigoaplica-seao ocupantedecargode Natureza Especial e de cargos em comissão.Art. 12.Até queseja processadaa primeiraavaliação dedesempenho individual que venha a surtir efeito financeiro, o servidornomeado para cargo efetivo e aquele que tenha retornado de licençasem vencimento ou cessão sem direito à percepção da GDAPS nodecursodociclo deavaliaçãorecebeagratificação novalorcor-respondente a 40 (quarenta) pontos.Art.13.O titulardecargoefetivoda CarreiradeDesen-volvimento de Políticas Sociais em efetivo exercício em seu órgão delotação,quando investidoem cargoem Comissãode NaturezaEs-pecial, DAS-6,DAS-5 ouequivalente, fajus àGDAPS calculadacom base no valor máximo da parcela individual somado ao resultadoda avaliação institucional do período.Art. 14. Oocupante de cargo efetivo daCarreira de De-senvolvimento de Políticas Sociais que não se encontre desenvol-vendo atividades no órgão ou entidade de lotação somente fará jus àGDAPS:I - quando cedido para a Presidência ou Vice-Presidência daRepública ou quando requisitado pela Justiça Eleitoral, situações nasquais percebea GDAPS calculadacom base nasregras aplicáveiscomo se estivesse em efetivo exercício no órgão de origem; eII-quando cedidoparaórosou entidadesdogovernofederal distintos dosindicados no inciso I do
caput
deste artigo,desdeque investidoem cargoem comissãode NaturezaEspecial,DAS-6, DAS-5 ou equivalentes, situação em que perceberá a GDAPScalculada com base no valor máximo da parcela individual somado aoresultado da avaliação institucional do período.Parágrafo único.A avaliação institucional doservidor re-ferido nos incisos I e II do
caput
deste artigo será a do órgão ou a daentidade de lotação.Art. 15. Ocorrendo exoneração do cargo em comissão, commanutenção do cargo efetivo os servidores referidos nos arts. 13 e 14desta Lei continuarão percebendo a GDAPS correspondente ao últimovalor obtido, até que seja processada a sua primeira avaliação após aexoneração.Art. 16. A GDAPS não poderá ser paga cumulativamentecom qualquer outra gratificação de desempenho de atividade ou deprodutividade, independentemente da sua denominação ou base decálculo.CAPÍTULO IVDESENVOLVIMENTO DOS SERVIDORES NA CARREIRAArt.17.O desenvolvimentodoservidorna CarreiradeDe-senvolvimento de Políticas Sociais ocorrerá mediante progressão fun-cional e promoção.§ 1
o
Para fins deste artigo, progressão funcional é a pas-sagem do servidor de um padrão para outro imediatamente superiordentro de uma mesma classe, e promoção, a passagem do servidor doúltimopadrãode umaclasseparaopadrãoinicial daclasseime-diatamente superior, observando-se os seguintes requisitos:I - para fins de progressão funcional:a) cumprimento do interstício de 18 (dezoito) meses de efe-tivo exercício em cada padrão; eb) resultadomédio superiora 80%(oitenta porcento) dolimite máximo da pontuação nas avaliações de desempenho individualde que trata o § 4
o
do art. 6
o
desta Lei, no interstício considerado paraa progressão;II - para fins de promoção:a) cumprimento do interstício de 18 (dezoito) meses de efe-tivo exercício no último padrão de cada classe;b) resultado médio superior a90% (noventa por cento) dolimite máximo da pontuação nas avaliações de desempenho individualde que trata o § 4
o
do art. 6
o
desta Lei, no interstício considerado paraa promoção; ec) participação em eventos de capacitação com conteúdo ecarga horária mínima estabelecidos em regulamento, observadas asrespectivas especialidades.§ 2
o
O interstício de 18 (dezoito) meses de efetivo exercíciopara aprogressão funcionale paraa promoção,conforme estabe-lecido nos incisos I e II do § 1
o
deste artigo, será:I - computado a contar da vigência do regulamento a que serefere o art. 18 desta Lei;II - computado em dias, descontados os afastamentos re-munerados que não forem legalmente considerados de efetivo exer-cício; eIII- interrompido,nos casosemque oservidor seafastarsemremuneração,sendo reiniciadoocômputoapartir doretornoàatividade.Art. 18. Os critérios de concessão de progressão funcional epromoção de que trata o art. 17 desta Lei serão objeto de regulamento.Parágrafo único. Para fins de progressão, o interstício re-ferido na alínea
a
doincisoIdo §1
o
do art. 17 desta Lei poderásofrer redução de1/3 (um terço), conformedisciplinado em normaespecífica de cada órgão de lotação, mediante resultado de avaliaçãode desempenho e contribuição excepcional para o desempenho ins-titucional, sendoa reduçãolimitada ematé 10%(dez porcento) donúmero de vagas em cada cargo.CAPÍTULO VDISPOSIÇÕES GERAIS SOBRE A CARREIRA DEDESENVOLVIMENTO EM POLÍTICAS SOCIAISArt. 19.É de40 (quarenta) horassemanais ajornada detrabalho dos ocupantes dos cargos da Carreira de Desenvolvimento dePolíticas Sociais.Art. 20. Odisposto no art. 20da Lei n
o
8.270,de 17 dedezembrode 1991,não seaplica aosservidores daCarreira deDe-senvolvimento em Políticas Sociais.Art. 21. Para fins de incorporação da GDAPS aos proventosde aposentadoria ou às pensões, serão adotados os seguintes critérios:I - quando ao servidor que deu origem à aposentadoria ou àpensãose aplicarodisposto nosarts.3
o
e 6
o
da EmendaCons-titucional n
o
41, de 19 de dezembro de 2003, e no art. 3
o
da EmendaConstitucional n
o
47, de 5de julho de2005, a GDAPSserá cor-respondentea50% (cinquentaporcento)dovalor máximodores-pectivo nível, classe e padrão do cargo que lhe deu origem; e
 
Nº 222, sexta-feira, 20 de novembro de 2009
1
3
 ISSN 1677-7042 
Este documento pode ser verificado no endereço eletrônico http://www.in.g o v. b r / a u t e n t i c i d a d e . h t m l ,pelo código 00012009112000003Documento assinado digitalmente conforme MP n
o
-
2.200-2 de 24/08/2001, que institui aInfraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.II - nosdemais casos, aplicar-se-á, para finsde cálculo dasaposentadorias e pensões, o disposto na Lei n
o
10.887, de 18 de junhode 2004.Art. 22. Os servidores integrantes da Carreira de Desen-volvimentoemPolíticas Sociaisnãofazemjusà percepçãodaGra-tificação de Atividade - GAE de que trata a Lei Delegada n
o
13, de27 de agosto de 1992, e da Gratificação de Desempenho de Atividadede Execução e Apoio Técnico à Auditoria - GDASUS, instituída pelaLei n
o
11.344, de 8 de setembro de 2006.Art.23. Oscargos deAnalista Técnicode PolíticasSociaispoderãoser redistribuídosentre osórgãosde lotação,para finsdeajustamento de lotação e da força de trabalho.§ 1
o
A redistribuição de cargo ocupado só poderá ocorrer e oocupante do cargo:I - tiver, no mínimo, 8 (oito) anos de lotação no órgão de origem;II - preencher os requisitos de especialidade existentes noórgão de destino.§ 2
o
A redistribuição dar-se-á por meio de portaria conjuntados Ministros de Estado dos órgãos envolvidos.CAPÍTULO VICRIAÇÃO DE CARGOS NA SUSEPArt. 24. Ficam criados 200 (duzentos) cargos de AnalistaTécnico e 50 (cinquenta) cargos de Agente Executivo no Quadro dePessoal da Superintendência de Seguros Privados - SUSEP.Parágrafo único. Além do atendimento às disposições da LeiComplementar n
o
101,de4 demaio de2000,o provimentodoscargosde quetrata o
caput
desteartigo ficacondicionado aoaten-dimento dos seguintes requisitos:I- haverpréviademonstração, pelodirigentedo órgãoouentidade responsável pela realização de concurso público, de exis-tência de suficiente dotação orçamentária e de autorização específicana lei de diretrizes orçamentárias, como determina o § 1
o
do art. 169da Constituição Federal; eII - ser a demonstração de que trata o inciso I deste parágrafoformalmentesubmetida paraanálise doMinistério doPlanejamento,OrçamentoeGestão, queautoriza,ouo,o iníciodeprocedi-mentos para a realização de concursos públicos.CAPÍTULO VIITRANSFORMAÇÃO DE CARGOS DA ANVISAArt. 25. Ficam transformados no Quadro de Pessoal daAgência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA 50 (cinquenta)cargosvagos denível intermediáriode Técnicoem RegulaçãoeVigilânciaSaniria,da CarreiradeSuporteà RegulaçãoeFisca-lização de Locais, Produtos e Serviços sob Vigilância Sanitária, cria-dos pela Lei n
o
10.871, de 20de maio de 2004, em 50 (cinquenta)cargos de nível intermediário de Técnico Administrativo da Carreirade Técnico Administrativo.Art. 26. O Anexo I da Lei n
o
10.871, de 20 de maio de 2004,passa a vigorar com as alterações dispostas no Anexo IV desta Lei.CAPÍTULO VIIIALTERAÇÃO DA LEGISLAÇÃO REFERENTE AOSANALISTAS DE INFRA-ESTRUTURA E AOS ESPECIALISTASEM INFRA-ESTRUTURA SÊNIORArt. 27. Os arts. 5
o
, 7
o
, 8
o
, 9
o
, 11, 12 e 13 da Lei n
o
11 . 5 3 9 ,de 8 de novembro de 2007,passam a vigorar com as seguintesalterações:"Art. 5
o
.............................................................................................................................................................................................§ 2
o
Os ocupantes dos cargos referidos no art. 1
o
desta Leisomente farão jusà GDAIE se em exercíciode atividades ine-rentes aos respectivos cargos em órgãos da administração públicafederal direta, autárquica ou fundacional.§ 3
o
A avaliação de desempenho institucional visa a aferir odesempenho doórgão ou entidadeno alcance dosobjetivos or-ganizacionais, podendoconsiderar projetos eatividades priori-tárias e características específicas compatíveis com as suas ati-vidades..............................................................................................." (NR)"Art. 7
o
Os critérios e procedimentos específicos de ava-liação institucional e individual e de concessão da GDAIE serãoestabelecidos em ato do Ministro de Estado do órgão ou entidadede lotação, observada a legislação vigente." (NR)"Art. 8
o
As metas de desempenho institucional serão fixadasanualmente em ato do dirigente máximo do órgão ou entidade delotação, elaboradas em consonância com as diretrizes e metasgovernamentais fixadas no plano plurianual, na lei de diretrizesorçamentárias e na lei orçamentária anual.§ 1
o
As metasreferidas no
caput
deste artigodevem serobjetivamente mensuráveise diretamente relacionadasà ativi-dade-fim do órgão ou entidade de lotação, levando-se em conta,no momento de sua fixação, os índices alcançados nos exercíciosanteriores..........................................................................................................§ 4
o
As metaspoderão ser revistasna hipótesede super-veniência de fatores que tenham influência significativa e diretana sua consecução,desde que o próprio órgãoou entidade nãotenha dado causa a tais fatores..........................................................................................................§ 6
o
As metas estabelecidas pelas entidades da administraçãoindireta deverão ser compatíveis com as políticas, diretrizes emetasgovernamentaisdosóros daadministraçãodiretaaosquais estão vinculadas.§ 7
o
As metase os resultadosinstitucionais apuradosa cadaperíodo deverãoser amplamente divulgadospelos órgãosou en-tidades da administraçãopública federal, inclusive nosítio eletrô-nico do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão." (NR)"Art. 9
o
....................................................................................§ 1
o
A periodicidade das avaliações de desempenho indi-vidualeinstitucionalpodeser reduzidaemfuãodaspe-culiaridadesdo órgãoouentidade delotação,mediante atodorespectivo Ministro de Estado..........................................................................................................§ 3
o
Asmetasde desempenhoinstitucionale osresultadosapurados a cada período serão amplamente divulgados pelo órgãoou entidade de lotação, inclusive em seu sítio eletrônico." (NR)"Art. 11. Atéque seja processada aprimeira avaliação dedesempenho individual que venha a surtir efeito financeiro, oservidor nomeado para cargo efetivo e aquele que tenha retornadode licença sem vencimento ou cessão sem direito à percepção daGDAIE no decurso do ciclo de avaliação receberá a gratificaçãono valor correspondente a 40 (quarenta) pontos." (NR)"Art. 12. O titular de cargo efetivo da Carreira de Analista deInfra-Estrutura oudo cargo de Especialistaem Infra-EstruturaSênior, em efetivo exercício em seu órgão ou entidade de lotação,quando investido em cargo em Comissão de Natureza Especial,DAS-6, DAS-5 ou equivalente fará jus à GDAIE calculada combase no valor máximo da parcela individual somado ao resultadoda avaliação institucional do período." (NR)"Art. 13. O ocupante de cargo efetivo da Carreira de Analistade Infra-Estrutura ou do cargo de Especialista em Infra-EstruturaSênior que não se encontre desenvolvendo atividades no órgão ouentidade de lotação somente fará jus à GDAIE:I - quando cedido para a Presidência ou Vice-Presidência daRepública, situação na qual perceberá a GDAIE calculada combase nas regras aplicáveis como se estivesse em efetivo exercíciono órgão ou entidade de origem; e..........................................................................................................Parágrafo único.A avaliação institucional doservidor re-ferido nos incisos I e II do
caput
deste artigo será a do órgão ouentidade de lotação." (NR)Art. 28. A Lei n
o
11.539, de 8 de novembro de 2007, passaa vigorar acrescida do seguinte art. 13-A:"Art.13-A.Ocorrendoexonerão docargoemcomiso,com manutenção do cargo efetivo, os servidores referidos nosarts.12 e13 destaLeicontinuarão percebendoa GDAIEcor-respondente ao último valor obtido, até que seja processada a suaprimeira avaliação após a exoneração."CAPÍTULO IXCARGOS EM COMISSÃO OCUPADOS POR MILITARESArt. 29. O art. 2
o
da Lei n
o
11.526, de 4 de outubro de 2007,passa a vigorar com a seguinte redação:"Art. 2
o
O servidor ocupante de cargo efetivo, o militar ou oempregado permanente de qualquer dos Poderes da União, dosEstados, dos Municípios ou do Distrito Federal investido noscargosaqueserefereoart. 1
o
desta Lei poderá optar por umadas remunerações a seguir discriminadas:..........................................................................................................II - a diferença entre a remuneração do cargo em comissão earemuneraçãodo cargoefetivo,dopostoou graduação,oudoemprego; ouIII - a remuneração do cargo efetivo, do posto ou graduação,ou do emprego,acrescida do percentual de60% (sessenta porcento) do respectivo cargo em comissão................................................................................................" (NR)CAPÍTULO XDISPOSIÇÕES FINAISArt. 30. O inciso XI do
caput
do art. 29 da Lei n
o
10.683, de28 de maio de 2003, passa a vigorar com a seguinte redação:"Art. 29. ...........................................................................................................................................................................................XI -do Ministériodo Esporte oConselho Nacionaldo Es-porte e até 4 (quatro) Secretarias;.............................................................................................." (NR)Art. 31. Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.Brasília, 19 de novembro de 2009; 188
o
da Independência e121
o
da República.LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA
Paulo Bernardo Silva
ANEXO IESTRUTURA DOS CARGOSCarreira de Desenvolvimento de Políticas SociaisNÍVELCARGOCLASSEPA D R Ã OIIIEspecialIIIVIVSuperiorAnalista Técnico deBIIIPolíticas SociaisIIIVIVAIIIIIIANEXO IIVENCIMENTO BÁSICOCarreira de Desenvolvimento de Políticas SociaisNÍVELCARGOCLASSEPA D R Ã OVENCIMENTO BÁSICO (R$)III5.151,00EspecialII4 . 9 4 9 , 11I4.755,13V4.362,51Analista TécnicoIV4.191,52Superiorde PolíticasBIII4.027,24SociaisII3.869,40I3.717,74V3.410,77IV3.277,09AIII3.148,64II3.025,24I2.906,66

Activity (2)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 thousand reads
1 hundred reads

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->