Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
102Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Cálculos de Curto-Circuito

Cálculos de Curto-Circuito

Ratings:

5.0

(2)
|Views: 6,842 |Likes:
Published by Paulo Fernando
Cálculo de Curto-Circuito sempre foi considerado assunto complexo. Porém, aqui está um método simples, eficaz e acessível à todos que conhecam apenas a lei de Ohm.
Cálculo de Curto-Circuito sempre foi considerado assunto complexo. Porém, aqui está um método simples, eficaz e acessível à todos que conhecam apenas a lei de Ohm.

More info:

Published by: Paulo Fernando on Nov 25, 2009
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/17/2014

pdf

text

original

 
 _______________________________________________________________________________________________
Consultoria e Serviços de Engenharia .
cse@belsol.com.br - fone: (35) 3712-4175 - fax: (35) 3714-2349
Rua Guaicurus, 460 - Vila Togni - Poços de Caldas - M.G. cep:37 704 347
 
Procedimentos para cálculos de curto-circuito.1-
 
Consequências do curto:
 
Gases por aquecimento:
Quando acontece um arco elétrico, devidoa um curto circuito, o ar aquecido pela temperatura do arco,comporta-se como um gás comprimido, expandindo-se earremessando em sua expansão partículas depoeira e gotículas de metal fundido que podematingir partes vitais do indivíduo em seu trajeto.
 
Bola de fogo / Plasma :
Quando a potência docurto circuito é apreciável, o ar aquecido peloarco torna-se em um plasma (gás à altíssimatemperatura), criando assim uma “bola de fogo”que pode incendiar todos os materiaiscombustíveis em que tocar. Felizmente seu raio de ação érelativamente pequeno.
 
Onda eletromagnética de energia emitida pelo arco elétrico.Velocidade = 300.000 km / s. :
Quando ocorre a liberação de energiaatravés de combustão, explosão químicaou
arco voltaico,
temos a transformaçãode todo energético primário disponível,num intervalo de tempo relativamentepequeno, em energia eletromagnéticanão ionizante (infravermelho – luz visível – ultravioleta).Esta energia, dita irradiada, espalha-seem todas as direções, formando umasuperfície esférica que se propaga navelocidade da luz, sendo portanto o primeiro e muitas vezes o maiorimpacto a contatar os corpos colocados em seu raio de ação.
 
LI.LO
 
 
CSE consultoria e serviços de engenharia ltda.
 2 
D
LI . LO
I . D
Como a área de uma esfera é: S =

. D
2
, para uma esfera de raiounitário, o feixe de área unitária é representado pela área da esferadividida por

 Quando um feixe de energia, de seção quadrada, é irradiado a partirde um ponto de origem “O”, num determinado instante e a umadistância “D” do ponto “O”, toda energia contida neste feixe estádistribuída em uma área quadrada cujo lado é “L” e cuja área é L².Quando variamos a distância “D” deum fator “I”, por semelhança detriângulos, podemos perceber que oslados do quadrado também variamna mesma razão “I”.A área desta nova seção quadrada é(I . L)². Mas, se considerarmos “L”como unidade, teremos: S = I².1Podemos então dizer que a área da seção quadrada que intercepta ofeixe em questão é proporcional ao quadrado da distância desteplano à origem “O”.Como a energia contida no feixe é constante e homogeneamentedistribuída pela área do plano que intercepta o feixe de radiação,podemos dizer que num ponto qualquer da rota do feixe,
a potênciada radiação é inversamente proporcional ao quadrado dadistância entre este ponto e o ponto “O”, origem da radiação.
 Como normalmente nos interessa este tipo de radiação seprocessando no vácuo ou dentro da atmosfera terrestre e entredistâncias relativamente pequenas, também podemos dizer que suaabsorção pelo “meio” é desprezível (o que está a favor da segurança)e que toda potência desenvolvida na emissão é irradiadaesfericamente.Isto quer dizer que:
A energia disponível em qualquer ponto doespaço (J
d
), é diretamente proporcional à “potênciaoriginalmente irradiada na direção do feixe”, à áreainterceptada do cone de radiação e ao tempo de exposição (ela écumulativa, W = J / t) e inversamente proporcional ao quadradoda distância entre este ponto e o ponto de origem da radiação.
 
CSE consultoria e serviços de engenharia ltda.
 3 
J
d
= (S /
)
. (W
E
. t) / L 
2
[W/cm²]ou:J
d
= 0,32 . Aj dim . (W
E
. t) / L² [W/cm²]Obs.: Para respostas em: [W/cm²], Aj dim. = 3,85 , Portanto:J
d
= 0,32 . 3,85 . (W
E
. t) / L² [W/cm²] ; ou ainda:J
d
= 1,232 . (W
E
. t) / L² [W/cm²] .Onde:Jd = [W/cm²]W
E
= MWt = s ; (Defaut: t = 0,1 s)L² = m²Mas energia disponível não quer dizer energia transferida.Quando os corpos recebem energia eletromagnética nasfreqüências que vão desde infravermelho até ao ultravioleta,passando pelo espectro visível, três coisas podem acontecer:1.
 
O corpo reflete a energia2.
 
O corpo absorve a energia3.
 
O corpo conduz a energia sem absorvê-laNormalmente duas ou três destas coisas ocorrem simultaneamente esuas amplitudes são expressas por números adimensionais que vão de0 a 1.O corpo humano não é exceção, e seus índices são:
1.
 
Reflexão: 0,72262.
 
Absorção: 0,27743.
 
 Transmissão: 0,0000Isto significa que se um corpo humano estiver no raio de ação de um feixede radiação, 27,74 % da potência que o atinge, será absorvida por ele.Mas o que nos interessa, neste trabalho, é determinar a distância, otempo ou a potência limites onde as lesões provocadas no homem pela

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->